Gays na cam

Quarta-feira, 31 de Julho de 2013
CONTOS DOS LEITORES
Maravilha Baiana
Nelson, nosso baiano de sucesso aqui no MundoMais, é o protagonista deste conto em que um fã o encontra num shopping center de São Paulo.
por William Saints

Eu havia acabado de me mudar para São Paulo. E lá estava eu, um universitário de 18 anos perdido no meio da maior metrópole do país. Eu me sentia um peixe fora d’água. São Paulo nada se parecia com a minha cidadezinha interiorana mineira. Eu havia conseguido com muito esforço alugar um pequeno apê próximo à faculdade. O lugar era pequeno, mal me cabia direito, mas eu tinha que agradecer muito por isso.

Era meu primeiro ano na faculdade de fotografia. Eu tinha um sonho e fazia de tudo para realizá-lo, imagina a decepção dos meus pais quando descobriram que eu não queria ser médico e sim um fotógrafo.

Pensar nisso fazia eu me sentir um pouco culpado. Eu nunca seria como os meus pais desejavam. Eu não sonhava em achar a mulher perfeita, me casar, ter filhos... Isso não tinha nada a ver comigo. Primeiro porque desde criança eu sabia que gostava de garotos. Quando cheguei à minha adolescência e descobri que era gay, eu soube que nunca seria como os meus pais queriam. Eu não podia fazer nada para mudar isso.

Eu tirava fotos das pessoas e das lojas à minha volta. Era fim de semana e eu havia decidido que passaria o sábado no shopping. Usava jeans básico, All Star, uma camiseta preta e uma jaqueta escura. Eu era um cara que não passava despercebido aos olhares cobiçados das paulistanas. Cabelos lisos pretos com um corte moderno que deixava as laterais mais baixas do que os fios de cima no estilo do cantor Adam Lambert, olhos verdes intensos, lábios cheios e rosados e a pele branca lizinha. Muitas vezes eu posava como modelo em minhas fotos.

Distraído, continuei a tirar fotos das pessoas. De repente, congelei com a máquina fotográfica ainda no rosto quando vi o moreno sentado na praça de alimentação. Não poderia ser quem eu estava imaginando, indaguei a mim mesmo.

Meu coração bateu acelerado enquanto eu continuava a tirar fotos do homem sentado a poucos metros de mim. Ele estava concentrado tomando um milk shake pelo canudinho. Usava uma camiseta branca, jeans, tênis e um boné preto virado para trás.

Meu pênis pulsou ao vê-lo. Eu reconheceria aquele cara em qualquer lugar. Não tinha dúvidas disso. Eu era seu fã. Não tinha um vídeo no site Mundo Mais dele no Cine Sex que eu não tivesse visto e tinha passado horas me masturbando por ele.

Várias vezes eu digitei o seu número, disponível no site, em meu celular, mas nunca tive coragem de ligar. O que eu diria?

"Alô, Nelson? Cara, quem fala é um fã que sonha muito em ter uma boa transa com você. Será que tenho chances?"

Eu não faria isso. Por mais que eu quisesse, sempre fui muito covarde para chegar em outro cara mesmo que por telefone.

Nelson Baiano é o ator mais famoso do site. Eu tinha uma tara pelo cara. Sonhava com ele todas as noites. Imaginando ter aquele cara em cima de mim... Nelson tinha um pênis de dar inveja. Seu jeito de macho, seu sorriso... ele me deixava a ponto de bala.

Eu não sabia o que fazer. Continuei a fitá-lo. Meu pau latejava doendo sobre o meu jeans, só com a sua mera presença. Eu achava que gozaria só de sentir aquela mão em mim. O cara é um tesão com aquela pele morena. Aquele corpo gostoso e aqueles lábios cheios escuros... Se eu pudesse bateria uma punheta ali mesmo apenas admirando-o...

De repente ele se levantou. Meu estômago se contraiu. Eu não poderia perdê-lo de vista. Em um estado de excitação misturado a loucura, comecei a segui-lo pelo shopping enquanto fingia tirar fotos das outras pessoas.

