Nova

Santander realizará exposições sobre diversidade após cancelar Queermuseu.

por Redação MundoMais

Sexta-feira, 12 de Janeiro de 2018

O Santander Cultural realizará duas novas exposições sobre temas de diferença e diversidade na ótica dos direitos humanos, de acordo com termo de compromisso firmado entre a instituição e o Ministério Público Federal do Rio Grande do Sul (MPF/RS).

A medida acontece em decorrência da apuração do MPF sobre a suspeita de prejuízo à liberdade de expressão artística com o encerramento antecipado da exposição Queermuseu – Cartografias da Diferença na Arte Brasileira, em setembro de 2017, no museu que fica no centro de Porto Alegre.

A exposição foi acusada por homofóbicos de fazer apologia à pedofilia, zoofilia e ofensas a símbolos religiosos, o que motivou seu fechamento, cerca de 30 dias antes do previsto. Segundo o MPF, que analisou o caso, tais acusações não se verificaram na realidade.

Ainda de acordo com o MPF, o Santander Cultural se compromete a patrocinar as duas exposições, que conjuntamente permanecerão abertas por aproximadamente 120 dias.

Uma delas deve abordar a questão da intolerância, e a outra tratará sobre as formas de empoderamento das mulheres na sociedade contemporânea, informa o órgão. "Ambas as temáticas são altamente relevantes nos dias de hoje", reforça o procurador regional dos Direitos do Cidadão (PRDC), Enrico Rodrigues de Freitas.

"A intolerância, em especial quanto às questões de gênero e orientação sexual, está diretamente ligada ao encerramento precoce da 'Queermuseu', então nada mais coerente do que debatê-la por meio de uma nova exposição. Já a mostra sobre o empoderamento feminino é outra perspectiva da questão de gênero, que igualmente temos que trazer à luz, inclusive sob o prisma da orientação sexual, e por meio do debate buscar evoluir", ressalta.

O termo de compromisso ainda estabelece que o Santander Cultural deve manter medidas informativas sobre eventuais representações de nudez, violência ou sexo nas obras que serão expostas, assegurando, assim, a mais plena proteção à infância e à juventude.

Caso o acordo não seja cumprido, o Santander Cultural pagará multa de R$ 800 mil.

Relembre o caso

O Queermuseu foi cancelado após protestos de um pequeno grupo de homofóbicos, que apontavam "incentivo à pedofilia, zoofilia e ofensa religiosa". Em visita ao museu, após o fechamento, o promotor da Infância e Juventude de Porto Alegre, Julio Almeida, avaliou que não havia pedofilia na exposição.

Além disso, o próprio MPF recomendou a reabertura da exposição, o que não foi acatado pelo Santander. Nesta mesma recomendação, o órgão já mencionava a realização de uma nova exposição sobre temas de diversidade.

Cerca de 270 obras de 90 artistas nacionais integravam o Queermuseu.

Comentários (6)

Atenção: Insultos e comentários em desacordo com o tema poderão ser despublicados.

  • em 15-01-2018 às 07:52 Fábio
    Tudo moderno demais ..... por isso que esta essa merda !!!!!!!
  • em 14-01-2018 às 23:08 Tenório
    Eu não quero ser ofensivo com o DJ, mas ele ou ela ou ambos precisa parar de servir, como boi, ao exército gayzista profissional, sindical e empresarial, aquele que quer usar a minha bunda, a sua, a do DJ, para ganhar holofotes e grana pesada, ainda que seja ofendendo religiões e atropelando pessoas. Tenho dito aqui e repetirei quantas vezes isso for preciso: somos seres humanos dignos o bastante para nos encurralarmos na mão de safados, a quem nossa homossexualidade interessa como mera mercadoria. Exposições como Queermuseu servem a propósitos. Deixem de ser tolos, meus queridos. Não sirvam de instrumentos a bandidos safados.
  • em 14-01-2018 às 19:16 Para este Drizella Sexo Q !
    Lava BOCA Coisssinha ! q sexual nome sexo humanu ! O Países q mais acolhem diversidadi turismo SEXO pratica SEXO Carências dos GRINGAHADUS Exterior passivos ativos oral Gay Bi Gay Heterossex praticam seus angustias seus dispeream suas vidas seus ridiculos seus dotes seus sexo seus moedas seus dilemas seus sofrimentus pelas atraçâo sexual do países políticas roubos violências prostituçâo pobrezxa baixa renda baixo nível adenalina dos favelas tiroteiros mortes acada minutos acada horas drogas mega drogas 1 Numero 1 O Brasxzil O .
  • em 14-01-2018 às 10:50 Dj
    Gay conservador é saco mesmo. Um bando de caga regra, parecem esses pastores dizendo como deve andar sua vida e a sociedade
  • em 13-01-2018 às 20:10 Drizella.
    O Brasil está uma merda, fato! Beijos Brasil!
  • em 13-01-2018 às 19:47 Tenório
    Lá vem aquele ridículo do Santander, Sérgio Rial, que é gay, fazer merda contra as pessoas, as crianças, as religiões (especialmente a Católica) e a sociedade brasileira. Esse cara é um palhaço, que serve à agenda gayzista. Um idiota.