Pajubá

Questões de linguagens têm diversidade como tema no ENEM 2018.

por Redação MundoMais

Segunda-feira, 05 de Novembro de 2018

Machismo, racismo, cultura LGBT, direitos humanos. Diversas questões do primeiro dia do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), que consiste em noventa perguntas nas áreas de linguagens e ciências humanas, versaram sobre esses e outros temas.

A escolha foi observada mesmo em questões que não tinham relação propriamente dita com a temática social de fundo. Em uma pergunta cujo objetivo principal era verificar se o estudante entendia a função de um resumo para um artigo acadêmico, o texto escolhido foi um intitulado “A imagem da negra e do negro em produtos de beleza e a estética do racismo”.

Outro tema bastante presente foi a respeito da comunidade LGBT. Com o objetivo de analisar o que configura um dialeto e um patrimônio linguístico, o ENEM 2018 perguntou aos estudantes sobre o “pajubá”, nome pelo qual é conhecido um conjunto de expressões mais afeitas a esse segmento da população, identificado pela prova como o “dialeto secreto utilizado por gays e travestis”.

O estudante deveria dizer qual, das cinco alternativas propostas, representava uma característica que de fato permite ao pajubá configurar com o status de dialeto. Para os docentes do Anglo, essa foi uma pergunta que permitia múltiplas interpretações. No gabarito oficial, a alternativa considerada correta foi a de alternativa “C”. Veja a questão abaixo.

Interpretação de texto

Outra questão relacionada às questões de orientação sexual e identidade de gênero é a que trata da obra Amora, de Natália Borges Polesso. A escolha da organização do Enem foi pelo conto "Vó, a senhora é lésbica?"

O trecho deveria ser lido e interpretado para que, na resposta, fosse explícita qual a tensão fundamentada entre as personagens citadas e em qual perspectiva esta se baseava. Para os professores do Anglo, a resposta correta é a letra “B”. “A personagem da história conta que tinha receio de expor sua orientação sexual para a família, algo que já estava claro no ambiente escolar”, afirma o professor de Gramática Henrique Braga, que participou da correção das provas.

Comentários (2)

Atenção: Insultos e comentários em desacordo com o tema poderão ser despublicados.

  • em 06-11-2018 às 23:53 Só de olho
    Hoje, num grupo de whatsapp, puseram um vídeo de uma pseudo-defensora da moral e dos bons costumes da tradicional família brasileira detonando esta questão. A mulher é tão BURRA, é tão IMBECIL e MALDOSA TAMBÉM, que a única coisa que conseguiu ver foi : isso é um absuuuuuuuuuuuuuurdo, vai contra a moral e bons costuuuuumes, uma linguagem dessas, de gay, no ENEM?! Oooooooooooooh! Ninguém no grupo comentou, a mulher que postou também não deve ter entendido a questão eheheh!
  • em 05-11-2018 às 22:42 Rainha
    A prova é de linguagem,cujo objetivo é INTERPRETAÇÃO...tanto um qto o outro são textos e devem ser vistos como tal...sem mi mi mi como estão fazendo...alem disso o dialeto pajubá tem o mesmo objetivo dos dialetos alemães e italianos...representar uma determinada comunidade e se proteger...dialetos é linguagem esta de acordo com a proposta do ENEM...o choro da sociedade é livre...e por mais q o nazismo se inicie no ano que vem...a resistencia sempre existira e de alguma forma dando seu recado...