O Cinema que Ousa

Cineasta lança livro com produções LGBT brasileiras dos últimos 20 anos.

por Redação MundoMais

Quinta-feira, 21 de Janeiro de 2016

As produções de filmes, curtas-metragens e livros LGBT aumentaram consideravelmente durante os últimos anos, principalmente com as discussões sobre a temática na sociedade.

Para analisar e buscar entender um pouco as referências e ideias dos realizadores, Lufe Steffen reuniu 23 entrevistas com cinegrafistas e autores, que lançaram produções do gênero entre 1995 e 2015, no livro “O Cinema que Ousa Dizer seu Nome” (Editora Giostri).

Lufe Steffen: Lufe Steffen: "Achei que eu mesmo devia ser entrevistado já que sou um cineasta e todos os meus 11 filmes também estão focados no mundo gay"

Para o cineasta paulistano, as abordagens sobre a comunidade LGBT transformaram-se nos últimos 20 anos. “Elas mudaram no sentido de passar de uma visão mais cômica, leve, descompromissada, muitas vezes escrachada e quase sempre divertida, para uma visão mais séria, com mais sensibilidade e densidade, problematizando as questões e aprofundando os temas”, compara Lufe

O autor assistiu a todos os filmes antes de conversar com os cineastas e revela uma curiosidade: ele é o 24º entrevistado para o próprio livro. “Achei que eu mesmo devia ser entrevistado já que sou um cineasta e todos os meus 11 filmes também estão focados no mundo gay.”

Ele diz ainda que a inspiração veio do músico Glenn Gould, que tinha mania de auto entrevistar. “Por mais bizarro e egocêntrico que isso possa parecer, acredito que foi a opção mais justa e coerente no caso. Então tratei o Lufe Steffen cineasta como se ele fosse outra pessoa, como se fosse mais um cineasta entre os 23 que eu tinha entrevistado”, completa.

Representatividade trans

Lufe acredita que o “T”, que representa travestis, transgêneros e transexuais, continua sendo a mais enigmática do rótulo LGBT por conta do preconceito e ignorância da sociedade em geral.

“O segmento T continua sendo o mais discriminado da comunidade LGBT. Por isso, talvez, seja um desafio maior focalizar esse segmento nos filmes. Mas acredito que esse panorama está mudando rapidamente”, diz.

O autor considera que ainda há temas pouco abordados pelas produções sobre o gênero. “A existência da bissexualidade de fato; a questão dos homens transexuais (mulheres transexuais são mais comuns nos filmes); o direito da pessoa mudar de sexualidade quando quiser; a destruição dos conceitos de masculino e feminino”, enumera.

Dentre as produções analisadas estão “Jiboia”, de Rafael Lessa, “O Pacote”, de Rafael Aidar, “Homem Completo”, de Rui Calvo e “Café com Leite”, de Daniel Ribeiro.

O livro “O Cinema que Ousa Dizer seu Nome” será lançado em 23 de janeiro no Espaço Parlapatões, na Praça Roosevelt, 158, em São Paulo, das 17h às 20h.

Cena de Homem Completo, de Rui CalvoCena de Homem Completo, de Rui Calvo
Comentários (3)

Atenção: Insultos e comentários em desacordo com o tema poderão ser despublicados.

  • em 25-01-2016 às 10:29 O retrato de Dorian Gray...
    O ateliê estava repleto do odor substancioso das rosas, e quando a brisa de verão agitou- se por entre as árvores do jardim, entrou, pela porta aberta, o aroma acentuado do lilás, ou o perfume mais delicado do pilriteiro rosáceo. No canto do divã de alforjes persas, em que deitava e fumava, como de hábito, inúmeros cigarros, lorde Henry captava apenas o reflexo das flores mel- doces e mel- cores do laburno, cujos galhos trêmulos mal pareciam capazes de suportar belezas tão flamejantes; e, de vez em quando, as sombras fantásticas dos pássaros em revoada, atravessavam, adejantes, as cortinas de tussor, compridas, estendidas à frente da imensa janela, e produziam uma espécie de efeito japonês, momentâneo, que o fazia pensar nos rostos de jade, pálidos, daqueles pintores de Tóquio, por meio de uma arte necessariamente imóvel,, procuram transmitir a sensação de fugacidade e do movimento. No centro da sala, encaixado num cavalete armado, o retrato de corpo inteiro de um jovem de extraordinária beleza pessoal; à frente do cavalete. a certa distância, sentado, o artista em pessoa, Basil Hollward, cujo desparecimento repentino, alguns anos atrás, causara, na ocasião, entre o público, tamanho rebuliço e dera origem a tantas conjecturas estranhas...
  • em 21-01-2016 às 12:55 Meu Filho ORapazes
    otima intrevista @ mais foco mesmo de cine ILGBT é SEXO GUYS SUPER FILM SEXO GUYS Site Blog Webcam vídeos youtube @ ! Filme tema tematica hsitorias romançe ILGBT Apenas quando uma longa curta triller Girnga International Film Auntores Com Diretores compartilhar em suas ediçoês numeros pesquiça destinada aos mega eternus premiaçâo OSCAR EURO OSCAR Hollowdianus Cannes NewYork . Mais com tema é direçâo brasileiros vale apena investir mais a premiaçâo destaque BURRUS GIRNGUS CARONA BURRUS GRIGUS GOOGLE .
  • em 21-01-2016 às 12:26 2 homens se amam
    A questão da trans sofrer mais preconceito que o gay é porque o mercado de trabalho fecha- lhe as portas, tendo que migrar para a prostituição, e sem estudos, vira una delinquente que assusta a sociedade. Mas as oportunidades estão aí; agarre- as! Haddad tem dado uma força para a transexualidade!