Gays na cam

Segunda-feira, 13 de Agosto de 2012
CONTOS DOS USUARIOS
Pegação, Polícia e Ladrão (Final)
Continuação do conto...
por Peter Cummer

Depois de ter sido surpreendido no Aterro do Flamengo por um policial, enquanto fazia uma pegação gostosa, fui autuado e levado para dentro da viatura da PM com Victor, um rapaz que conheci naquele lugar e que também participava da "festinha" do prazer carioca Frias, o policial que me abordou, condicionou nossa soltura à realização de seus caprichos sexuais dentro do veículo. Enquanto eu pagava um boquete no PM, Victor abriu a porta do carro, de súbito, e saiu correndo Aterro afora. O problema é que ele, mal ou bem, era minha testemunha. E a merda era que agora eu estava sozinho ali. Frias e eu.

- Agora você vai ter que dar conta, irmão. Vai ter que liberar a rosquinha.

Frias mandou que eu tirasse a roupa e saiu de dentro do carro. Abriu a porta do carona e se pôs diante de mim, em pé, do lado de fora.

- Aguenta firme aí que eu vou aproveitar e dar uma mijada! – disse ele, com a mala pesada na mão. – e nem pense em fazer como seu amiguinho, entendeu moleque?

- Beleza, pode deixar.

- Pode olhar, moleque. Tu tem cara de que curte ver homem mijando. Curte ou não curte?

- Curto... – disse eu, pra não contrariar, apesar de nunca ter atentado para algum tipo de tesão em ver esta cena.

- Eu sabia. Viado que é viado gosta de uma mijada.

- Como assim?

- Tu sabe do que eu to falando! Viado gosta de um banho quentinho...

- Que isso, cara! Nada a ver...

- Nada a ver é o caralho! Tu não disse que curtia, moleque!?

- Falei mas...

- Então coloca a cara aqui pra levar uma mijada! Anda viadinho!

Dito isso, agarrou minha cabeça pela janela do carro e tentou mijar nela, com os últimos jatos de mijo que saíam da cabeça do seu pau. Como não teve muito êxito, emputeceu-se e ordenou:

- Deu sorte, né vadia? Escapou de beber água quente, né? Então seca meu pau agora.

- Como assim?

- Viado burro! Abre a boca que eu vou te ensinar!

O PM insistiu para que eu abrisse a boca, mas como eu demorei em atender o seu pedido, levei dois tapas na cara, até que obedeci.

- Homem seca o pau assim, olha... balançando! – disse ele, sacudindo o pau na minha cara, que respingava mijo – Entendeu? Assim, olha... – e repetia o gesto!

Com a cara já toda respingada de urina, tive que chupar o pau do Frias encharcado de mijo, caladinho. Ele, do lado de fora, socava na minha garganta. Minha boca babava, com um certo nojo, um certo tesão. A saliva escorria pela cara e caía na grama. E não era pouca coisa não. A mamada foi uma das mais violentas que protagonizei. Era embalada por um som que soava molhado, forte e ritmado. As bolas do PM batiam na minha cara quando a cabeça de seu pau alcançava o fundo da garganta. Às vezes eu regurgitava, mas ele não tinha pena. E eu acabava, sem querer, mordendo o membro do PM.

- Abre a boca, porra! Se morder vai apanhar! – e tornava a meter a rola na minha boca, tapando meu nariz, de maneira que eu tivesse que, para não perder o fôlego, permanecer de boca aberta.

Quando cansou de me foder a boca, me avisou que iria arrombar meu rabo. De pau pra fora, colocou uma camisinha e disse, rindo-se em ironia:

- É, irmão, perdeu. Esse cuzinho agora é meu.

Frias abriu a porta do carona, escondendo a cena dos olhares curiosos que eventualmente pudessem aparecer. Somente os muito atentos entenderiam o que estava acontecendo ali naquele carro, pois o PM fez de uma forma que eu ficasse completamente escondido.

- Sem reclamar, fica de quatro e empina esse rabo. – ordenou o PM.

