ASSINE JÁ ENTRAR

Alejandro

Meu vô dá tudo o que meu primo Alejandro pede. Celular, chuteira, camisa do mengão. Ele é do jeito que o diabo gosta. Negro, magro, bengalona pentelhuda. Um dia descobri que tinha alguma coisa acontecendo ali.

por Jesus Blasco

Quarta-feira, 29 de Novembro de 2023

Eu ouvi quando ele desligou o chuveiro e saiu do banheiro correndo. Ouvi quando entrou no nosso quarto rápido, respingando água pelo chão todo e puxando a toalha do gancho atrás da porta pra se enxugar.

Enquanto ele secava os cabelos, eu dei uma secada naquele corpo. Meu primo Alejandro. Negro magro, bengalona pendurada, pentelhada preta marcando a virilha. Do jeitinho que o diabo gosta.

Então eu ri pra dar uma disfarçada.

– Porra é essa! – Brinquei. – Raspa esses pelos, mano. Olha o tamanho dessa mata.

Apesar dos 17 anos, ele já tinha uma pentelhada farta ali embaixo. Dentro de casa, vivia andando sem camisa com a bermuda abaixo do limite da virilha, mostrando as entradinhas da barriga e o começo dos pelos.

– As menininha gosta, fi – riu ele, agora passando a toalha nos pentelhos e no saco.

Mas eu sabia o real motivo daquilo. Quem gostava dele pentelhudo daquele jeito era o vô.

O vô Márcio. Quem diria. A gente mora na casa dele. Na verdade é uma chácara aqui. Eu e o Alê moramos aqui. Claro que eu sempre soube que o vô tinha um neto favorito entre nós dois, igualzinho uma mãe de casal que diz que ama os dois filhos por igual, mas sempre tende a gostar mais do filho homem que da mulher.

Eu era a "filha mulher" pro vô Márcio. O Alê, o filho macho.

Meu primo ganhava coisas que eu não ganhava no mesmo nível. Ele tinha todas as camisas do mengão que o vô comprava pra ele. Ganhava chuteira, relógio, tênis. No último aniversário, o vô deu um celular zerado pra ele. Eu tinha um caindo aos pedaços, mas que ainda funcionava. O Alê era o sortudo. Se ele pedisse, não tinha coisa que não ganhava.

E ele se esbaldava na boa vontade do vô. Eu era mais modesto. Não tinha coragem de sair pedindo as coisas pra ele assim, na cara dura. Tinha vergonha, na verdade. Com 22 anos, eu não me via mais como um fedelho abusado e pidão. Simplesmente não conseguia imitar meu primo nesse aspecto. Ele era molecão, então era compreensível que fosse descarado. Eu já tava grandinho demais pra isso.

Só comecei a desconfiar que o vô Márcio não mimava o Alê daquele jeito à toa depois de presenciar uma cena rápida que na hora não me chamou a atenção. Só depois foi que fui pensar melhor nela e ligar uns pontos.

Eu tinha acabado de chegar da rua e entrei em casa de repente. O vô e o Alê estavam na cozinha. Passei por eles e fui direto pro quarto me desfazer da mochila, voltando pra sala logo em seguida. O Alê já tava estirado no sofá maior com uma almofada no colo. Eu puxei a almofada pra mim e ele se encolheu, reclamando. Por baixo da bermuda, vi a ereção. Não tinha como não ver, na verdade. O Alê tem fácil uns 22 centímetros de pica ali embaixo dos panos. Quando aquilo endurece, rapaz... Uma tora! Não tem como não ver aquele fuzil armado mirando a gente embaixo do short.

Eu me fingi de bobo na hora, mas retornei a essa cena à noite, já de madrugada. Pra ser sincero, eu fantasio com o Alê. Primo, novinho, magrinho, pretinho, bigodinho e cavanhaque, meio burrinho, meio ingenuozinho. Tudo "inho", menos o pau. É meu primo, ok, mas é isso que me dá tesão. Claro que não é a primeira vez que eu flagro ele em situações íntimas e fico revivendo isso enquanto soco uma embaixo do cobertor com ele dormindo na cama ao lado. Na verdade, bato um bolo pro Alê pelo menos umas dez vezes na semana. Eu já abaixei a roupa dele de propósito na lutinha, já fui no banheiro pra pegar minha escova de dentes com ele no meio do banho, já entrei no quarto com ele trocando de roupa. Eu tô sempre armando umas situações assim pra me ocultar, e, pelo meu jeito sério, duvido que ele já tenha percebido que eu faço isso pra sempre pegar ele pelado. Pra ele, tudo que eu faço é na zoeira.

Mas nesse dia, depois que leitei a mão e limpei na meia, dei uma respirada funda e lembrei da cara de constrangimento do vô quando eu cheguei de repente na cozinha. Pensando bem, o Alê também pareceu sem jeito quando eu apareci. Tinha um constrangimento repentino no ar com a minha aparição, mas eu passei por eles tão rápido que nem deu pra pensar nisso na hora. Aí, um minuto depois, o Alê já tava na sala com uma almofada escondendo a tora dura no short.

