Johnny Hooker elege Cássia Eller no Rock in Rio como um marco LGBT

A apresentação é até hoje tão memorável que ganhou uma homenagem na última edição do Rock in Rio.

por Redação MundoMais

Quinta-feira, 25 de Junho de 2020

Era 13 de janeiro de 2001 quando acontecia o segundo dia da terceira edição do Rock in Rio. O line-up tinha REM, Foo Fighters, Beck, Barão Vermelho. Mas foi o show de Cássia Eller que ficou eternizado na memória de muita gente.

Para o cantor Johnny Hooker e a integrante da banda As Bahias e a Cozinha Mineira, Assucena Assucena, o show de Cássia Eller no festival foi um marco LGBTQ+ na cultura pop.

"Aquela cena dela levantando a blusa e mostrando os peitos e peitando com tanta coragem um mundo que é até hoje careta, mas naquela época era mais. Naquele show ela tomou o lugar dela na primeira linha do pop nacional. Ter aquela coragem e atitude e ser celebrada daquela forma em um dos maiores festivais do mundo me marcou profundamente", disse Hooker.

via Gfycat

A apresentação é até hoje tão memorável que ganhou uma homenagem na última edição do Rock in Rio. O show marcou também a primeira apresentação do filho, Chicão, ao lado mãe, tocando percussão.

"Eu lembro a imagem dela no Rock in Rio, levantando a sua camisa e mostrando os seios. Aquilo demonstrava um poder e uma segurança tão grande dela em mostrar quem era. Me comoveu muito e construiu um pouco do que eu sou", disse Assucena Assucena.

Cássia não era conhecida por fazer discursos sobre homofobia, mas à sua maneira teve um papel importante no avanço de questões que envolvem homossexuais no país.

A disputa pela guarda de seu filho após sua morte marcou a primeira vez na história da Justiça brasileira em que a tutela de uma criança foi entregue à companheira da mãe.

Comentários (3)

Atenção: Insultos e comentários em desacordo com o tema poderão ser despublicados.

  • em 26-06-2020 às 20:43 Felipe
    Estou enganado em relação a Johnny Hooker. Vi entrevistas dele e percebi que não teve a intenção de ofender a religião de ninguém.
  • em 25-06-2020 às 20:47 Felipe
    Se fosse viva, o cara esse corria o sério risco de ser desautorizado. Eller era absurda, fenomenal, mágica. esse cara não canta, não dança, não toca punheta. Acho até que nem o cu dele ele dá. O que sabe fazer é chamar a atenção ofendendo símbolos cristãos. Faz arte baixo-gávea, do tipo que não ficará na memória nem da mãe dele.
  • em 25-06-2020 às 16:41 Bolsolulanario.
    Cassia era show de bola. Musica que mais gosto dela é, palavras ao vento.