Obedeci. Fiquei de quatro no banco do carona, com a bunda virada para a porta e a cara encostada no banco do motorista.

- Que delícia, garoto! Delícia de cu, hein!? Vou ter que cair de boca.

Frias abriu meu rabo e começou a chupá-lo, de forma voraz. Cuspia de longe, tentando acertar o alvo, e lambia em seguida, gemendo entre uma exclamação e outra, e tecendo vários elogios ao formato do meu glúteo. Enquanto isso, uma de suas mãos másculas e pesadas tocava seu pau encapado. A outra se preocupava em me espancar... mas espancar de leve, palmadinhas, umas mais fortes, outras nem tanto... os tapas na bunda complementavam na medida a explosão de tesão do rapaz.

- Cuzão guloso, hein? Delícia... caralho, que delícia de rabo! Abre pra mim, abre. Abre pra eu chupar – dizia isto, enquanto metia a língua dentro dele, finalizando cada uma das investidas de sua língua com mordidas que me levavam ao céu!

- Cai de boca nesse rabo! Isso...

- Geme, putinha, geme...

- Ah... isso... aiii! oh... oh...

- Rebola vadia... rebola esse cuzão na minha cara!

- Aiii...

- Pronto. Agora que já está bem molhadinho, é hora de eu fazer meu servicinho, e você, o seu... prepara esse cuzão pra levar rola, vai.

Procurei relaxar a musculatura do ânus porque sabia que a coisa ali era complicada. O dote do PM não era dos menores, não. Mas, cá pra nós, quando decidi ir para aquele lugar eu me preparei para o que viesse acontecer. Certamente não contava com a chegada da polícia, e tudo o mais. Mas dizer que não estava preparado para dar o rabo seria, no mínimo, uma insanidade.

Como meu cu já estivesse bem umedecido pela saliva do PM, este deu umas duas ou três cuspidas na mão, passando-a na cabeça do pau, deslizando corpo abaixo. Deu três batidas com a rola na minha bunda e começou a forçar para me penetrar. Fez isso devagar, até entrar a cabeça.

- Relaxa, moleque. Isso, relaxa... sente a cabeça do pau do PM! Vai, cuzão! Engole a cabeça da minha pica... isso... assim...

E me ordenava para que abrisse o cu, devagar, sem pressa, pra cabeça entrar. Isso fez com que eu relaxasse e, de fato, engolisse a cabecinha do rapaz. “Cabecinha”, não. Que cabeça de pica era aquela! O diminutivo é completamente dispensável.

Quando o Frias meteu a cabeça e sentiu que ela estava plenamente dentro do meu cu, confortável, mandou rebolasse gostoso em seu pau. Pediu para que eu piscasse o cu e, mais uma vez, que eu relaxasse. Quando eu relaxei, não houve tempo para que eu pudesse sair do estado de relaxamento. A estocada foi de uma vez só. O PM, experiente, aproveitou a abertura do meu cu e me pegou de surpresa, socando de uma vez só seu pau até o talo dentro do meu cu. Surpreso, e sem escolha, gritei.

- Cala a boca, porra! Cala a boca! Quer morrer, filho da puta? Empina esse cu calado!

- Ai... calma... calma...

- Calma é o cacete! Sente meu saco batendo na tua bunda... olha que delícia! Que cuzão gostoso! Toma pica, vadia. Toma pica.

E pouco tempo depois de ter sido surpreendido com a estocada repentina, meu cu já se sentia ambientado com aquela jeba gigante dentro dele, entrando e saindo, em ritmo acelerado. Quando aumentava a dificuldade em penetrar, eu sentia a saliva do Frias molhar a entrada do meu rabo. Às vezes acertava em cheio a interseção entre seu pau e meu cu. Às vezes, não. Então sua saliva acertava minha bunda, escorrendo por ela e molhando o banco do carro. Depois de uma certo tempo, minha bunda estava completamente molhada de cuspe, de tanto que o PM se empenhava em lançar saliva sobre mim.