Eu sentia minha garganta seca e as minhas pernas tremeram. Aquela costumeira sensação antes de você encontrar o cara que vai foder. Mas eu não ia foder com o Nelson, isso era o meu sonho, mas não tinha chances de acontecer. Não ali.

Depois de quase uma hora eu já estava começando a desistir. Meu pênis reclamava duro quando pensei em desistir daquela maravilha baiana. Sentindo-me um idiota e decepcionado comigo mesmo, deixei o Nelson em uma loja de tênis e segui para o banheiro. Parei em um dos mictórios presos à parede. Abri o zíper. Fiz força para tirar meu pau meio duro da calça. Meu pênis branco e grosso estava molhado de líquidos pré-seminais. O banheiro estava vazio. Muito limpo, eu podia sentir o cheiro do pinho entrar em meu nariz. Fechei os olhos protegendo-os das luzes fluorescentes. Por um momento me senti tentado a bater uma punheta ali mesmo, imaginando o Nelson. Iria ser demais me masturbar ali, onde qualquer outro cara poderia ver...

Fui despertado dos meus devaneios quando senti alguém ao meu lado. Abri os olhos. Meu pênis estava duro como pedra, cheio de veias e com a cabeça vermelha. Envergonhado com a minha ereção, tentei forçar o meu pau para dentro da calça, tentando não olhar para o cara ao meu lado. Sem sucesso, fui obrigado a olhar para a porta do banheiro, preocupado que outros homens entrassem e me vissem naquela situação.

Foi quando eu notei quem estava parado ao meu lado. Meu coração quis saltar pela boca e eu senti um frio correr pela minha espinha. O Nelson estava parado ao meu lado. Como se não notasse a minha ereção, ele abriu o zíper tirando o pênis para fora, aquele pau delicioso que eu conhecia muito bem por causa dos seus vídeos.

Virei o rosto rapidamente. Eu ouvia meu coração em meus ouvidos. Aquilo não estava acontecendo... Ouvi o som da sua urina e me segurei para não olhar para o seu pênis grosso. Sentia o desejo correr por cada célula do meu corpo. Como eu desejava esse homem. Isso não era normal.

Por obra do acaso eu havia me encontrado com o meu ator pornô preferido e ele estava a centímetros de mim. Com o seu pau à mostra. Minha boca encheu de água ao me imaginar agachando ali mesmo chupando aquele pau moreno até ele ficar duro e esporrar em minha garganta.

Fiquei em silêncio. Tenso, coloquei o meu pênis para dentro e fechei o zíper. Andei para sair do banheiro quando senti uma pegada forte em meu braço. Virei-me e meu rosto ficou a centímetros do rosto do Nelson. Seus olhos me fitavam com desejo.

_ Você não quer ficar? – ele me perguntou. – Acho que alguém aqui gostou de você. – continuou a dizer abaixando a cabeça para mostrar o pênis mega dotado que saia do zíper aberto.

Senti minhas pernas fraquejarem e gaguejei:

_ Preciso responder? – perguntei abrindo meu zíper e libertado meu pênis.

Nelson me lançou um sorriso safado e me puxando com força pelo braço jogou-me dentro do boxe mais próximo e entrou em seguida.

Assim que a porta do boxe se fechou, entrou alguém no banheiro. O som de seus passos ecoou pelo chão. Prensando-me contra a parede de azulejos, Nelson tapou a minha boca com a mão e sussurrou baixinho em meu ouvido:

_ Xiii...

Ouvimos o som de xixi e depois da descarga. Em seguida, mais vozes. Fiquei imóvel tentando controlar a minha respiração que ficava cada vez mais alterada. Senti o corpo em chamas, todas as minhas células tinham consciência da proximidade do corpo moreno do Nelson contra o meu. Eu sentia o seu mastro grande e grosso encostado no meu pênis. Sentia o seu calor, o contado da pele contra pele.

Sem fazer barulho, Nelson deslizou a barba cerrada sobre o meu pescoço e sem demora começou a mordê-lo devagarinho. Soltei um gemido, mas logo ele foi abafado pela mão de Nelson que apertou minha boca com mais força.

