Assine o MundoMais

Aposentadoria

Militar que assumiu relação gay pede aposentadoria do Exército, baseado em laudo que o julga incapaz de atuar.

por Redação MundoMais

Sexta-feira, 30 de Dezembro de 2011

Fernando Alcântara de Figueiredo (esq.) e Laci Araújo, no apartamento onde moram, em Brasília.Fernando Alcântara de Figueiredo (esq.) e Laci Araújo, no apartamento onde moram, em Brasília.

O segundo-sargento Laci Marinho de Araújo, 39 anos, que ficou conhecido por ter assumido a condição de homossexual e por manter uma relação estável de 13 anos com outro militar, ingressou nesta quinta-feira (29) com pedido de aposentadoria do Exército.

Araújo deu entrada no pedido com base em uma "ata de inspeção de saúde" do próprio Exército, na qual é considerado “incapaz definitivamente" para o serviço militar.

Segundo a assessoria do Comando Militar do Planalto, depois da tramitação do pedido, a aposentadoria do militar pode ser publicada em até 60 dias no "Diário Oficial da União".

A história de Araújo e do companheiro dele, Fernando Alcântara de Figueiredo, 38 anos, também segundo-sargento, foi revelada pela revista "Época", em maio de 2008. Na ocasião, ele já estava afastado do Exército por problemas de saúde.

Araújo chegou a ser preso, acusado de deserção (abandono) do serviço militar. Durante esse período, sofreu com crises de depressão. Araújo e Figueiredo argumentam que as crises foram agravadas, em parte, pelo preconceito que dizem ter sofrido em razão da relação homossexual. A assessoria do Comando Militar do Planalto informou que não se manifestaria sobre essa afirmação.

O laudo que permitiu ao militar pedir a aposentadoria afirma que Araújo tem “transtornos mentais”, "disfunção cerebral", “transtorno misto ansioso e depressivo”, "epilepsia" e "outras reações ao estresse grave".

O laudo, assinado por três militares, não o considera “inválido”. Por esse motivo, a aposentadoria, segundo Araújo, deve ser concedida de forma proporcional pelo Exército, de acordo com o tempo de serviço.

Para mim, é uma imposição que eles [militares] estão fazendo. Vou me aposentar, mas ganhando menos do que eu recebo hoje. É como se eles quisessem se livrar de mim, disse o militar.

Nascido no Espírito Santo, Araújo entrou na carreira militar há 18 anos por meio do curso preparatório para sargentos do Exército. Chegou a Brasília em 1995.

A relação entre os dois começou em 1997, e, desde então, os militares dividem o mesmo apartamento, de propriedade do Exército, na Asa Norte, em Brasília.

Quando a aposentadoria de Araújo for publicada, o casal terá de deixar o apartamento. Eles já receberam convites para morar em São Paulo e no Rio de Janeiro, mas admitem interesse em permanecer em Brasília.

A nossa vida está aqui, mas o apartamento é de minha responsabilidade no Exército. Vamos ter de buscar outro lugar para morar, e com um salário menor , disse Araújo.

Companheiro de Araújo, Alcântara também diz enfrentar resistências no Exército. Desde 2008, quando Araújo foi preso, Alcântara pediu licença do serviço militar.

Afastado dos trabalhos e sem receber remuneração, o sargento é responsável pelo Instituto Ser, que atende casos de militares vítimas de preconceito no meio militar. Embora ainda possa ser convocado pelo Exército, Alcântara não acredita que um dia possa voltar.

Eu sinto que é como se eles [Exército] não merecessem minha presença. Por que pelo fato de eu ser homossexual meu sangue tem menos importância para eles que o de um heterossexual?, questiona o militar.

Fonte: G1
Comentários (57)

Atenção: Insultos e comentários em desacordo com o tema poderão ser despublicados.