Eu me sentei na cama com essa ideia fixa na mente. Ele tava disfarçando. O Alê e o vô tavam de rolo!

Desde esse dia, passei a deixar os dois a sós de propósito pra prestar atenção.

Mesmo quando tavam comigo perto, eu observava a interação deles caçando algum sinal que sustentasse a minha ideia. Apesar de parecer meio óbvio – o vô Márcio era um coroão de 50 e poucos, viúvo e com histórico de catar os recrutas na época do Exército – eu ainda relutava me perguntando se não tava imaginando coisas. Mas quanto mais eu pensava, mais a situação me parecia simples. O vô dava aqueles presentes todos pro Alê que, em troca, dava pica grossa pra ele.

Eu já tinha estranhado outra coisa também. Apesar do primo estar no auge do colégio, ele não se depilava – só cortava o cabelo e deixava o bigodinho na régua. Ele até falava que tinha um cara da sala dele, o Gustavo, que ficava zoando ele por conta dos pelos no sovaco. Acontece que dizer que o Alê tinha pelos no sovaco é ser bonzinho. Ele tinha um matagal ali embaixo! O moleque vivia sem camisa ou de regata e era uma mata, mas não fazia sentido pra mim que ele fosse contra a moda da molecada da idade dele de ser lisinho. Afinal, o Alê era bonitinho, presença, meio popular, bom de bola, devia pegar geral as menininhas do colégio dele. Imaginei ele abaixando a cueca com a trolha peluda do jeito que era na frente de uma delas.

Só que advinha quem gosta de pelos? O vô. Lembrei dele falando uma vez que pelo era coisa de macho e incentivando o Alê a não se raspar, que se raspar era uma besteira, que homem tinha mais é que ser daquele jeito. Fiquei pensando se o Alê era pentelhudão por causa do vô. Fazia todo sentido, apesar de eu me achar meio idiota por ficar pensando nessa situação.

Fiquei de butuca nos dois por semanas pra flagrar o que eu suspeitava, mas não consegui. Um dia, eu e o primo no sofá com a TV ligada, sozinhos, perguntei se ele era virgem.

– Quê? – ele fingiu que não tinha ouvido.

Eu perguntei assim, do nada, de propósito. Queria induzi-lo a falar de sexo pra testar sua ingenuidade. Se ele ia ficar tímido pelo assunto ou se ia demonstrar interesse. Se ele fosse o putão arrombador de viúvos que eu tava achando, talvez ele até soltasse alguma pista sem querer.

– Cê já meteu em alguém?

– Pra que tu quer saber?

– Só fala se já ou não.

– Mas tu quer saber pra que?

– Ué, pra saber. Tu come geral no colégio, né?

– Ih, viaja não, fi...

– Ah, para. Tu com esse pauzão, deve torar até os manos.

– Sai fora, fi! Que papo é esse?

– Tu se faz demais, mano.

– Se faz o que, maluco?

– Fica se fazendo de santo e já deve ter traçado até o diretor da escola.

– Ainda não, porque ele não quis.

A gente riu.

Eu tava chegando lá. Ele tava começando a ficar à vontade com a insistência, levar pra brincadeira. Que nem eu disse, pro Alê, eu tava sempre de zoeira.

– Mas já torou quantas menininha essa semana? Umas dez?

– Cê é louco, fi!

– Ah, conta aí...

– Contar o que?

– O segredo.

Ele agarrou o volume crescendo no calção, e balançou pra mim:

– É pica grossa! – E ficou rindo, todo todo.

– Esse é meu primão! Puxou quem? O vô?

Mas ele só riu. Então eu prossegui:

– O do vô deve ser maceta também. O cara foi do Exército. O vô devia torar geral quando era molecão.

– O do vô é pequeno – o Alê riu.

Eu olhei pra ele com trejeito engraçado:

– Como é que tu sabe, viado?

– Ele que falou – continuou rindo, agora um pouco mais sem graça. Eu sabia que tava relando no que procurava.

– Caralho, maluco... – Eu fingi surpresa. – Achava que o vô tinha pistolão!

– Nada. É piroquinha.

– Ele já viu tu pelado?

O Alê ficou só rindo enquanto me olhava.

– Já.

– E aí?

– E aí o que, viado?

– Que que ele disse, ué?

– Ah, sei lá...

– Ah, sério mesmo que ele não falou nadinha?

– Ah, disse que era grande só.

– Só isso?

– Só.

Ele tava mentindo. Eu sabia que tava perto. Só pelos sinais nessa conversa, já conseguia confirmar que os dois tinham mesmo algum rolo, alguma parada sexual, mas pela maneira como o Alê falava, não sabia dizer ao certo se ele era mesmo virgem ou não. Muito bobinho nas respostas, muito constrangido pra ser putão. Talvez, entre ele e o vô rolasse só punheta e nada de penetração. Até porque a pica do Alê é do tipo que deve entrar rasgando um cu, e eu nunca ouvi o vô gemendo ou o vi sentando torto.