Entregando-me aos desejos avassaladores, abaixei as minhas mãos levando-as ao seu pau. Estremeci ao sentir aquela massa dura e ao mesmo tempo macia em minhas mãos. Eu estava tocando o objeto dos meus desejos mais íntimos.

Minha mão não fechava sobre aquele pau suculento. Deslizei-a por sua cabeça sedosa, pelo tronco grosso e segurando aquelas bolas sustentadas por um saco grande sem pelos. O mundo fora do boxe se apagou quando Nelson tirou a mão da minha boca e a cobriu com a sua. Senti seus lábios sobre os meus e foi como um choque. Avancei sobre a sua boca, faminto pelos seus lábios. Agarrei a sua nuca e me entreguei ao êxtase de sentir a sua língua invadindo a minha boca. Explorando a minha língua, chupando-a.

Depois de um bom amasso, Nelson se afastou. Não precisávamos usar muitas palavras para entender o que o outro queria. Olhando-me com cara de safado e mordendo os lábios, ele segurou meu pescoço e olhou para baixo. Eu não precisei abaixar o meu olhar para saber o que ele queria.

Agachei-me com uma demasiada pressa. E senti o meu coração estourar no meu peito quando meu rosto ficou na altura daquele mastro gigante. Engoli em seco. Ao sentir o cheiro gostoso que emanava daquela escultura de carne, fiquei louco. Cheiro de pênis e saco.

Apoiado sobre os meus joelhos, me aproximei. Primeiro deslizei a língua sobre aquela cabeça, saboreando-a. Lentamente fui colocando-a na boca e empurrando-a para dentro aos poucos.

Segurando os meus cabelos com força, Nelson fez um movimento no quadril enfiando seu pauzão até a minha garganta. Engasguei, era grande demais, não cabia em minha boca direito. Segurei sua base sentindo suas bolas baterem nos nós dos meus dedos e o tirei do fundo da minha garganta. Olhei para cima e meus olhos encontraram o rosto dele. Ele exibia um sorriso sacana, estava extremamente sexy com o boné preto virado para trás.

Sorri para ele e enfiei seu pênis de volta na minha boca, chupando-o com vontade. Minha mente foi teletransportada para as cenas dos vídeos que eu assistia. Vendo outro cara chupando aquela vara, sempre a desejando e ali estava eu tendo-a completamente para mim.

Quem nunca sonhou em ter uma foda bem quente e selvagem com um ator pornô? Eu estava tendo meu sonho realizado naquele exato momento. Segurando-me com mais força, ele começou com as suas estocadas dentro da minha boca, que estava bem cheia. Meus lábios deslizavam sobre o seu pau sentindo cada veia.

Cansado daquela posição, ele se afastou. Encostei minhas costas contra a parede enquanto via-o abrir a calça por completo e a abaixar até os tornozelos. A visão que eu tive foi maravilhosa. Com um boné preto virado para trás, uma camiseta branca e a calça abaixada, meu ator pornô oferecia-me seu pênis grande e duro que começava a soltar gotas de líquidos seminais do orifício em sua cabeça. Minha memória gravava tudo, eternizando aquele momento em minha mente.

Nelson sentou-se sobre o vaso. Deixando seu pau em riste. Eu olhei para aquele pênis enorme, suculento e cheiroso, pulsando a minha espera. Não demorei em me livrar da minha calça, dos meus tênis e me arrastei até seu pênis, segurando-o pela base sem pelos, deslizando a língua de cima para baixo e colocando cada uma de suas bolas em minha boca.

Meu cu começou a piscar. Estava faminto para sentar sobre aquele membro tão desejado. Eu me ergui, segurei o pescoço do Nelson e o beijei selvagemente. Ofegante, me afastei e disse em seu ouvido:

_ Nelson, me fode com essa sua vara, cara... – isso foi tudo o que eu consegui dizer.

_ Só se for agora, gatinho. – disse ele apertando a minha bunda com as mãos - Eu vou foder tanto esse seu cuzinho que você não vai aguentar nem andar depois.

Contive um gemido. Era um sacrifício não fazer barulho. Estávamos transando dentro de um banheiro público.