Frias segurava na minha cintura e puxava-a contra seu corpo, dando tapas na bunda, com uma força tal que se intensificava conforme aumentava seu tesão em devorar meu rabo. Fazia o trabalho com uma certa pressa, despreocupado em saber se eu estava gostando ou não. Mas eu estava. Estava gostando e muito, a ponto de eu gozar sem tocar no pau enquanto o PM metia rola no meu cu.

- Estou gozando, cara.

- Ah é, viadinho? Goza gostoso então com o PM te fodendo.

- Ahhhh... ahnnn...

- Goza, putinho... goza que eu vou te dar leitinho também!

Frias passou sua mão no meu gozo sobre o banco do carro e começou a espalhar porra na minha cara. Forçava seu dedo embebido de leite por dentro da minha boca, mandando que eu provasse e engolisse meu esperma. Minha cara já era estava toda esporrada àquela altura. Satisfeito em me gozar a cara, chegou a vez do PM lançar fora seu leite quente. Foi por isso que pediu para que eu virasse de frente. Fiquei um tanto sem posição, porque o freio de mão atrapalhava. Ele pediu para que eu ficasse de frango assado e, pelo motivo acima, tive que chegar um pouco pra frente, sentando no banco do carona e colocando uma das pernas sobre o painel do carro, enquanto a outra fazia apoio no teto.

- Pronto, assim! Vou te dar leite agora, seu viado gostoso do caralho!

Frias enfiou dois dedos no meu cu, bombando-me com eles. Com a outra mão, e já sem camisinha, masturbava-se com muita intensidade. O resultado desse conjunto foi uma explosão de porra pra tudo que era lado dentro do carro. E eu, obviamente, era o alvo que mais recebia seus jatos de leite. Fiquei completamente sujo de porra dentro do carro, e acabei me limpando com a roupa que estava jogada há muito tempo em um dos cantos do veículo.

- Anda, se veste rápido e mete o pé, viadinho!

- Tudo bem.

- Gostou da pica do PM?

- Nossa, muito bom, cara.

- Serviço completo. Barba, cabelo e bigode.

- E tudo cheio de porra! – brinquei.

- Pronto, já recebeu seu alvará de soltura, pode ir. Se um dia quiser repetir a dose, estou sempre por aqui.

- Pode deixar. Não estou achando meu tênis e minha carteira.

- A carteira está aqui – e me entregou o objeto – agora o tênis...

- Deixa, já achei. Embaixo do banco.

- Valeu, viadinho. Agora vaza daqui que meu parceiro já ta vindo.

Passei pelo parceiro do Frias, que olhou pra mim como se soubesse do que ocorrera dentro do carro. Fiquei um tanto sem graça e continuei. Olhei pra trás e estava lá ele, conversando com o outro PM, apontando pra mim, sorrindo. Acenei para ele e fui embora pegar meu ônibus. E ele, nem um pouco constrangido com a presença do amigo, também acenou em minha direção. Contudo, diferente do que eu pensava, não havia no sorriso de despedida do PM apenas boas intenções. Digo isto porque, quando fui pegar meu ônibus, já longe dali, não havia um centavo sequer dentro da minha carteira. Completamente vazia.