– Ah, pensei que tu já tinha perdido o cabaço com as guria, mané – falei, jogando a isca. – Que que adianta tu ter uma jeba desse tamanho e não usar?

– Mas eu não sou virgem, não, viado!

Eu olhei pra ele estreitando os olhos, como quem desconfia:

– Ah, para...

– É sério!

– Perdeu com quem então?

Mas então ele só riu.

– Tá vendo? – Eu voltei a cara pra TV. – Tu é cabaço ainda.

Meio minuto depois, ele mesmo retomou o assunto:

– Se eu te contar, tu não vai zoar, né?

Eu olhei pra ele e fiz que não. Aí ele me contou.

***

Naquela noite, eu descobri que o vô ia dar uma bicicleta pro Alê. Uma daquelas topzera, bem caras, cheias de frescura. Quando o vô chegou, eu botei meu tênis e falei que ia sair pra correr na rua, mas não saí da chácara. Pelo lado de fora, cheguei o ouvido na janela do quarto do vô com o coração pulando e fiquei ouvindo a conversa dele com o Alê. Já era de noitinha.

– Hein, cê quer que o vô dá uma bike pr'ocê andar com os moleque, quer?

– Ah, eu quero.

– Então o vô vai mandar trazer uma amanhã. Amanhã cê tá de bike nova pra sair.

– Valeu, vô.

– Valeu, não. Cê sabe que o vô faz essas coisa porque gosta d'ocê. Pr'ocê sair com os menino, azarar as menininha, hein? – Ouvi a risadinha dele. – Cê tá azarando as menininha?

O Alê só riu.

– Tem que azarar! Meninão que nem ocê tem que meter nessas guria tudo aí até esfolar as danada! Cê tá metendo nas guria? Tem que meter!

O Alê ria. Os dois tavam no quarto do vô. A luz ainda tava acesa.

– Deixa o vô ver o meninão, deixa!

Um silêncio que eu imaginava ser o Alê tirando a bermuda.

– Eita. O bicho tá ficando cada vez maior, hein. Nego assim que nem tu é outra coisa. Tem que sair, se divertir, meter nas guriazinha. Engravidar o bairro todo. Vem cá. Deixa o vô pegar. Olha, que bicho grande... A mão nem fecha.

– Vô – ouvi a voz do Alê – a bicicleta é de marcha?

– É de marcha, toda potente. Que nem ocê. A bicha é grande também, toda que nem ocê. Meu meninão. Meninão do vô.

Aqui, com o silêncio repentino, eu colei ainda mais o ouvido na janela. Sabia que os dois não me escutavam, apesar do Alê saber que eu tava lá fora ouvindo tudo.

Ouvi um som de fricção. Supus que era o vô socando uma pro Alê. Depois, um barulho de língua e saliva. Era o vô mamando o Alê. Ficaram nisso até eu ouvir uma respiração pesada do meu primo. Fiquei acompanhando até ouvir ele gemer em sussurros contidos. Sabia que o vô tava engolindo porra nessa hora e era uma pena que na janela não tinha furos pra eu espiar. Só me restou ouvir e ficar imaginando tudo.

O pessoal da loja veio deixar a bicicleta no dia seguinte bem cedinho. Novinha, zerada, toda cheia dos adesivos. Eu fiquei olhando pra ela e depois pro meu celular todo arrebentado e com a bateria já estufando. Tirei a camisa, abaixei a bermuda bem no limite da virilha, deixando mostrar o começo dos pentelhos, e fiquei amassando a braguilha até meu pau ficar meia bomba. Depois, fui me estirar no sofá do lado do vô.

Quando ele olhou pra mim, todo largado daquele jeito, eu fiz cara de paisagem e inocência, e disse:

– Ô vô, tem como o senhor dar um celular novo pra mim?

07-02-2024 às 17:50 João
Achei muito engraçado o final kkkk
28-01-2024 às 13:12 José Lino
Vai ter continuação?
05-01-2024 às 10:27 André
Vc não vê nenhum crente entrando numa postagem hetero da mulher casada com a buceta toda arreganhada dando pra dois pastores pedindo para ela se arrepender! É hipocrisia que fala né
31-12-2023 às 19:22 Jameson
ARREPENDASEM E VOLTEM A CRISTO
11-12-2023 às 09:19 MarcosDF
Merece uma continuação do avô sendo comido pelos 2 .
04-12-2023 às 10:18 Allan
Tenho uma tara por japonês macho tem conto erótico assim delicia
04-12-2023 às 10:16 Allan
Que delicia de conto
01-12-2023 às 18:40 Tito.
Muito ruim, perdi meu tempo lendo isso.
30-11-2023 às 13:19 Priminho
Excelente. Adorei o texto e a história!