Nelson cuspiu sobre o pênis e deslizou a saliva sobre a cabeça e a base do pênis. Eu nunca tinha dado para um pau daquele tamanho. Sabia que a dor ia ser tremenda, mas eu não estava ligando muito pra isso. Só queria sentir aquele pênis enterrado até as bolas no meu cu.

Fiquei de costas e fui agachando bem devagar. Parei quando senti aquela cabeçona na porta do meu ânus, que se contraía faminto por aquela rola. Cuspi na minha mão e espalhei lubrificando ainda mais o seu pênis. As mãos dele seguraram o meu quadril apertando-o à medida que eu forçava sua cabeça a entrar no meu cu.

_ Senta gostoso, vai, isso, assim... – eu mal pude ouvi-lo.

Meu rosto se contraiu de dor. Sem dó o Nelson enfiou o pau com uma única estocada em meu rabo. Segurei-me para não gritar. Eu sentia cada centímetro daquela mega pica rasgando-me, preenchendo tudo. Pontinhos brancos se formaram na minha visão. Mas logo a dor começou a se transformar em prazer e se tornou puro êxtase quando ele segurou o meu pênis e começou uma punheta lenta enquanto metia em meu rabo, movimentando o quadril para cima e para baixo sobre o vaso.

Abri os braços apoiando as minhas mãos nas paredes do boxe. Fechei os olhos entreabrindo os lábios e senti as suas bolas grandes e perfeitas batendo em minha bunda, meus peitos se enrijeceram. Comecei a fazer círculos sobre o seu pau, sentindo a sua cabeça contra a parede do meu ânus. Nelson mordeu o meu pescoço, meu corpo se arrepiou com o seu hálito quente em minha pele, me levando à loucura.

Eu estava quase gozando e tentava desesperadamente me segurar. Eu não queria gozar, não quando as coisas estavam apenas começando. Queria prolongar aquele momento ao máximo. Notando que eu estava prestes a ejacular, ele parou com a punheta e aumentou o seu ritmo, metendo com sede e força. Ele manteve esse ritmo por um bom tempo.

Ainda com o seu pau dentro de mim, ele parou de meter e ergueu-se do vaso segurando as minhas nádegas e abrindo bem as pernas para se equilibrar. Agarrei-me em seu pescoço e enlacei sua cintura com as minhas pernas. Ele me sustentou e antes de começar a me meter novamente, murmurou:

_ Agora eu vou te comer com você bem agarradinho em mim meu gatinho branco.

Em resposta, empinei a minha bunda e a deslizei sobre o seu pênis. Ele gemeu baixinho mordendo meus lábios. Naquela posição parecia que eu estava sentindo o seu caralho dentro da minha barriga. Eu tinha consciência do estrago que aquela tora estava fazendo com o meu cuzinho apertadinho, abrindo-me com força.

Ondas de prazer corriam pelo meu corpo enquanto eu subia e descia sobre aquele mastro. Nós não tínhamos muito tempo. Podíamos ser descobertos a qualquer momento. Não me aguentando mais, colei o meu rosto no dele e murmurei:

_ Eu vou gozar...

Não foi preciso tocar no meu pau para começar a esporrar. Sabendo que eu estava prestes a atingir o orgasmo, Nelson foi mais violento com as suas estocadas, metendo com vontade. Sentir o seu pênis dentro de mim foi o suficiente para o meu ânus começar a se contrair e meu pau esporrar naquela barriga perfeita. Mordi o pescoço dele para não gemer. Nelson aumentou a velocidade, ouvia sua respiração rápida em meu ouvido. Apertando-me contra do seu corpo ele começou a gozar enquanto meu cu mordia seu pau.

Ficamos o que foi poucos segundos naquela posição abraçados. Eu sentia o calor do seu corpo. Nelson virou o seu rosto para o meu e me beijou apaixonadamente. Deslizei o seu mega dote de dentro de mim contorcendo o rosto com uma onda de prazer. O beijei mais uma vez, nós limpamos com papel higiênico e nos vestimos em silêncio.

