Hostel São Paulo (Parte 1)

Muita coisa interessante acontece nesta historia em um albergue de São Paulo

por Rafael

Sexta-feira, 05 de Junho de 2009

Estava procurando algo mais animador a minha ida a São Paulo, sempre no mesmo hotel, no quarto sozinho, solidão à noite. Em um bate papo com um amigo meu, ele me contou sobre os albergues. Gostei da ideia e resolvi experimentar. Em uma breve busca, achei dois Hostels (albergues). Um me achou a atenção por estar próximo a Av Paulista. Vi algumas fotos e fiz a reserva. Iria ficar na capital por 5 dias fazendo um curso. Bom, eu me chamo A. H., tenho 26 anos e estudo jornalismo. Tenho 1,85 de altura, peso 90kg, tenho um corpo legal, malho há dois anos, uma vez por semana.

Cheguei ao hostel na parte da tarde, por volta das 17h. Fui recebido por cara super simpático e bonito, e ele me levou até o quarto onde tinha mais duas pessoas. Me acomodei e fui tomar um banho. O banheiro era coletivo, tinha um rapaz tomando banho, o cumprimentei, tirei minha roupa e entrei no box. Fiquei de olho nele, não deu para ver muito o pau dele, mas a bunda dele era muito gostosa, marquinha de sunga, lisinha, pernas definidas...

Acabei de tomar meu banho e estava meio excitado. Resolvi trocar de roupa no quarto e, quando abri a porta, o carinha do banheiro estava dentro do meu quarto, na cama na minha frente. O cumprimentei novamente, sentei na cama e tirei minha toalha, mostrando meu pau para ele que estava meia bomba. Ele não olhou diretamente, mas não fiquei encarando para dar uma oportunidade dele olhar sem ficar com vergonha, me levantei ficando pelado na frente dele e estendi minha mão para ele falando meu nome. Ele apertou com muita força minha mão e disse que chamada Italo. Ele não olhou para baixo neste momento. Então, vesti minha cueca e continuei me vestindo com calma e conversando com ele. Ele era de Manaus e iria passar uns dias em São Paulo. Eu tinha que ir para o curso. Então, me despedi dele e saí. Na saída - claro - pisquei o olho para o recepcionista falando: valeu!.

Retornei por volta das 22h30. O recepcionista gatinho ainda estava lá. Uma breve conversa com ele, e subi. Entrei no quarto estava o Italo e o outro carinha com o nome de Jaime (toda cama tem os nomes colados) deitados e quietos. O Italo parecia que estava de cueca e com lençol somente na bunda. O Jaime cobrindo das pernas. Ele era gatinho, novinho. Deveria de ter uns 20 anos. Era meio gordinho, mas muito gato.

Tomei um outro banho. Desta vez, o banheiro estava vazio. Voltei ao quarto de cueca e, desta vez, de pau duro. Entrei com a luz apagada, tirei a toalha, e fui dobrando minha roupa. Fiz um pouco de barulho proposital ao abrir o armário,. Guardei minha roupa e peguei um short largo para dormir. Retornei à cama ainda pelado com o short na mão. Arrumei minha cama e deitei. Estava morrendo de tesão e resolvi tocar uma, mas por baixo do lençol. O Jaime se mexeu, se levantou e foi ao banheiro. Notei que ele estava meio excitado, mas fiquei com medo de tentar algo. Ele voltou e ficou um tempo na porta com ela aberta e entrou depois. Notei que, como eu estava de frente à porta e com a luz do corredor, ele tentou me ver ou ver que eu estava fazendo, mas ele se deitou e virou para o lado. Acabei não gozando e dormindo.