Quando dei por mim, e a ficha, enfim, caiu, fui tomado por um sentimento de indignação muito forte. Sem que eu sequer desconfiasse, ele se despediu de mim, acenando com as mãos, num gesto até gentil. O que ele tinha de gostoso, tinha de cínico e mal-caráter. No rosto, um sorriso pífio escondia seu apetite voraz e tudo o que ele seria capaz de fazer para conseguir matar sua fome. Mais uma vez a revolta tomou conta de mim. Ainda assim, o prazer consumado ali, disfarçado na escuridão, continuou a ecoar na minha mente por muito, muito tempo.
Norma para comentários:
Acusações insultuosas e comentários em desacordo com o tema da matéria serão despublicados.
Comentários dos leitores (26)
Daniel07/03/2017 23:39
Daniel07/03/2017 23:39
Que conto sensacionaaal!! Gozei aqui, só lendo as falas do soldado!!! kkkkkkkkkkk Valeu aí Peter!!!! :)
romario24/11/2015 22:10
romario24/11/2015 22:10
voces ficam aqui so mandando boca, mas na realidade estao e com inveja, bichas mal amadas, kkkkkk
juliano mineiro27/09/2015 11:15
juliano mineiro27/09/2015 11:15
Adoro esses contos.....tiver ativo na área.....31 97131544
denis20/05/2015 7:54
denis20/05/2015 7:54
olha fui em quadrado e tive que chupar os 3 pm foi foda e gostei , me liga ai 11 940015161 gostei to ai pra putaria .
brian20/06/2013 14:47
brian20/06/2013 14:47
galera pq voces falam o que ñ sabem, só quem viveu isso foi ele e ñ voces, então parem de dizer que foi mentira dele pq eu conheço policiais que são assim, vcs são bichas mal amadas sem nenhum conto, suas podres invejosas.
pablo23/05/2013 10:51
pablo23/05/2013 10:51
EU ERA CASADO MINHA QUINTA VEZ FOI UM PRIMO, ME CHAMOU P/ BEBER CERVEJA, POIS N DESCUFIAVA ELE TAVA QUERENDO A MESMA COISA QUE EU DEPOIS ELE ME DE CARONA, LEVOU PRA MATO, ONDE TUDO QUE ACOTECEU, PRIMEIRO EU EXPLIQUEI P/ ELE QUE EU SÓ SOMENTA PASSIVO P/ HOMENS, ELE ENTENDEU, TINHA UM PICA BEM DOTADO, PEDIU P CHUPAR, CAI DE BOCA ATE QUE ELE GOSOU BASTANTE TE ENGOLI , MINHA NOSSA ELE N PARAVA DE GOSAR TE ANGOLI ULTIMA GOSA, QUE MAIS GOSTOSA. FOMO P MOTEL EU DEI P ELE QUASE RASGOU A PICA QUE TEM ERA MUITO GRANDE. MAS FOI ASSIM NOSSO ENCONTRO FOI PELAS OITO ANOS, ATE QUE MUDOU P CUIABÁ, ELE ERA CASADO TAMBÉM. SO QUE QUANDO AJENTE SE ENCONTRAVA ELÊ TRAZIA A ESPOSA DELE PRA MIM SAIS C ELÊ. DEPOIS ERA MAS UMA VEZ. QUE PICA MARAVILHOSA BEM DOTADO.
BRUNO RIO DE JANEIRO02/01/2013 22:32
BRUNO RIO DE JANEIRO02/01/2013 22:32
SOU GAY COM APARÊNCIA DE HOMEM MAS GOSTO MUITO DE SER PASSIVO EU SOU MORENO CLARO TENHO 170 OLHOS COR DE MEL E CORPO LISO E TENHO 35 ANOS E TENHO O CORPO SARADO QUERO CONHECER HOMENS COM JEITO DE MACHO QUE SEJA SÓ ATIVO E QUE QUEIRA NAMORO OU SEXO MEU TELEFONE E 94526337
Moreno de Fortaleza-Ce01/10/2012 14:26
Moreno de Fortaleza-Ce01/10/2012 14:26
Oi tenho 22 anos,sou gay (nao assumido) nao tenho nem aparencia nem sou afeminado,to llouco pra tranzar com algum cara SOU VIRGEM ,QUEM QUISER ENTRAR EM CONTATO ME ADICIONA AI NESSE MSN kerodar21@hotmail.com estarei aguardando
litoraneo27/08/2012 19:30
litoraneo27/08/2012 19:30
EEhhh!!! tem gosto pra tudo. Lamentável, sem comentários.
alex23/08/2012 18:28