  • em 31-01-2012 às 22:04 Pablo
    Nossa, como o proprio gay ainda tem preconceito... independente do seu jeito vc pode escolher a profissão que vc se enquadra melhor, se for cabelereiro ou PM da nada, se vc faz pq gosta! se um afeminado tem vocação p/ ser soldado não vejo mal nenhum, pois há mulheres que desenvolvem essa função, pq um gay não pode desenvolver... pelo que observei os proprios gays pensam que não sao capaz de desenvolver.. porra que isso? estamos certo de que temos uma vida e não há pq não desenvolver sua aptidão por preconceito, acredito que se vc tem vontade de ser PM ou de qualquer intituição BOA SORTE, se é gay, afeminado ou não, se desenvolver com dedicação não há pq se importar com preconceitos... tenho uma função que exige contato com o publico e é em uma empresa bem conservadora, mais tenho minha posição, na jornada de trabalho sou profissional e fora faço o que eu quero da minha vida, e quando há piadinhas de mal gosto corto e vivo super bem, e independente de eu estar lidando com heteros ou gays eles me respeitam... acho que é funcamental em primeiro lugar o publico gay ser menos radical e se aceitar mais p/ depois exigir dos heteros e compania...
  • em 09-01-2012 às 00:16 Leo
    Cara eu gosto dos dois, admiro e desejo felicidade a eles
  • em 08-01-2012 às 23:29 rodrigofortunato
    achei lindo e muita coragem para os dois,, temos que falar se nao gostou , tens varias areas ,que podemos dar nossa diferença bjus
  • em 08-01-2012 às 13:39 Arthur
    "GAYS GUARDEM A SUA PARTICULARIDADE SÓ PRA VC!!" Engraçado que hoje em dia o Brasil é o país mais homofóbico do mundo. E porque será isso? Acorda! Todo gay que esconde que é gay (por opção, claro.. tem casos que não dá.) está FERRANDO com os outros gays. Eu sou assumido desde os 15 anos, hoje tenho 21 e sou casado desde os 18. Todos sabem que sou gay e me TODOS me respeitam. Sabe a diferença entre meus amigos que sabem e os seus amigos que não sabem? Os meus que sabem respeitam TODOS os gays. Os seus não. Então quem tá ajudando na causa.. ? Eu ou você?
  • em 07-01-2012 às 16:07 Pedro para Luciano
    Não sou preconceituoso, e não tenho nada contra os afeminados só acho que algumas profissões( entre elas militares e policiais) não combinam que esse jeito extravagante e delicado de alguns gays. Pra mim homem tem que ter jeito de homem ate debaixo de outro homem e isso não é ser enrustido
  • em 07-01-2012 às 16:04 Marques
    Luciano, sou PM, sou homem e moro com outro homem, não admito mas sei que todos do quartel sabem disso, e não sofro nenhum tipo de preconceito, mas as coisas mudarão se eu sair rebolando e falando fanho o que não vejo vantagem nenhuma. Saio com meu parceiro em publico numa boa nos comportamos de forma decente pra não sermos motivos de chacota. O não que podemos fazer em publico fazemos dentro de casa numa boa. Se vc saiu como militares é sorte sua ou azar o seu o q não te dá o direito de ofender niguem.
  • em 07-01-2012 às 13:08 Marcio Tobão
    o que esse Fernando vê nesse Lacy, o cara é feio e chato...
  • em 07-01-2012 às 12:16 MEnino Astuto
    Os militares foram burros em assumir serem gays numa organização militar. Ficara expostos. Mas na verdade eles queriam aparecer na mídia. Querem ganhar dinheiro fácil? Vão ser políticos. Bando de Burros.
  • em 06-01-2012 às 19:42 Luciano
    Ao Pedro: você é um preconceituoso ao insinuar que cabeleleiro é sinônimo de bicha louca. Eles pelo menos se assumem, diferentemente dos policiais que curtem macho, que são casados pra camuflar sua homossexualidade, pois não são machos o bastante para encararem a sociedade homofóbica. Já saí com um militar casado que me chamou pro banheiro de uma faculdade pra fazer sacanagem. Esses são as verdadeiras bichas loucas e covardes que não se assumem.
  • em 06-01-2012 às 16:35 GRANDÃO
    Acho o Fernando Alcântara de Figueiredo um bofão, pena que é muito feminina. Devia ter jeito de homão. Daí seria gostoso mesmo.
  • Mostrar mais comentários...