No outro dia, quando me levantei, os dois já tinham saído. Fiquei o dia todo pensando na cena do Jaime na porta. Novamente, chego ao hostel às 22h30, e encontro o recepcionista. Ele tinha cabelos grandes, aparentava ter um corpo legal, era super simpático comigo. Subi e estava o Jaime e o Italo conversando os dois debaixo do lençol. Cumprimentei os dois e fui tomar um banho, mas tirei a roupa no quarto, ficando somente de cueca. Estava com uma sunga vermelha, enrolei na toalha e fui. Não demorei muito e voltei com o pau meia bomba. Foi difícil deixar ele assim, mas entrei no quarto com a cueca na mão. Os dois conversando, entrei na conversa. O assunto era Floripa. O Italo tinha acabado de chegar de lá. Fiquei super curioso nas dicas e entrei no papo. Depois de um tempo, me levantei e, na frente do Jaime, tirei minha toalha. Na hora, ele parou de falar por uns segundos. Meu pau estava mole, mas estava lisinho. Me virei. O Italo também estava parado. Fui em direção ao armário naturalmente e peguei meu short.

Voltei com ele na mão, sentei na cama e me cobri com o lençol. Aí, pronto! Já estava ficando excitado, mas continuando com o papo. O Italo falou que deu um curso de defesa pessoal em Floripa. Entrando no papo de defesa, o Jaime pediu para mostrar como se safar quando cara te pega com uma gravatada. Parecia zuação comigo. Eu estava pelado, de pau duro, e o Italo em pé de cueca me pedindo para ficar de pé. Me levantei dando as costas para o Italo. Ele chegou por trás de mim, me pegando e dando uma gravata. Putz! Meu pau ficou mais duro ainda. Latejava de tesão. Italo me pedindo para tentar sair e meu pau balançando. Eu via tudo em câmera lenta.

Jaime se levantou, pegou no meu pau e começou a chupar. O Italo viu e me soltou na hora, descendo as mãos no meu peito, passando pela minha bunda. Fui ao delírio na hora! Me afastei e perguntei se não era perigoso. Italo me puxou, dizendo "não esquenta, relaxa...". Peguei ele no beijo. O Jaime, de joelhos, chupando meu pau e do Italo, que era um puta pinto, meio tortinho para o lado, sacudo e com uma moita de cabelo. Italo pede para me chupar. Etavam o Jaime e Italo disputando minha rola com a língua. Jaime saiu e foi ao armário pegar camisinha e lubrificante. Se lambuzou, e me pediu para comer ele ficando de frango assado na cama.

Coloquei a camisinha e fiquei batendo meu pinto do cu dele, colocando e tirando a cabeça. De cara, coloquei tudo para dentro com ele querendo gemer e ficando em silencio. Italo estava atrás de mim, tirando um sarro na minha bunda. Sem me pedir, passou lubrificante no meu cu e colocou seu pinto na porta. Nunca senti uma sensação tão boa quanto esta. Me arrepiei quando ele colocou para dentro. A dor se misturou com o tesão e eu pedi mais. Ao mesmo tempo, metia mais no Jaime. Gozei de tanto tesão, mas continuei metendo no Jaime, fazendo ele gozar.

O Italo pediu para meter nele para fazê-lo gozar. Ele ficou de frango assado. O Jaime foi na frente e meteu nele de uma vez, metendo forte e rápido. Jaime saiu e me deu a vez. Fiz o mesmo. Italo estava de punhetando de tesão. Jaime passou uma perna por cima do Italo e colocou o pau dele na portinha do Italo com meu pau lá dentro. Eu tirei meu pau e colocamos as duas cabeças juntas. Quando entrou, Italo pediu para parar e gozou. Não me aguentei, e bati mais uma em cima dele. Jaime ficou me beijando e colocando o deto no meu rabo. Não demorei muito. O Italo veio de boca no meu pau quando gozei.

Estava todo lambuzado e fomos tomar um banho. Detalhe: os três pelados atravessando o corredor para entrar no banheiro. Tudo bem, a porta era de frente ao do quarto, mas era um risco assim mesmo. Quando eu entro no banheiro, tinha um cara fazendo a barba. Eu parei, mas o Italo e Jaime me empurraram para dentro e, fechando a porta sem ver ele, entrei no prmeiro box, que era próximo à porta. Sem graça, o cumprimentei. - Tudo bem? - Sim, tudo! respondeu. Nem vi que os dois fizeram. Sei que este cara demorou para sair dali. Quando ele saiu, rapidamente, eu saí do box e corri para o quarto. Entrando, fui logo para a cama, me cobrindo e vestindo o short. Depois entra os dois rindo do ocorrido e de mim. No final, acabei rindo também e fomos dormir. De manhã, novamente, acordei, mas os dois já tinham saído...