alex23/08/2012 18:28
eu gosto de dar,a bundiha,05591609328.
Bit21/08/2012 2:25
Bit21/08/2012 2:25
Adorei só sabe quem já passou por situações parecidas. tem muito policia safado que aooram uma putaria afinal eles tbem tem fantasias e são homens que adoram sexo kkkkkkkk
P/ MURILO19/08/2012 20:50
P/ MURILO19/08/2012 20:50
Se for o mesmo negão que eu vi, o cara era gostoso mesmo.. Deve ter maior pirocão rsrsrs
Diego18/08/2012 4:59
Diego18/08/2012 4:59
Que porcaria de conto, o maior blá blá blá, de agora em diante, não leio mais os contos desse autor, não tem um que vale a pena ser lido, affffffffffff.
۞metal 80s17/08/2012 8:18
۞metal 80s17/08/2012 8:18
caralho, muito massa véi, tesão da porra aqui, valeu brother!
p/ Dudinha16/08/2012 15:38
p/ Dudinha16/08/2012 15:38
manda o teu conto pra eu ler?????
Bruno B-H15/08/2012 21:58
Bruno B-H15/08/2012 21:58
TA NA CARA Q E TUDO MENTIRA, SAI FORA JACARÉ
kadet 14/08/2012 11:30
kadet 14/08/2012 11:30
Poderia ter ficado somente a primeira parte, esta parte ta mais para um conto de fada!!!!!!!!
Dudinha14/08/2012 11:29
Dudinha14/08/2012 11:29
GOSTEI DO CONTO... MAS O MEU ATE AGORA NÃO FOI POSTADO...QUE CHATO!!! O SITE PEDE QUE AGENTE ENVIE CONTOS, E TAL... DEPOIS QUE MANDAMOS NEM NOS DÃO SATISFAÇÃO. VALEU MUNDO MAIS.
para SERTANEJO14/08/2012 8:00
para SERTANEJO14/08/2012 8:00
vai ouvir suas musiquinhas de michel teló e luan santana e não enche o saco, bobão!
Murilo14/08/2012 7:55
Murilo14/08/2012 7:55
Deixem de ser hipócritas: quem nunca sentiu tesão qdo leu nos jornais ou viu na TV um caso de estupro? Eu pelo menos sou tarado por malandros, bandidos e estupradores em geral. Outro dia ví na TV um negrão sarado que estuprou uma mulher e fiquei louco de tesão, fiquei imaginando ele me estuprando e aí eu fingia que não gostava mas acabada gozando enquanto ele me fodia, nossa, por isso adorei seu conto, VALEU CARA!
mineiro14/08/2012 0:17
mineiro14/08/2012 0:17
nao gostei , falta de criatividade
Junior - Campos/ RJ14/08/2012 0:16
Junior - Campos/ RJ14/08/2012 0:16
Uma fez saí com um garoto de programa, que fez o mesmo que o policial , aproveitou de um momento de distração abriu minha carteira e tirou cem reais. Também senti raiva, indignação e impotência já que não teria coragem de entrar numa delegacia pra dar queixa , seria ridicularizado pela polícia. Liguei para o Garoto pra tirar satisfação e ele me mandou dar queixa, uma atitude de deboche, pois sabia que não faria isso.
Dann13/08/2012 23:22
Dann13/08/2012 23:22
Nossa! que história deliciosa. Tenho uma tara por policiais, acho um tesão homens de uniformes, principalmente policiais. queria ter a sorte de um dia ser fudido por um.
Carlos13/08/2012 23:15
Carlos13/08/2012 23:15
Perfeito como todo os outros contos de você Peter ^^
13/08/2012 23:05
13/08/2012 23:05
ahazou!
SERTANEJO13/08/2012 22:54
SERTANEJO13/08/2012 22:54
ESSES TIPOS DE CONTOS FAZEM APOLOGIA À VIOLÊNCIA, INTOLERÂNCIA, HOMOFOBIA E TUDO MAIS DE RUIM QUE POSSA ACONTECER A UM GAY. DECIDIDAMENTE ESSES FETICHES SÃO ESCROTOS E NOJENTOS. CUMMER JÁ ESCREVEU COISAS MELHORES.
Faça seu comentário!
Nome

Faça seu comentário:

Sungas Online