quero assinar Entrar na área VIP

Amor de Primos

Aqui eu relato a minha primeira vez com outro homem, o meu primeiro amor, com meu primo. Tudo aconteceu na fazenda de meus avós, no interior de Minas Gerais.

por Minero

Terça-feira, 06 de Janeiro de 2015

Quando eu tinha meus 18 anos passava quase todo fim de semana na fazenda de meus avós, no sul de Minas Gerais. Era uma fazenda grande, com um rio que passava nos fundos. Meu avô trabalha com gado leiteiro e meus tios ajudavam na ordenha das vacas.

Meu primo Adriano, que na época tinha 21 anos, morava na fazenda e diariamente cuidava de tarefas rurais. Ele era (e ainda é) muito bonito, musculoso e moreno bronzeado pelo sol.

Eu nunca tinha pensado em ter nada com outro cara e tinha até uma namoradinha naquela época. Até uma tarde de verão de uma sexta-feira, lá pelas 16h. Ele já tinha acabado suas obrigações e me chamou para ir até a cachoeira dar um mergulho, pois estava muito quente. Fomos os dois no mesmo cavalo, eu na garupa.

Na cachoeira, nadamos de cueca, pois só estávamos nós dois. Brincamos de lutinha pra ver quem dava um caldo no outro primeiro. Ele me prendeu em seus braços com aquele corpo todo sarado, me encoxando. Tentei me soltar, mas não conseguia, e ele me afundou várias vezes, deixando-me colado ao seu corpo. Naquela brincadeira, senti seu pau endurecendo e ele roçando na minha bunda. Fiquei meio sem graça e a muito custo me soltei e saí da água, puto da vida.

Deitei-me na pedra para me secar, meio confuso pelo que ocorrera, pois achei tudo meio estranho. Quando me virei, ele estava se punhetando dentro da água. Senti um frio na barriga, fechei os olhos e fiquei ali deitado. Hoje eu diria que aquele frio era uma mistura de medo e tesão.

Ele saiu da água bem quietinho e se deitou ao meu lado, pelado. Pegou minha mão e a levou até o seu pau. Era grande e grosso e senti outro frio na barriga ao sentir o calor daquele membro quente e pulsando na minha mão. Continuei com os olhos fechados, morrendo de medo de olhar, mas parece que eu podia senti-lo me olhando e isso me deixou morrendo de vergonha.

Ele bem lentamente retirou meu pau pra fora da cueca, já todo melado e duro e começou a me punhetar. Achei esquisito, mas me deu um enorme tesão.

De repente, ouvimos um barulho que parecia vir da estradinha logo acima. Colocamos a roupa rapidamente e resolvemos ir embora. Eu estava confuso e ele parecia perceber isso, pois não conseguia olhar nos seus olhos. Ele subiu no cavalo e como viu que eu ainda estava ali parado, insistiu para que eu subisse também. A caminhada de volta seria de uns 30 minutos pelas montanhas.

Eu me apertei contra seu corpo, completamente confuso. Reparei em suas costas largas, seus braços fortes, seu corpo atlético e meu pau ficou duro de novo. Ele ia bem devagar de propósito. Vendo que eu não falava nada, ele disse:

-- Relaxa, isto que aconteceu vai ficar só entre nós dois. Se você não gostou, nunca mais encosto em você.

Fiquei em silêncio, não sabia se eu queria de novo.

Já na fazenda, à noite, todo mundo foi dormir, inclusive o Adriano. Fiquei enrolando à beira do fogão à lenha. Queria ter certeza de que o meu primo estaria dormindo antes de eu ir para o quarto que dividia com ele nos dias em que passava ali. Cada um dormia em uma cama.

Entrei bem quietinho, fechei a porta atrás de mim e deitei-me, segurando a respiração. Para minha surpresa, ele estava deitado na minha cama, pelado. Estava me esperando.

Eu me deitei fixando o olhar no teto e sentindo aquele frio na barriga. Minha respiração começou a ficar acelerada. Fiquei quieto por um tempo e ele se virou e encostou o rosto no meu peito, abraçando-me de lado.

Sua respiração também estava ofegante. Virei-me para ele e encostei a mão no seu rosto, sentindo aquela barba por fazer. Mal podia enxergá-lo, pois apenas um pequeno feixe de luz do luar entrava pela janela. Acariciei seu rosto e ele começou a beijar meu pescoço e depois meu peito. Depois voltou-se para mim novamente e me beijou com um calor intenso que me arrepiou e incendiou todo o meu corpo.

Suas mãos passaram a percorrer o meu corpo e cada toque me dava choques causando ondas de prazer. Deslizei minhas mãos pelas suas costas e explorei todo o seu corpo. Aquela noite eu tive a certeza de que gostava de homens, pois o prazer que eu sentia com o toque de sua barba no meu pescoço não poderia ser comparado a nada que eu jamais experimentara com qualquer garota.

