Assine o MundoMais

O Caminhoneiro

Precisei pegar carona com um caminhoneiro amigo do meu pai para ir até Belo Horizonte. No meio da noite, em uma das paradas na estrada, perto daquele homem há dias sem sexo, acabou acontecendo o inevitável.

por Diego Vasconcelos

Quinta-feira, 24 de Março de 2011

Eu me chamo Diego, tenho 24 anos e sou filho de um caminhoneiro. Na minha família existem outros três motoristas, ou seja, cresci num ambiente de machos extremamente machos. Meu pai é um tipo desses, machão e grosso. Sempre viajei muito com ele pelo Brasil e percebi que adorava fazer essas viagens só pra ver esses caminhoneiros no banho nos postos de estrada. Aguardava as paradas pra banho ansiosamente e me deleitava vendo todos aqueles machos nus com suas rolas grossas quase eretas enquanto se banhavam. Talvez pensassem em suas esposas em casa.

Parece que ter pau grosso é característica típica dos caminhoneiros. Cresci rodando estradas, entrando e saindo de borracharias e postos de gasolina e conheci caminhoneiros do Brasil todo. Dentre eles, conheci o Geraldo, muito amigo do meu pai e muito conhecido na roda de caminhoneiros por foder com tudo que aparecesse pela frente dele, de norte a sul do país. Era apelidado de "pica de urubu". Ele era um cara fantástico, não tinha perfil atlético, mas era muito másculo. Costas e ombros largos, peito pouco peludo, barriga com um pouco de gordurinha, mas nada broxante. Usava sempre óculos escuros e sua barba estava sempre por fazer.

Tive o grande prazer de viajar com o Geraldo quando ele veio aqui para Minas e pedi carona até Belo Horizonte, onde eu deveria prestar o exame para ingressar no mestrado. Nessa época, meu pai viajava para o norte do país e surgiu a oportunidade de eu pegar carona com ele. Claro que topei.

Tudo combinado, partimos numa sexta-feira à noite. Ele era muito gente boa e ótimo piadista. Rodamos por umas duas horas dando bastante risada até que ele tirou a camisa por causa do calor que fazia. A partir daí perdi a concentração nas piadas e tentava disfarçar para olhar seu peitoral e abdômen saliente mas muito charmoso.

Comecei a suar também e ele sem perceber o porquê sugeriu que eu tirasse a camisa também. Para não dar pinta, tirei. Rodamos mais uma hora e enfim paramos para tomar banho e jantar. Fomos para o banheiro e, para meu prazer, era um desses banheiros com vários chuveiros e sem divisórias. Quando entrei, vi logo vários caminhoneiros no banho com suas picas lustrosas e fiquei doido para ver o Geraldo na mesma condição. Infelizmente, o chuveiro que escolheu ficava na ponta oposta à minha e não pude ver com detalhe a sua virilidade. Pelo menos consegui ver sua bunda (e que bunda e coxas ele tinha!). Por pouco não bati uma punheta ali.

Depois do banho fomos jantar, assistimos um pouco de TV e voltamos para a estrada. Ele tinha comprado uma revista pornô e no meio da viagem deu-a para que eu visse. Meio sem graça, li a revista sem muita excitação. Ele começou a contar suas aventuras sexuais e acabou falando que gostava de comer cu mais que tudo e que não importava se era de homem ou de mulher. Aquilo me deixou desconsertado, apesar de ele ter falado sem "más" intenções! Depois, nos calamos e rodamos mais uma hora e meia e ele, cansado, disse que iríamos parar pra dormir. Paramos num posto, estacionamos e ele começou a preparar a cama da carreta, que era bem confortável.

Eu achei que ele iria me colocar pra dormir no banco da frente, que se estendia um pouco e dava pra dormir bem, mas ele disse que o banco estava emperrado e que iríamos dormir atrás mesmo, na carreta. Fiquei preocupado com a idéia, pois durante a noite eu poderia me entregar à sua proximidade.

Na hora de dormir, ele tirou a bermuda e ficou só de cueca, que por sinal estava bem folgada e com o elástico bem frouxo, deixando aparecer seus pentelhos. Enfim, deitamos e eu custei a dormir. Volta e meia ele se mexia e jogava a perna pra cima de mim. Em um momento senti todo o volume de sua rola encostando na minha coxa. Mesmo morrendo de tesão, me esquivava sempre. Depois de algum tempo, peguei no sono e só acordei no meio da madrugada pra mijar. Tentando não fazer muitos ruídos, abri a porta da carreta e dei uma boa mijada no pneu da parte de trás.

Fazia muito calor aquela noite e eu estava com muito tesão por causa daquele caminhoneiro gostoso. Voltei então para a boléia, peguei a revista pornô e fui para trás da carreta tocar uma punheta.

Pensando em Geraldo, comecei a bater uma e a enfiar o dedo no meu cu. A cada dedada pensava que era o pau dele no meu rabo. Esqueci-me do tempo e quando olhei pra trás, vi o Geraldo de cueca, me olhando e batendo punheta também. Levei um susto e levantei de vez minha bermuda, já pedindo desculpas a ele. Ele então sorriu pra mim e disse:

– Continua, não vê que tô gostando? Por mim, entro até nessa brincadeira e troco seu dedo por coisa melhor!