Olhando um para o outro fizemos sinal dizendo que precisávamos sair dali. Tínhamos que sair separadamente. Mesmo que alguém notasse o que tínhamos feito, isso não importava naquele momento. O que poderiam fazer? Eu não estava me importando com o que os outros caras iriam pensar. Mas tentamos sair do box de forma discreta. Parei em frente à porta e a entreabri. Nelson ficou atrás de mim. Extremamente próximo, eu podia sentir seu corpo colado em minhas costas e seu pau começar a endurecer em minha bunda. Contendo-me para não começar tudo de novo, fiz um sinal de positivo com a cabeça e me afastei, deixando-o passar.

Dando-me uma última olhada, Nelson saiu.

Depois de um minuto, saí do box. Dois homens usavam o mictório. Eles pareciam indiferentes, concentrados em urinar. Olhei-me no espelho, lavando minhas mãos e ajeitando meu cabelo. Tudo parecia surreal demais agora.

Sai do banheiro e tive uma surpresa quando notei que ele estava parado encostado na parede da entrada do banheiro com as mãos dentro dos bolsos. Ele estava me esperando. Sorriu para mim, invadido por uma onda de felicidade e excitação eu sabia que nossa aventura não havia acabado por ali, ela estava apenas começando.

FIM

Escrevi esse conto a pedido de um leitor e ao mesmo tempo para todos os fãs que são apaixonados pela maravilha baiana do Mundo Mais: Nelson, simpático, humilde, carismático, bonito e dono de um mega dote!