Nota:

Bom, vou partir esta historia em três partes. Posso adiantar que, neste dia, o cara do banheiro contou para o recepcionista o que viu. Quando cheguei, o recepcionista veio falar comigo e me chamou para conversar na lavanderia. Me gelei todo na hora, mas ele estava afim mesmo de um sarro. O cara do banheiro peguei no meu último dia no hostel e, para completar a viagem, transei com um senhor no ônibus, voltando para o Rio. Conto tudo nos outros contos.

Meu MSN: adribh@hotmail.com

Comentários (14)

Atenção: Insultos e comentários em desacordo com o tema poderão ser despublicados.

  • em 13-01-2020 às 21:48 Punheteiro Mamador- 4° parte Final
    Eu finalmente tinha tido uma experiência num hostel. Aliás duas já até aquele momento. Eu confesso que em grande parte minha curiosidade se deu depois de um amigo que morava no Rio de Janeiro me contar sobre cara que chegou de uma festa no meio da noite, e começou a punhetar na frente dele balançando pau na direção dele chamando ele pra chupar. Aí depois de duas experiências em dois hostel que ele ficou uma no quarto chupando esse moreno outra no banheiro coletivo quando foi tomar banho e chupou cara no chuveiro. Fiquei mais curioso pra ficar num hostel e saber se de fato isso era verdade que rolava pegação. Aí procurei vídeos no YouTube e achei um relato de um cara que disse ter trabalhado e morado um ano num hostel e disse que chegou ouvir e ver algumas putaria. Caras que contavam ora ele o que tinha rolado ou que na madrugada quando todos dormiam botaram ele pra chupar. Aí comecei a considerar a ideia de ficar hostel além claro do preço super barato. Aí voltando, eu estava lá numa boa, era quarta feira e eu voltava na sexta a tarde. Mas a essa altura eu adoro pelo choque térmico. De noite era muito frio e a tarde muito quente. Isis acabou com minha garganta. Voltei mais cedo pro hostel porque não me sentia muito bem. Comprei inflamatório e tomei assim que cheguei. Ao entrar no quarto achando que eu estava sozinho levei susto quando vi cara sentado em silêncio numa mesinha em frente à minha cama no canto. Era negão corpo normal, cabelo estilo Black. Super comunicativo. Sorridente. Começou poucas papo comigo, falou de onde era, me disse que as vezes vinha a cidade a trabalho. Começou a falar que tava ansioso pra sair pra beber e tomar umas cervejas. Até que porta abriu e um funcionário do hostel entrou dizendo que ia trocar roupa de cama. Nesse intervalo eu deitei e dormir. Falei q não tava muito legal. É deitei. Nao sei quanto tempo dormir, só lembro que acordei a noite e estava sozinho, levantei pra comer algo mesmo sem vontade de comer. Vestir casado. Estava 16° desci até cozinha fez algo quente. Depois subir e fiquei tempo sentado na varandim Há onde estava só um cara de jaqueta preta que depois entrou. Uns minutos depois voltei pro quarto. Deitei e adormeci, acordei de madrugada querendo ir ao banheiro ao acordar vi o cara na cama ao meu lado dormindo de cueca e coberta cobrindo parte do corpo. Fiquei um tempo deitado imaginando como seria rola daquele cara. Mas perdi consciência antes de tentar nada e adormeci. De manhã cedo acordei ele estava de pé. Só d cueca, com volume bem grande. Fiquei c frio na barriga. Ele entrou pra tomar banho e deixou porta aberta, vi ele n chuveiro pelado, com pau meio bomba e que pau. Grosso, grande. Aí ele saiu só d toalha enrolada na cintura. Ele viu eu deitado e perguntou se eu estava melhor. Aí ele falou q bebeu pra caramba mas não ficou até tarde na rua. Quando chegou eu tava dormindo. Aí levantei só d cueca. Fui ao banheiro e saindo vi ele se enxugando e pegando cueca. Ele percebeu que eu não tirava olhos