Assine o MundoMais

No Hospital

Um enfermeiro muito safado aproveita-se de um paciente mais velho que está se recuperando de uma cirurgia.

por Big Gris

Quarta-feira, 01 de Dezembro de 2010

Mesmo no limiar da segunda para a terceira idade, causo um certo sentimento na maioria dos homens, inclusive nos mais jovens. Há certa química com eles cuja razão ainda não descobri, mas a causa me proporciona sempre grande prazer. Passo a contar uma dessas experiências.

Aproveitando estar bem de saúde, me submeti a uma cirurgia que necessitava fazer e fui acompanhado dos meus filhos, que se revezavam durante a minha estadia hospitalar.

No segundo dia após a cirurgia, estava deitado e sonolento aguardando as horas passarem, pois já havia tomado meu café matinal e meu filho dormia pesadamente. Eis que surge um jovem auxiliar de enfermagem, pouco mais de 22 anos, pele clara e cachos dourados. Um sorriso estampava seu rosto e ele me cumprimentou muito simpático. Despertei imediatamente.

Perguntei se havia possibilidade de tomar um banho, pois estava me sentindo sujo após dois dias sem qualquer higiene. Ele disse que veria a possibilidade. Começou a ministrar a medicação e pediu para examinar meu curativo, localizado no abdômen. Levantei aquela camisola hospitalar que nos deixa com ar de mais doente e ele puxou o lençol para ver melhor a área afetada. Ao fazer isso, deixou expostos os meus pêlos e parte do meu cacete, que despertou igualmente.

Deu uma olhada para a pessoa que me acompanhava e perguntou se era meu filho. Recebendo uma resposta positiva, expôs um pouco mais do meu pau, que a essa altura já demonstrava bastante interesse no garoto. Verificou o curativo e me cobriu de novo, dizendo que voltaria logo com a resposta sobre o banho.

Uma hora depois, ele voltou para verificar minha pressão e se colocou do outro lado da cama, onde estava minha mão livre e sem soro. Apertou-a e começou a acariciá-la e a colocar o aparelho de pressão. Eu correspondi colocando minha mão entre suas pernas e tocando seu cuzinho, que imaginava rosado e liso, por sobre a calça.

Imediatamente olhei para meu filho, que continuava a dormir e de costas para nós. O ser celestial – que me desculpem os deuses – inclinou-se sobre meu corpo e tascou um delicioso beijo, metendo a sua lingua quente entre meus lábios. Passei a me gladiar com ele através de nossas línguas, deliciosamente.

Tive que exercer minha força para empurrá-lo, pois temia acordar meu filho. Ao se endireitar, perguntou se eu era casado, recebendo resposta negativa. Isso bastou para que enfiasse a mão por baixo do lençol e exibisse meu já duro cacete, começando em seguida a bater uma deliciosa punheta. Ora olhava para meu cacete, ora para meu filho. Minha mão continuava a tocar aquela bunda bem torneada.

Tive que interromper tal prazer dizendo que na hora do banho continuaríamos, pois tinha medo que meu filho acordasse. Anotei seu telefone, me comprometendo a ligar assim que me recuperasse. Ele saiu do quarto saltitando.

Logo meu filho acordou e começamos a conversar sobre a minha recuperação. Disse que estava me sentido milagrosamente muito bem e sem dor.

Faz-se presente no quarto, agora com diversas toalhas de banho, aquele que contribuiu para a minha prontidão em todos os sentidos, informando que havia possibilidade de fazer minha higienização desde que ele acompanhasse. Tive um certo momento de dúvida se aquela era a prescrição correta, mas valia a pena o risco.

Ele me ajudou a levantar e nos dirigimos ao banheiro. Ele imediatamente trancou a porta e se pendurou em meus ombros – tenho uns 15cm de altura a mais que ele – e novamente me beijou. Eu abracei sua cintura e correspondi ao exercicio de sua lingua em minha boca. Ficamos nos beijando até que novamente o distanciei e pedi para que abrisse o chuveiro, pois teria que haver alguma movimentação de banho para quem estava no quarto. Tirei aquela camisola que nos deixa elegante e ele olhou para a minha pica com cara de quero mais. Encheu sua mão com ela e pesou-a com se pesasse uma mandioca.

Entrei no banho, protegendo meu curativo e ele começou a ensaboar minhas pernas, pau e saco. Jogou água nessa região e abaixou mais para continuar a lavagem. Nessa hora comecei a fazer carinho em seus cabelos e ele olhou para a minha vara que estava na direção de sua boca. Começou a mamar deliciosamente e empurrei sua cabeça contra a minha pica. Ele teve ânsia e diminuí a força, mas ele continuava a me engolir inteiro, vorazmente, gulosamente.

Finalmente ele me levou aos céus e explodi em sua boca. O leite que escapava escorria entre seus lábios e minha rola continuava latejando dentro da sua garganta. Ao tirar minha pica, ele engoliu todo aquele leite quente e o que teimava em escorrer no seu queixo também. Terminei de me lavar enquanto ele lavava a boca.

Nós nos abraçamos e nos beijamos intensamente. Ele pediu para não contar nada a nínguem e queria ficar comigo quando estivesse recuperado. Concordei imediatamente.

No dia seguinte tive alta e não mais desfrutei daquela boca. Prometo escrever contando como foram os próximos encontros.

Comentários (60)

Atenção: Insultos e comentários em desacordo com o tema poderão ser despublicados.