Norma para comentários:
Acusações insultuosas e comentários em desacordo com o tema da matéria serão despublicados.
Comentários dos leitores (33)
Mister Mell21/06/2016 11:46
Mister Mell21/06/2016 11:46
Parei no "não passava despercebido aos olhares..."
Nicolas.gabriel@gmail.com22/11/2013 16:27
Nicolas.gabriel@gmail.com22/11/2013 16:27
Boa aventura.
lrr_reis@hotmail.com23/10/2013 14:20
lrr_reis@hotmail.com23/10/2013 14:20
tudo na vida pode acontecer...............são oportunidades que não podemos deixar passar.
Mendson13/10/2013 21:12
Mendson13/10/2013 21:12
Gostei muito do conto. Agora só falta o Mundo Mais aproveitar seu conto e preparar um roteiro para um vídeo do CINE SEX, igualzinho como você narrou.
Junior ES11/09/2013 7:19
Junior ES11/09/2013 7:19
Achei interessante o conto, vc é loco pelo Nelson mas falto algo mais na história. Quero ler suas outra aventuras
Falta de criatividade10/09/2013 21:52
Falta de criatividade10/09/2013 21:52
Um conto mto fraco, apesar do nelson se baiano como eu, esse conto não me empolgou,pois transar dentro de um banheiro sem ninguém perceber e ainda sem camisinha, só na imaginação de quem deseja alguém mesmo.
Eduardo 03/09/2013 22:27
Eduardo 03/09/2013 22:27
gostei mesmo foi do autor do conto nao do Nelson . só consegui pensar em vc ...
andre,cabula630/08/2013 17:37
andre,cabula630/08/2013 17:37
legal o conto meu skype andre.lima403 passivos n adc por favor respeitem só pra ativos abraços a todos
Rafa30/08/2013 13:35
Rafa30/08/2013 13:35
muito chato
Brendow27/08/2013 17:30
Brendow27/08/2013 17:30
horroroso o conto e a mesma conta de eu ir ali no shopping e encontrar no banheiro Zeca Camargo Evaristo , Raí e companhia ltda , a pior coisa que já lí
Vini15/08/2013 21:35
Vini15/08/2013 21:35
Banheirão - Esse é o pior 'comentário' que eu já li... Cara vc queria que o autor usasse que palavra ' Órgão genital masculino? Por que uma pessoa não pode tirar fotos no shopping? Quem nunca teve uma fantasia com ator porno? Dá da pra entender do que vc tá reclamando.... Gostei do conto... muito bom...
Banheirão15/08/2013 4:15
Banheirão15/08/2013 4:15
Péssimo o conto Pênis? Tirar fotos dentro do shopping? arrumar o "pênis no mictório (não tinha cabine?). Fora que é uma puta propaganda do Nelson... fera... conto muito ruim... o pior que já li...
Moreno13/08/2013 1:09
Moreno13/08/2013 1:09
Sou de Indaiatuba...só add meu whatsapp que troco idéia por lá 83438685
feh 11/08/2013 20:20
feh 11/08/2013 20:20
Cara vc escreve muito bem...... Parabéns!!!
Negro guloso11/08/2013 15:39
Negro guloso11/08/2013 15:39
Sou de Araraquara, 1,89 de altura, negro boa pinta 80kg... Curto putaria me liga, 97255818
marcos 11/08/2013 14:11
marcos 11/08/2013 14:11
25 anos 20 cm de pika 3288532543 minas gerais.
Tavinho09/08/2013 21:47
Tavinho09/08/2013 21:47
Que tesão. Sou louco com o Nelson... Parabéns... Essas bixas que não sabem nem apreciar uma boa fantasia...
J09/08/2013 16:32
J09/08/2013 16:32
18 Anos, zona Oeste de São Paulo discreto não afeminado corpo legal discreto... ativos que estiver afim... mande msn 969408044 oi
Homem40tão09/08/2013 10:04
Homem40tão09/08/2013 10:04
Na minha opinião esse foi o pior conto q já li aqui, pura propaganda do Nelson, em nenhum momento senti tesão...o fake do fake essa história sem noção..........
Paulo MT07/08/2013 17:41
Paulo MT07/08/2013 17:41
Muito bom o conto! Amei, parabéns!
Carlos 06/08/2013 14:08
Carlos 06/08/2013 14:08
Cara que conto é esse? Gostei demais, pois ele explora uma fantasia... Quem nunca sonhou em transar com um ator porno. O Nelson é o meu sonho de consumo. Sendo merchandising ou não o autor foi ousado em escrever sobre uma fantasia sexual tão desejada por muita gente...
Dudu06/08/2013 10:54
Dudu06/08/2013 10:54
Esse é um conto merchandising... Mas, realmente, o Nelson é demais...
KaL04/08/2013 10:42
KaL04/08/2013 10:42
Eu amei esse conto. Nossa que imaginação. E as bichas que só sabem criticar isso é puro recalque. Não sei o que elas pensam quando lêem um conto. Acordem! Contos são fantasias, coisas da imaginação .Parabéns ao autor. Bastante ousado e criativo.
Joel04/08/2013 0:58
Joel04/08/2013 0:58
Ridículo esse "conto". Fala sério!
belami03/08/2013 8:25
belami03/08/2013 8:25
Gente! Não é história real! Na fantasia pode-se transar sem camisinha, se pegar em banheiro de shopping ser ser preso, dar o cu sem KY... Ô povo pra querer polemizar em tudo! AFFFFFFF!
kayqye zl Sp03/08/2013 4:50
kayqye zl Sp03/08/2013 4:50
camisinha nem pençarr neh??
Diamo02/08/2013 10:19
Diamo02/08/2013 10:19
Realmente bom conto, ele não é ator pornô., isso é prostituto e nem usa camisinha essas putinhas de banheiros
PEPPER01/08/2013 14:21
PEPPER01/08/2013 14:21
MUITO BOM O CONTO. ESSE TAL DE "LECO" É UM IDOTA MESMO!?!?!? POR SE TRATAR DE UM "CONTO", LÓGICO QUE SE TRATA DA IMAGINAÇÃO DO ESCRITOR - NÃO SE TRATA DO RELATO DE FATOS.
Binho Black01/08/2013 14:18
Binho Black01/08/2013 14:18
camisinha ?
HENRIQUE OLIVIERI01/08/2013 10:25
HENRIQUE OLIVIERI01/08/2013 10:25
FALTOU DIZER QUANTO NELSON COBROU PELO PROGRAMA.KKKKK
leco31/07/2013 23:13
leco31/07/2013 23:13
besteira.tudo mentira.
Dino de sumaré31/07/2013 22:49
Dino de sumaré31/07/2013 22:49
legal o conto
rick 31/07/2013 21:52
rick 31/07/2013 21:52
nossa adorei muito bom mesmo, espero q esse conto continue né foi maravilhoso. vlw!!!!
Faça seu comentário!
Nome

Faça seu comentário:

Rodrigo