da rola dele. Que começou a crescer e ficar mais grossa. Aí falei "pow man, acordou animado hein" ele deu riso gostoso e falou que ele acordava assim de manhã. Ele continua fingindo q se enxugava e pau mais perto de mim. Eu não resistir e cai de joelho e comecei a chupar. Ele largou toalha na cama e segurava minha cabeça c força e socada. Falou que desde quando me viu que queria me foder. É tava doido pra ver minha bunda. Tirei a cueca nessa hora. Pau dele mais grosso e eu tentando fazer garganta profunda. Ele me emprestou contra parede passando mão em meu corpo, apertando minha bunda. Me fez ficar de 4 pra ele em cima da mesinha do lado do armário. Ele forçava a cabeça a rola na entrada cu e tirava. Aí me levou pro banheiro e me colocou debaixo chuveiro, tomamos banho quente entre sabão e amassos. Eu punhetando pau dele com umas das mãos. Depois ele me puxou do box e me emprestou contra pia de mármore de pernas abertas. Falou que ele ia me mostrar como se "tratava um cuzinho de verdade", Ele abriu no há pernas, abriu meu cu e meteu li rua bem fundo e chupava meu cu e dava mordidas na minha bunda e voltava enfiar língua apertando minhas bater as com força. Eu vejo a e demorava de tesão. Ele me colocou de joelho e me fez mamar mais. Disse que ia ter que meter no cu. Me virou de costas contra parece me fez empinar bunda e começou forçar cabeça da rola. Aí ele disse que não saísse do lugar saiu e voltou com camisinha aberta e ja colocando. Ai be abracou por trás e disse que aquele rabo era dele e ele ia rasgar ele todo. Caramba sentir dor quando ele enfiou de vez e pedi pra parar ele tapou minha boca me chamou de ou tinha e disse que eu tinha que aguentar. Que viadinho passivo tem que aguentar rola de macho. Aí socava e tirava e colocava. Depois tempo voltamos chuveiro e ele me comeu em baixo me apertando por trás. Socando com força. Tirou pica É me levou pro quarto de volta. Me fez ficar de 4 pra ele enquanto ele enfiava pau mais devagar e tirava e voltava. A essa altura eu tava pernas bambas e sem forças. Depois alguns minutos ele tirou e me puxou me levando até mesinha onde ele me colocou de frango assado c pés apoiados no ombro dele. Tentava tirar e ele segurava minha mão. Disse que quanto mais carinha de dor fazia mais tesão ele ficava. É nesse vai vem ele disse que ia gozar. Tirou pau tirou capa, me colocou de joelho e mandou chupar. Eu disse que não queria e ele forçou me fazendo engolir rola e chupei tempo até que sentir ele segurando minha cabeça e gemendo sentir jatos quente de porra começarem sair e ele tirou rola e jogou na minha cara. Acabado de gozar eu chupei rola pra deixar limpinha. Ele gozou tanto q meu rosto ficou muito melado e peito. Aí fomos banheiro tomamos banho, ainda chupei mais pouco rola que estava dura até amolecer na minha boca no chuveiro. Troquei de roupa, desci pra tomar café. Quando voltei ele estava só de cueca e pelo volume ele ficou excitado do novo. Aí começou segundo tempo. Outra surra de pica. Mas dessa vez ele deixou chupar mais tempo. Aí Depois da segunda gozada ele disse que tava relaxado e tinha que ir trabalhar mas nos víamos a noite. Eu tava com cu machucado. Destruido. Tive medo do que me esperava pela noite seguinte. Mas como já me disseram, passivo tem que gostar da putaria e saber da prazer ao macho. E a noite durante a madrugada sentir mão dele me acariciar. Ele puxando minha cueca. É aí vcs já imaginam o que aconteceu até amanhecer. E ao amanhecer ele vestiu e disse que precisava ir embora. Mas me deu contato dele. Um beijo na boca. Falou que se eu fosse na cidade dele avisasse pra ele me encontrar. Até nos falamos mas não voltei lá. Se vcs quiserem saber mais deixem zap de vcs que eu adiciono e compartilhamos nossas aventuras rs esse ano votando lá por um fds, e já reservei hostel. Será que vou chupar algum carinha roludo? RS
