Reparação

Globo deve indenizar psicólogos associados à cura gay e charlatanismo.

por Redação MundoMais

Quinta-feira, 24 de Janeiro de 2019

A Rede Globo terá que indenizar um grupo de psicólogos que foram associados à "cura gay" e acusados de charlatanismo em uma reportagem. De acordo com o juiz Julio Roberto dos Reis, da 25ª vara Cível de Brasília, a emissora abusou do direito de crítica.

Em 2017, a Globo exibiu em dois programas jornalísticos reportagens sobre o grupo, afirmando que ele estaria tratando a homossexualidade como doença. A reportagem teve como base uma ação popular na qual uma das integrantes do grupo tentava derrubar uma resolução do Conselho Federal de Psicologia (CFP) que trata do atendimento a pessoas com problemas com sua sexualidade. Em uma das reportagens, foi mencionado que a prática defendida pelo grupo de psicólogos consistia em charlatanismo.

Inconformado, o grupo pediu reparação por danos morais e que a Globo fosse obrigada a se retratar. Na ação, explicou que, ao contrário do mencionado nas reportagens, não defendem a reversão sexual, tampouco tratam a homossexualidade como doença.

Segundo os psicólogos, o que eles defendem é o tratamento de “egodistônicos”, pessoas cuja atração sexual por pessoas do mesmo sexo não encontra sintonia interna, e que desejam tal tratamento.

Em contestação, a Globo alegou que as reportagens limitaram-se a citar frases retiradas dos autos da ação popular e entrevistar especialistas e interessados, que proferiram sua opinião acerca do tema, não tendo a emissora manifestado opinião em relação aos autores, ou mesmo acerca da decisão judicial obtida na ação popular.

Para o juiz Julio Roberto Reis, no entanto, houve abuso no direito de crítica da emissora. Para ele, as reportagens foram além de apenas noticiar os fatos apurados, exercendo juízo de valor e atacando a reputação dos psicólogos ao afirmar que tratava-se de charlatanismo.

O juiz afirmou ainda que houve uma distorção por parte da Globo em relação ao que era pedido na ação popular, e isso ficou comprovado na sentença. "As matérias não economizaram no tom ofensivo e sub-reptício em relação capacidade técnica dos postulantes, a colocar de forma subjacente que não respeitam a liberdade sexual dos homossexuais, o que não corresponde ao conteúdo da ação popular", complementou.

Assim, o juiz condenou a Globo a pagar R$ 30 mil de indenização à psicóloga autora da ação popular e R$ 10 mil a cada um dos outros 14 autores da ação de indenização.

O pedido de retratação, contudo, foi negado pelo juiz Julio Roberto Reis pois configuraria bis in idem. Segundo o juiz, em outra ação movida pelo grupo já havia uma sentença condenando a emissora a dar direito de resposta ao grupo.

Comentários (18)

Atenção: Insultos e comentários em desacordo com o tema poderão ser despublicados.

  • em 02-02-2019 às 10:39 Lenny para Fred
    Prefiro a TV como influenciadora do pensamento que a internet.
  • em 01-02-2019 às 11:24 Leoa valenta
    A grobo é um mar lixo, um mar de xorume, só tem coisa xata e nojenta! Nasci em 84, antigamente tinha conteudo, era show, amava de paxão! Hoje, tenho nojo total! Falir, é o melhor remédio para a rede extrume de tilivision! kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
  • em 30-01-2019 às 13:27 Halison
    Globo não vai pagar nada
  • em 29-01-2019 às 20:20 FRED
    Embora esteja perdendo espaço para a Internet, a TV ainda é uma grande influenciadora no pensamento da maioria da população brasileira. Tenho minhas críticas à TV GLOBO, mas devo constatar a sua contribuição para que a sociedade atual passasse a encarar a homossexualidade com mais naturalidade. Na minha visão, a TV não deveria pagar nada. Esses evangélicos já recebem dízimos e têm isenção de imposto.Pronto, já está bom!
  • em 27-01-2019 às 12:39 Lipe
    O problema disso é quando uma criança ou adolescente é obrigada pelos pais. Até mesmo, um jovem adulto. Mas há casos de adultos que desejam “alterar” com sua sexualidade (a meu ver impossível); em situações de escolha do próprio indivíduo, deveriam liberar.
  • em 25-01-2019 às 00:01 KLEBER WANDERLEY
    Gente, vamos chupar rola , dar e comer cu que é muito bom. Se o ser humano nao se aceita gay é simples. Vai comer buceta oras. Esse grupo deveria esta preocupado em cura e terapia para ladroes e bandidos de todos os governos. Infelizmente se preocupam mais com o cu dos outros.
  • em 24-01-2019 às 23:11 Lile
    Este povo se ilude achando q a Globo vai acabar...quem vai tomar seu lugar?As mequetrefes SBT,Band e religiosa Record?Pode montar ate o Palacio do Planalto la dentro...sempre sera o q e...NADA...evangelicos e hipocritas nao passarao...
  • em 24-01-2019 às 19:48 Diego SP
    O juiz pecou na análise do caso na minha opiniao. Deveria ter perguntado a psicóloga que tipo de conselho ela daria um gay que a procurasse. A partir da resposta dela ele juiz formaria sua decisão. Muito rasa e estranha essa decisão do juiz!
  • em 24-01-2019 às 19:39 Diego SP para Pastora e aloka
    Concordo. Parabéns pela reflexão inteligente.
  • em 24-01-2019 às 19:35 Diego SP
    Bom, mas os psicólogos não negam que dariam tratamento as pessoas que procurassem a clínica conforme relatado na matéria " Segundo os psicólogos, o que eles defendem é o tratamento de “egodistônicos”, pessoas cuja atração sexual por pessoas do mesmo sexo não encontra sintonia interna, e que desejam tal tratamento." Tão logo era uma forma de tratamanho, ou psicóloga evangélica ia dizer que ser homossexual é normal? Eu queria ouvir essa psicóloga que conselho ela daria a um gay que a procurasse para te altar a sua insatisfação com sua orientação sexualidade! Muito nebulosa a atividade desse grupo de psicólogos que até hoje não explicou que eles fazem e a decisão do juiSegundo os psicólogos, o que eles defendem é o tratamento de “egodistônicos”, pessoas cuja atração sexual por pessoas do mesmo sexo não encontra sintonia interna, e que desejam tal tratamento juiz fica sem nexo nesta situação.
  • Mostrar mais comentários...