Homofobia internalizada

Homofobia Internalizada: Entenda melhor o processo psicológico que muitos gays sofrem, mesmo que inconscientemente.

por George Gouvea

Quinta-feira, 05 de Janeiro de 2012

Felizmente temos testemunhado, nos últimos anos, progressos que desembocam em conquistas legais para os indivíduos com orientação homoafetiva. Já são diversas as leis que consagram direitos para os parceiros do mesmo sexo, e garantem a defesa contra a discriminação e a violência por orientação sexual. Obviamente, muito falta a ser conquistado, principalmente no campo do preconceito e do respeito às diferenças no campo da sociedade.

Contudo, não podemos deixar de registrar que existe um processo psicológico que provoca o fenômeno da homofobia internalizada.

Não podemos esquecer que o gay (incluindo todas as suas formas e diversidades) foi criado e cresceu no seio de uma sociedade heteronormativa, ou seja, todas as manifestações de intolerância, preconceito, discriminação e falta de respeito com relação às homossexualidades foram testemunhadas por aquele desde a mais tenra idade. Os pais, primeiros objetos de amor, tendem a rejeitar a ideia de ter um filho gay. Os filhos são pensados e idealizados antes do nascimento, portanto, existem antes de nascer. Um projeto de vida, com toda a carga das expectativas, já os aguarda.

Uma sociedade heterocêntrica, marcada pela intolerância e forte tendência de tratar as homossexualidades com um desvio de conduta e uma anormalidade, costuma deixar marcas que ficam impregnadas no indivíduo. Estas marcas compõem o campo inconsciente da homofobia internalizada. Desta forma, as pessoas com orientação homoafetiva, em geral, se tornam adultos com esta inscrição, que justifica aquelas sensações de menos valia, de autopreconceito, de autorecriminação, de discriminação com relação a outros gays, de baixa autoestima e de desconforto e incompreensão com os seus próprios desejos.

Devemos lembrar que ter uma orientação homoafetiva, significa mais do que ter relações sexuais com alguém do mesmo sexo. Orientar-se homoafetivamente está para além das práticas sexuais com um igual. Está num patamar onde o indivíduo consegue viver sua orientação sexual sem culpas, sem medos e com a certeza de que não faz parte de um grupo que tem menor valor.

Significa ter a convicção de que tem o direito de amar e ser amado conforme seu desejo, e que este não é uma abominação.

George Gouvea - Psicanalista

www.georgegouvea.com.br

Comentários (91)

Atenção: Insultos e comentários em desacordo com o tema poderão ser despublicados.