  • em 13-01-2020 às 21:01 Punheteiro Mamador 3°
    Pra quem já se hospedou em hostel, sabe que muitas vezes acontece de você, em determinados momentos, acabar ficando sozinho quarto. Existem outras pessoas hospedadas lá? Sim, porem não estão no momento! Essa é uma ótima oportunidade de fazer a alegria fluir, sem correr muitos riscos. Quando o casal se ver nesta oportunidade, feche todas janelas. Dê quantos giros forem necessários na fechadura, caso tenha como fechar a porta. Assim quando alguém do seu quarto chegar, alem do barulho que a pessoa vai fazer quando estiver chegando, ela ainda vai demorar alguns pares de segundos até abrir a porta, o que da tempo suficiente para o casal, se afastarem ou se cobrirem! Em casos de “mais cara de pau” ou desespero mesmo, araste uma beliche na frente da porta. (O que daria muito na pinta) Aí com certeza você tem, pelo menos, um minuto pra se vestir e abrir um livro pra disfarçar! Também para não ter que esperar o “acaso”, você pode programar a sua perversão haha. É como eu disse, use a criatividade. Mas depois desse relato, no dia seguinte a noitinha chegou carinha alto, de uns 186, magro, boa aparência barba por fazer e voz pouco rouca. Aí ficamos conversando na rarandinha ele tomando algo e eu curtindo pouco o friozinho que fazia. Aí lá pelas 21 acho papo foi esquentando, ele falou que tava uns 20 dias sem gozar,tinha terminado com a namorada, e homens sabem que entre os caras falar de futebol, mulher e sexo é de praxe. E olhe que se der muita corda eles até falam o que fazem ou o tamanho do pau kkkk o que me deixava sempre curioso. Já que não sou assumido e sempre fui muito na minha mas fazia valer aquele velho ditado "quem come queto come duas vezes" então comigo sempre rolava algo c caras no maior sigilo. Então dei corda a ele pra falar putaria. Deixei ele bem a vontade pra falar. Até que me mostrou fotos dele e um vídeo ele comendo uma buceta. Aí falei que me amarrava punhetar e ele disse q batia uma tb mas preferia que batesse pra ele ou chupassem. Aí convidei ele pra ir no meu quarto, que por sinal eu estava sozinho. O cara que tava hospedado foi embora. Ele topou e assim que entrou n quarto fiquei de joelhos e ele começou a abrir a calça e eu ajudei. Puxei calçados até joelho e vi aquele pau meio bomba, comprido, comecei a chupar ele tempão, ele me fazia engolir rola e sovaca até garganta e eu enganava. Aí ele me puxou me dei beijo demorado e me empurrou contra cama e me fez ficar de 4 pra ele. Vi ele pegar camisinha no bolso dentro da carteira e meio meu cu com cuspe. Deu tapinhas na minha bunda e faliu que queria me ver dando pra outro na frente dele. Achei tesão. Ele começou a enfiar devagar me fazendo sentir cada centímetro daqueles 21cm. Nao era muito grosso mas era comprido. Ele começou socar até q depois de uns 5 minutos ele disse q ia gozar. Percebi Ele gemendo baixinho e enfiando todo de uma vez. Depois que tirou camisinha toda melada de esperma jogou no lixo e eu limpei rola dele chupando. Ele me chamou de disparado dando sorriso. Me agradeceu e disse que ajudei a aliviar tesão dele. Falou que meu cu era quentinho e apertado como uma buceta. Aí nos vestimos e voltamos pra varandim Há é ficamos conversando até umas 23. Daí ele disse que tinha ir dormir pois ia sair muito cedo. É não vi mais. Essa foi a segunda foda no mesmo hostel. Mas a mais ond É da ainda ia acontecer. O que me deixou mais surpreso foi que na minha primeira experiência eu fui fodido por 3 caras. No mesmo hostel.
