Singulares

São Paulo recebe 1º Torneio Nacional de Slam só de mulheres e pessoas trans.

por Redação MundoMais

Quinta-feira, 21 de Março de 2019

Singulares é o nome do 1º torneio nacional de slam protagonizado por mulheres e pessoas trans. O evento será gratuito e acontecerá no Sesc Ipiranga no próximo domingo (24).

Organizado pelo coletivo “Slam das Minas SP” ― um dos grupos mais importantes de protagonismo feminino em batalhas de poesia falada ― o evento é uma batalha de slam, onde um júri popular escolhe o vencedor baseado, principalmente, em dois critérios: poesia e desempenho.

A competição contará com a participação de mulheres (cis e trans) e homens trans de 8 Estados.

Entre os participantes do Singulares estão os grupos: Slam das Minas SP, Slam Luana Barbosa Presente (SP), Slam Marginalia (SP), Chica da Silva (RJ), Slam das Minas RJ, Camélias (MS), Slam das Manas (MG), Slam das Minas PE, Slamdas Mulé (BA), Dandaras do Norte (PA), Slam das Minas BA e Slam das Minas RS.

Por meio da poesia falada, o “Slam das Minas” vem contribuindo para a disseminar a produção feminina de slam no Brasil e no mundo.

O que é a poesia falada?

O Slam é uma linguagem artística que surgiu nos Estados Unidos na década de 1980, junto com as culturas do grafite e do rap. No Brasil, a poesia e o rap se uniram a partir de 2008, em rinhas de MC’s e slam’s. Desde 2012, slam’s brasileiros participam do Campeonato Mundial, que acontece anualmente em Paris (França).

O movimento surgiu em 2015, em Brasília, e ganhou novas vozes em São Paulo em 2016, com organização de Mel Duarte, Pam Araújo, Carolina Peixoto e Luz Ribeiro.

SERVIÇO:

Singulares - 1º Torneio Nacional de Slams Protagonizados por Mulheres
Local: Sesc Ipiranga (Rua Bom Pastor, 822 – Ipiranga, São Paulo)
Dia: 24 de março de 2019
Horário: 14h
Ingressos: Grátis

Comentários (8)

Atenção: Insultos e comentários em desacordo com o tema poderão ser despublicados.

  • em 23-03-2019 às 10:36 Professora Tiburça
    Vão para a merda, quem nunca errou? Vão se fuder, suas nojentas!
  • em 22-03-2019 às 21:32 Yoko para Armani Exchange
    Fique tranquilo, todos nós nos equivocamos em algum momento, mas só os humildes avançam.
  • em 22-03-2019 às 10:45 tiozim
    Bixarada burra essa, mal lê a matéria e já sai falando asneiras... competição de POESIA FALADA, não é força física!!!!!
  • em 22-03-2019 às 09:12 Armani Exchange
    Realmente, me equivoquei. Quando não envolve força física, não faz sentido, de fato, separar trans de mulheres, digamos assim, nascidas com o sexo feminino. Isso deve ocorrer em competições que envolvam disputas físicas e não intelectuais, como é o caso aqui.
  • em 22-03-2019 às 09:07 Para Toka poc poc
    Cada bixa, tem sua opinião, fica a dica, amada!
  • em 22-03-2019 às 07:47 Toko
    Onde a força da poesia falada é diferente entre os gêneros. Mulher trans ou sis são dotadas de sentimentos capazes de dar o recado da mesma forma. Será que os leitores estão pensando que elas estarão num ringue para lutar usando a força física? Por favor, leiam novamente.
  • em 21-03-2019 às 19:05 Rainha Greludes Cúsilda Forévs
    Mulher trans, continua com a força de um homem, competir com mulheres, é sim covardia! Mulher trans, deve competir com outras trans, ou homens, ai sim, ficaria de igual para igual! Tem muita maluquice nesse planeta, vamos viver e deichar viver? Sim! Mas, tudo tem limite!
  • em 21-03-2019 às 13:10 Armani Exchange
    Não deveria ser assim. Há diferença de força física entre trans, de caracteres masculinos dos quais jamais se afastarão, e mulheres. Tans devem ser incluídas. É um direito inarredável. Mas não dessa forma.