Eu fiquei sem reação e ele veio na minha direção tirando o enorme cacete da cueca frouxa e pedindo para que eu o mamasse gostoso. Daí em diante perdi o medo e parti pra dentro. Com todo o tesão que eu estava, caí de boca naquela rola gigante e chupei cada centímetro daquela vara. Concentrei minhas linguadas na cabecinha, dando lambidas bem devagar, e ele ficou louco de tesão. Virou-me de costas grosseiramente e com um aperto forte no meu pescoço me fez ficar de quatro no chão. Senti uma cuspida quente em meu rabo e pensei que fosse meter de vez sua pica gostosa, mas ele enfiou com toda força seu dedo indicador, bem grande por sinal. Dei um gemido de dor e tesão e ele continuou afrouxando minhas pregas. Em seguida, cuspiu novamente e quando pensei que meteria o dedo de novo, senti a força de sua rola me penetrando. Parecia que estava sendo enrabado por um cavalo, de tão grande e grossa que era sua pica. No começo doeu muito, mas depois de bem alargado, meu cu virou um túnel para o seu pauzão.

Enquanto me fodia, ele batia em minha bunda e me chamava de viadinho gostoso. Repetiu várias vezes que queria foder meu cuzinho a noite toda. Logo depois, tirou o pau do meu rabo, me levantou com violência de macho mal educado, me colocou contra o pneu e ficou entre minhas pernas. Ele me levantou do chão, prendeu minhas pernas em sua cintura e mandou ver novamente no meu rabo. Como fodia bem! Eu estava quase gozando!

Ele chupava meus mamilos e puxava meus cabelos. Eu gemia e chupava seu pescoço, dedos e tudo que minha língua alcançasse. Ainda forte como um touro, deitou-se no chão e me fez cavalgar aquela pica, o que fiz sem demora.

Ele estava louco de tesão e me jogou de bruços no chão, deitando sobre mim com seus 96kg e continuou me fodendo e chupando minha nuca.

Quando não aguentou mais, levantou-se ligeiro, me virou de barriga pra cima no chão, ajoelhou-se no meu tórax e me deu um banho de porra quente. Na hora, comecei a gozar também, ele viu e ainda punhetou meu pau. Depois enfiou o seu em minha boca e me fez sugar a última gota de gala que sobrou. Chupei até seu pau amolecer em minha boca.

Suados como estivadores, fomos nos limpar. Onde estávamos parados não havia banheiro. Voltamos pra carreta e fomos dormir, eu sentindo seu pau grosso esquentar minhas coxas.

No dia seguinte chegamos a Belo Horizonte e ele me deixou no terminal rodoviário. Quando fomos nos despedir, perguntei se poderia seguir viagem com ele. Ele só fez um sinal com a cabeça e prontamente deu partida no caminhão. Segui viagem com ele até São Paulo e transávamos feito bichos todas as noites. Quando voltei pra casa, disse aos meus pais que não tinha sido aprovado no mestrado.

Comentários (111)

Atenção: Insultos e comentários em desacordo com o tema poderão ser despublicados.

  • em 20-11-2016 às 21:20 Roger
    Nunca saí com caminhoneiros, mas tenho o maior tesão em transar com um, se alguém estiver passando por Campo Largo Pr. me avisa por email: wrb2005@gmail.com Quero te chupar gostoso e quem sabe, ser enrabado.
  • em 03-10-2016 às 09:15 Fred Aguiar Correia
    Quero encontrar um caminhoneiro que passa na região sudoeste da Bhaia, sou magro moreno claro e não afeminado, quero muito chupar kcete de um coroa gordinho. SKYPE josafa330
  • em 24-03-2016 às 02:57 carlos
    Ola so doido pra chupar um caminhoneiro sou casado mas tenho o maior tesao em chupar pica de caminhoneiro. Sou de campina grande algum caminhoneiro que vim aqui me liga 83 99845 4089 agente combina bem legal.
  • em 05-02-2016 às 18:48 Ricardo casado
    Sou bi casado, moro no RS, to a fim de foder com caminhoneiro na boléia do caminhao. fone 5592127542
  • em 10-01-2016 às 21:17 Passivo Maduro
    Quero motorista dotado. 56@nos 65 kg discreto posso ir nos postos ou estcionamento soude Porto Alegre-Rs. Só ligar 51 825 193 31
  • em 07-01-2016 às 08:09 Jose
    To doidinho por vc caminhoneiro deiche eu te surpreender fasso tudo certinho mas sem emvolvimento financeiro delicioso600@gmail.com 4299700506 sou de guarapuava
  • em 20-12-2015 às 13:40 Beto
    Putz! o conto é até interessante, mas quem faz essa leitura??? muito MAL lida...muda esse narrador caralho...que péssimo q ele é....
  • em 26-10-2015 às 16:03 Passivo-CAMPINA GRANDE PB
    ENTRE EM CONTATO 83 9 8730-9492
  • em 23-09-2015 às 18:25 jose
    To louco de tesao quero dar para um caminhoneiro de guarapuava pr 04299875104 delicioso600@gmail.com sou bem depiladinho topo tudo
  • em 23-09-2015 às 18:20 nho uma bundmmnha e depilada 4299875104 delic
    Qh
  • Mostrar mais comentários...