  • em 19-06-2016 às 14:00 Enfermeiro
    Galera, sou técnico de enfermagem do CTI de um hospital público. Uma vez teve um paciente jovem de 20 anos, lindo. Sofreu acidente de moto. Ficou entubado e depois traquiostomizado. Que acordou e eu estava de plantão fomos fazer o banho no leito dele. Ele sorriu p mim com um sorriso bem sacana, apertava minha mão sempre q me aproximava do leito. Mantive a postura, mas fiquei excitado. Sempre q tinha a oportunidade ele encostava a mão no pijama e tentava agarrar, mesmo com a grade suspensa. Conversávamos, ele em processo de fechamento da traqueostomia. Ele sempre me via sorria quele sorriso gostoso. Num determinado horário, de madrugada fui fazer a medicação, ele colocou a mão para fora da grade da cama e tocou meu pau, fiquei excitado na hora, ele não satisfeito agarrou e ficou apertando. Eu sem reação não sabia o que fazer. Muito nervoso, tentei sair mesmo não querendo, pois ele era lindo. Mesmo assim saí. Num outro horário um colega q revezava comigo foi tomar banho. A bomba do soro deste paciente apitou fui trocá-la, ele sorriu pra mim e mais uma vez ele começou com a brincadeira, só que agora eu fazia carinho, colocou a mão por debaixo do meu pijama, fez carinho na minha barriga, desceu a mão para minha calça, apertou meu pau já latejando e eu tremendo de medo e excitação, ele passou a mão novamente na minha barriga e colocou a não dentro da minha calça e apertou meu paudeliciosamente. Outra bomba apitou. Tirei a mão a dele de dentro da minha calça e fui fazer outras coisas. No plantão seguinte, mesmo sorriso sacana e gostoso. Ele percebi que não tinha ninguém próximo ou no setor ele logo dava um jeito de colocar a mão na minha calça e colocar meu pau para fora e ficar masturbando. Não cheguei a gozar, fizemos essas brincadeira umas 2 vezes. Foi muito gostoso. No plantão seguinte ele já não estava mais lá. Fiquei preocupado com a contaminação realmente, mas ele não esteva contaminado. Loucura...
  • em 26-06-2015 às 11:09 Daniel
    Oi gt nao gostei do conto ja li melhores bem melhores mas qem quiser falar comigo para podemos nos conhesser melhores chama la no watsapp q é : 66 84 59 63 53 chama la lindos gostosos
  • em 02-02-2012 às 02:33 nando
    Eita pessoal que nao sabe oque e um enfermeiro 4,e meio de faculdade com um auxiliar de enfermagem nunca um enfermeiro chefe como eu faria isso e olha que curto pra caralho outro maxo como eu rsrsrsr hot.cajuru@hotmail.com
  • em 01-08-2011 às 15:07 manoel PE.
    Muito sem fundamento essa história. só um idiota pra acreditar nisso. Num hospital, um paciente cirurgiado e sem higiene. Amigo conte outra porque essa não não deu. sou tec de enfermagem. gosto da fruta mas assim com pacientes nessa cituação não. Muito pobre essa história, na realidade vc não ser´aum bom escritor nem hoje nem nunca!
  • em 03-04-2011 às 13:26 Saulinho 22
    Oh povo burro,ai escrevem errado. paulo meu caro.paciente se escreve assim,e n passiente com dois s.kiakkkkk
  • em 27-02-2011 às 14:01 eduardo
    gente me add eduardo.96edu_@hotmail.com
  • em 08-02-2011 às 20:10 bb1
    que delicia epero a continuação desta delixia de historia
  • em 02-02-2011 às 01:53 Hermenick
    Meu conto é algo inventado,o cara inventou uma boa história,porém QUE NOJENTOOOO,engolir porra em um hospital e além de tudo de um cara que está sujo! CORAGEM! CORAJOSO HEIN VIADO
  • em 28-01-2011 às 19:27 Mati
    Big Cris, de boa, acho que vc deu uma viajada nesse conto aew... depois da metade a gente já visualiza a sua imaginação apenas... ela é boa, tudo bem, mas é só imaginação. Se vc se propõe à ficção, parabéns! Mas assim, é tipo ficção científica né, muuuuuuuuuito mente aberta pra digerir... mas tá blz, é um estilo. Que tal escrever agora o "Na cadeia"??? rs rs rs
  • em 28-01-2011 às 10:30 edysexy2011
    GENTE A HISTÓRIA PODE ATÉ SER UM POUCO NOGENTA MAIS PODE SER REAL,POIS TIRO POR MIM ADORAVA QUANDO EU ACOMPANHAVA O MEU AVÓ NO HOSPITAL ERA UM FERVO SO SO DAVA EU NA CALADA NA NOITE,NOSSA COMO ERA BOM,TREPEI MUITOOOO,QUASE ACONTECEU IGAUL A HISTRIA DO ENFERMEIRO,SENDO QUE EU ERA ACOMPANHANTE E FUI DAR BANHO NUM LOIRINHO LINDO,QUE PENA QUE ELE TAVA COM COMTAMINADO COM AIDS,MAIS MINHA VONTADE ERA TREPAR COM ELE CHUPAR UM CUZINHO ROSA DELE E CHUPAR AQUELA PIROCA GROSSA ROSA LINDA QUE ELE TINHA,.SE VC QUISER SABER MAIS DE ALGUMAS AVENTURAS MINHAS É SO ME LIGAR 021-8114123.
  • Mostrar mais comentários...