Ele beijava meu pescoço e começou a descer pelo meu corpo até encontrar minha cueca toda melada. Puxou-a e começou a chupar meu pau com muita vontade. Passava a lingua por toda a sua extensão, deixando-me completamente arrepiado.

Pediu para que eu virasse de costas e obedeci. Sua lingua percorria desde minha nuca, passando pelas minhas costas, até encontrar minha bunda. Passou a lingua quente no meu cu e pedi para que ele não parasse. Quanto mais ele me lambia, mais eu queria senti-lo dentro de mim.

Ele então subiu a lingua novamente pelas minhas costas até chegar à minha orelha e já senti seu abdômen encostando nas minhas costas e seu pau duraço encaixar-se bem no meio da minha bunda já toda lambuzada.

Seu pau grosso de quase 20cm era quente e automaticamente me empinei enquanto ele forçava bem devagar aquela verga. Foi entrando devagar, mas não sem dor. Cada centímetro que ele avançava, rasgava-me. Abraçou-me e apertou até que entrasse todinho em mim e ele falou ao meu ouvido com uma voz ofegante:

-- Tô esperando este momento já faz muito tempo. Já bati várias imaginando esse dia, queria você todos os dias. Quero te ter e quero que você me tenha também.

Pediu que eu ficasse de quatro e meteu. Enlouquecidamente. Sentia dor, misturada a tesão. Eu queria comê-lo também e ele deixou. Enfiei meu pau com muito cuidado, bem devagar, e ele ajudava, mexendo-se de um lado para outro, procurando a melhor forma de entrar.

Grudei em seu corpo e o abracei, apertando-o enquanto metia naquele buraquinho apertado e quente. Eu também sussurrei ao seu ouvido, dizendo que o queria todos os dias. Queria comê-lo, queria dar pra ele todos os dias.

Ele quis me comer de novo e pediu para eu sentar no pau dele. Assim ele podia me punhetar enquanto metia. Não aguentei muito tempo sentando naquela tora com aquele pau grosso atolado no meu cu e ele me punhetando. Gozei como nunca tinha gozado antes e ele, sentindo meu cu apertar seu pau, também não aguentou e gozou dentro de mim. Senti sua porra quentinha enchendo-me por dentro e foi outra sensação que eu nunca tinha experimentado antes.

Ele então pediu para eu ficar naquela posição mais um pouco até que o seu pau amolecesse dentro de mim. Ele me acariciava, me beijava e me apertava. Demorou até que finalmente aquela carne quente deslizou para fora, toda melada de sêmen.

Eu passei a amá-lo. Desejava todos os dias o seu pau e sua bunda. Ficamos neste relacionamento por uns dois anos, até que ele se casou e se mudou para outra cidade.

No fim de 2009 nos encontramos novamente numa festa na fazenda e nos pegamos mais uma vez, no pomar. Foi ainda mais intenso, mais gostoso e muito mais amoroso. A partir daí as coisas mudaram abruptamente pra mim. Mas esta é uma outra história, que contarei em uma outra oportunidade.

Comentários (59)

Atenção: Insultos e comentários em desacordo com o tema poderão ser despublicados.

  • em 21-08-2017 às 16:55 Fernando
    Si alguem quiser falar safadeza, chama eu.
  • em 05-11-2016 às 11:49 Polux
    Bom demais esta histórias com primo
  • em 31-08-2016 às 08:37 Rone
    Fiquei todo melado de tesão, e o cu piscando querendo um pau gostoso
  • em 29-12-2015 às 22:49 Pedro
    Fiquei super escitado com esse conto. Sou de São Paulo e sou casado. Nunca transei com nenhum homem, porém, quando criança meu primo me comia em cima da laje da minha casa. Hoje minha esposa sabe que tenho muito tesão por outros homens. Pra tentar apagar o meu fogo ela vai e mete um pepino no meu cu enquanto eu bato uma punheta imaginando que estou sendo foi do por um macho gostoso. Gostaria de ter a coragem de me assumir e finalmente me entregar pra um homem.
  • em 11-10-2015 às 11:50 Lek
    Lek putinho pas safado chama whats :11986501292
  • em 19-08-2015 às 17:24 Roberto Carrol
    Cara sou casado,professor universitário, muitissimo discreto, sou bisexual , mais confesso que gosto de ser fudido, por alguem mais jovem que eu , e que seja muitissimo discreto. Moro em Salvador e quero ,muito um cara jovem , legal e ativo , macho , viril , que queira me fuder e sermos grandes amigos. Se puder mande seu e-mail para carrol57@live.com, que seja da região metropolitana de Salvador/bahia
  • em 10-08-2015 às 00:22 w. angel
    pra quem gosta de um emo' meu whats 6399685575 sou do tocantins
  • em 27-07-2015 às 15:36 nivaldo
    quem for de Minas ou Bahia mim adiciona no whatssap 33 88346457
  • em 24-06-2015 às 06:35 bruno
    add zap 6186428829
  • em 16-06-2015 às 01:57 santana
    Meu zap ai 71 87672522 sou baiano
  • Mostrar mais comentários...