  • em 22-01-2012 às 23:21 AlexNMPM
    Não se trata de orientação sexual. Não somos orientados. Acho mais próprio dizer: condição sexual. Abraço a todos.
  • em 15-01-2012 às 15:59 Sergio
    Você tem respostas para tudo, questiona tudo e aí vou ficando pequeno, duvidando dos meus pontos de vista... Nunca fiquei livre ao teu lado. A minha sexualidade foi sempre tabu, sonhei em ficar na tua companhia em silêncio, sem nenhuma história para contar. Por que sempre temos que ficar naquele blábláblá a noite inteira? Por que não ficar apenas juntos? Por que temos que falar de filmes, de livros, de personalidades? O que importaria para nós em comentar que a Rita Cadillac lançou seu segundo DVD de sexo explícito? Que o filme O Palhaço, nem é tão singelo quanto alardeiam? E como é ficar te vendo a madrugada inteira sem beber uma gota de cerveja porque tem de dirigir? Desculpe; mil desculpas... Desculpa-me por amanhã também. Estou te chocando, falando inverdades, ando complicado. “Procura um analista, viaja para o exterior, vai num centro espírita, arranja um grande amor, comete uma loucura, faz uma caridade...”. Fica comigo para ti. Não me joga na minha cara, eu não preciso de mim. Eu só queria ser feliz. Sergio.
  • em 14-01-2012 às 15:58 Eduardo
    Na teoria tudo é lindo, mas na prática, só Deus sabe o que eu venho sofrendo! A vida pra mim tá cada dia mais perversa. Sem esperança. Sou 100% macho e discreto e por isso msm, sofro esse preconceito internalizado. soudiscreto_pe@hotmail.com
  • em 14-01-2012 às 01:37 Rodrigo
    Pois bem... ninguém vive a vida do outro por ele... cada um segue a vida e seu destino... No espelho de alguém pra tentar fazer pelo menos o possivel pra ser igual no q for pra ser feliz... mas isso já são ideias e fatos q cada um sabe muito bem onde deve ou n deve consertar, onde estiver errado e por ae vai... Já se vai conseguir... só o tempo dirá e seus anseios e angustias... somente sua consciencia e sua realidade com o mundo a sua volta, podera fazer com q sua vida possa seguir o rumo q o msm traça... ou seja... tentar ser feliz e fazer os outros felizes... isso só poderá se concretizar a partir do momento q cada um colocar na sua cabeça, q quem está acima do bem e do mal... somente Deus... e quem pode fazer o destino ou tentar mudar seu percuso... somente cada pessoa em suas atitudes e suas convições, através de seus amigos de verdade ou sua percepção ao seu cotidiano em sua volta.... e ao msm tempo em q a realidade e o seu modo de viver possa ou n, interferir na sua decisão.... PORTANTO... TENTEMOS SEGUIR SEMPRE EM FRENTE.... PERDER ESPERANÇA JAMAIS... pois essa é sempre o balsamo pra que acordemos sempre... e possamos acreditar, q o dia de hoje e o de amanhã poderá sempre ser melhor... FAÇAMOS NOSSA PARTE...!!!!
  • em 12-01-2012 às 18:58 sergio
    Como seria se eu pudesse me expressar em inglês? Soaria verdadeiro? Ou pareceria uma tradução barata de uma editora em decadência? No último e-mail você me perguntou o que seria uma esperança mórbida. Seria o intervalo da espera para o encontro que com certeza iria acontecer. Tipo aqueles 15 minutos antes de vê-lo parando o carro numa esquina molhada e barulhenta de Sampa. Você me daria um “hi” bem americanizado, faríamos de conta que o tempo quase que não mudou para nós. O vento do ar-condicionado bateria no meu peito, tocaria um Cd de Ella e o seu celular a todo minuto iria tocar como se fosse ele a companhia mais importante daquela noite. Enquanto o carro corria solto pelas avenidas iluminadas com vapor de sódio a gente tentaria encontrar um lugar, um canto... Quem sabe não fosse melhor enfrentar um engarrafamento e ficar no aconchego insípido do automóvel? E porque não parar naquele bar cheio de mauricinhos esnobes sufocados de etiquetas, risinhos maliciosos... Assim foi a nossa última saída. Não quero repeti-la, prefiro não te ver, eu odeio essa cidade. Gosto apenas de ouvir a intelectualidade que sai da tua boca, a segurança que você não tem tanto assim e que passa para os outros ingenuamente. Sinto prazer e tensão ante o medo de falar uma palavra errada, um ponto de vista preconceituoso. Você tem respostas para tudo, questiona tudo e aí vou ficando pequeno, duvidando dos meus pontos de vista... Nunca fiquei livre ao teu lado. A minha sexualidade foi sempre tabu, sonhei em ficar na tua companhia em silêncio, sem nenhuma história para contar. Por que sempre temos que ficar naquele blábláblá a noite inteira? Por que não ficar apenas juntos? Por que temos que falar de filmes, de livros, de personalidades? O que importaria para nós em comentar que a Rita Cadillac lançou seu segundo DVD de sexo explícito? Que o filme O Palhaço, nem é tão singelo quanto alardeiam? E como é ficar te vendo a madrugada inteira sem beber uma gota de cerveja porque tem de dirigir? Desculpe; mil desculpas... Desculpa-me por amanhã também. Estou te chocando, falando inverdades, ando complicado. “Procura um analista, viaja para o exterior, vai num centro espírita, arranja um grande amor, comete uma loucura, faz uma caridade...”. Fica comigo para ti. Não me joga na minha cara, eu não preciso de mim. Vai, diz outro monte de coisas insignificantes... Assim vou te amando da minha maneira. Deixa-me, promete que não vai mudar de e-mail, promete que a pessoa que ainda existe em minhas lembranças não seja levada pelo vento.
  • em 12-01-2012 às 15:13 Sergio
    Te regalo el sol inmenso para que sientas el calor de la vida que ilumina. Te regalo la luna blanca para que recuerdes el ciclo del camino que transitas. Te regalo una estrella brillante para que guíe los pasos a tus sueños en la oscuridad. Te regalo una mirada plena para que reflejes en ella todo lo que hay dentro de ti. Eu só queria ser feliz...... Sergio.
  • em 12-01-2012 às 13:36 Ao Carlos
    Ninguém escolhe ser viado...... isso nao é opção, é condição sexual, ninguém escolheria o caminho mais dificil
  • em 12-01-2012 às 08:17 sergio
    Ontem eu resolvi ligar o celular e deixei que a caixa postal respirasse. Num daqueles envelopinhos vi uma antiga ligação tua. A gente que sempre se encontrava para beber cervejas e jogar conversa fora, vendo aquela mensagem eu me enchi de saudades e orgulho por tê-lo como amigo. Veio também uma certeza absoluta de que sempre poderei contar com a sua companhia. Como é bom saber que você existe bastando para isso um simples toque de teclas. A verdade que nunca estamos sós. Sempre estamos em algum lugar rodeados de amigos, ouvindo as mesmas músicas, sabendo das últimas de alguém do meio. Apesar de certos atropelos até mesmo por parte da família, construímos outra para poder escapar desse mundinho preconceituoso. E mesmo que a gente se separe por causa de algum encontro fortuito é na manhã seguinte que ligamos para o amigo verdadeiro. Aquele que ficou para trás na madrugada. Ninguém abre portas facilmente para qualquer pessoa. Obrigado pela que me foi escancarada. Grande abraço, Sérgio.
  • em 12-01-2012 às 00:41 Carlos
    Rodrigo, não dê confiança a esses caras que ficam querendo interpretar a Bíblia segundo suas cabeças...a bíblia é um livro bem maior do que a capacidade deles. Tudo que diz de homossexualidade lá, é noutro contexto, noutra cultura, noutro tempo, nada pra nós hj. Nem tinham os conhecimentos científicos de hj. Portanto, nada de dar confiança a isso, viva, ame...vc não escolheu ser o que é. E ninguém pecar em viver o que é...peca sim, em viver o que não é...peca em fingir. Esses caras que dizem essas bobagens são idiotas e não merecem crédito. E olha, vc fala de caras masculinos e gays...eu sou masculino, homem 100%, e curto homens. Nada a ver.
  • em 12-01-2012 às 00:30 para o "Rodrigo"
    Eu sou gay, macho, masculino em tudo, discreto, não frequento boates e estou afim de um namorado tb masculino...quer namorar comigo?
  • Mostrar mais comentários...