  • em 13-01-2020 às 13:31 Punheteiro mamador
    2°parte Aí o cara perguntou se podia pegar algo na minha mesa, acho que era o açúcar, aí no impulso convidei ele sentar na minha mesa. Na ajudo que esperei murro. Rs e pra minha surpresa ele aceitou, apertou minha mão se apresentou e ficamos conversando um tempo. Mas ele me encarava, eu com frio na barriga resolvi lançar verde, falei "você chegou bem animadinha hein? Tá excitado." Ele deu sorrisinho safado e faliu que acordou assim. Aí comentei que muita gente já tava indo embora, eu tava só c cara n quarto mas ele já tinha ido e eu tava sozinho. Aí ele disse que pessoal que tava n quarto com ele tb tinha ido e ele estava sozinho. É na lata ele perguntou "tá afim de subir? Eu tô sozinho no quarto". Eu aceitei claro rs e subimos
  • em 13-01-2020 às 10:38 Punheteiro mamador
    Bom dia galera. Vou contar pouco o que rolou comigo num hostel que me hospedei em Belo Horizonte. Eu nunca tinha ficado num hostel. Já tinha ouvido falar claro mas aquele preconceito de está com pessoas estranhas no quarto e não ter privacidade me deixavam apreensivo. O medo de ser assaltado ou alguém fazer algum perversidade também a noite. São coisas que me deixaram com pouco de medo de ficar num hostel. Mas de tanto um amigo me falar que era tranquilo e que custo benefício valia a pena, sem falar oportunidade de fazer amizade com pessoas de várias partes do Brasil e do mundo. Aí como todos os anos eu escolho fazer pelo menos uma viagem sozinho. Eu escolhi em 2019 ir pra BH. Pesquisei hostel mas não sabia qual bairro ficar. Então comecei a ver vídeos de viajantes no YouTube e peguei dicas bacanas. Procurei procurei até escolher um bem bacana. Por ser minha primeira vez num hostel escolhi quarto de 4 camas apenas. Até pq achei que teria pouco mais de "privacidade" do que ficar em um quarto de 8 ou 12 camas. E a diferenças de preços nao era tão grande assim. É melhor parte não tinha banheiro coletivo. Nesse hostel cada quarto possuía banheiro privativo. Achei bacana. Cheguei na sexta feira, passou dia e Sábado e até então tudo tranquilo. Conheci muita gente. É no meu quarto só tinha rapaz de Recife. Cara baixinho, barriguinha de chope super gente boa, chegou e disse q ia dormir pq tinha bebido muito. Aí ele disse q ia embora no dia seguinte pq segunda teria que trabalhar. No domingo de manhã quando acordei ele já tinha ido embora. Não vi nem no café da manhã. Eu estava sozinho no quarto e com friozinho de 15°. O que não estava acostumado já que moro em Salvador. Aí quando tava acabando de comer e com vontade enorme de bater uma punheta, chegou cara moreno, forte, definido de academia. Usava bermuda e casaco. Mas fiquei nervoso, cara estava excitado e fazia volume grande na bermuda e ele ficava tentando disfarçar. Pouco depois ele percebeu que eu vi, aí pensei: esse cara vai me bater. Todo sério vai me perguntar qual é a minha. Mas pior que eu não conseguia disfarçar.
  • em 13-01-2020 às 10:23 Punheteiro mamador
    Bom dia galera!!!
  • em 05-01-2019 às 12:19 Alan
    Meu zap 71 98831-1020 podem me adcc queria saber informações de um hostel bom pra ficar.
  • em 05-01-2019 às 12:18 Alan
    To indo pra sampa passar 6 dias. Qual nome desse hostel? Meu e-mail
  • em 04-06-2018 às 07:04 Claudio
    Qual hostel vc ficou? Um amigo meu ficou em um lado da paulista e rolou duas vezes c ele.
  • em 04-06-2018 às 07:03 Claudio
    Cara queria saber resto da historia. Ja rolou lance comigo em hostek tb e achei sua historia massa.
  • em 21-12-2011 às 01:15 FOR MAN
    quero saber mais sobre o recepcionista do hostel conte-me mais
  • Mostrar mais comentários...