Parlamentares na Polônia usam cores do arco-íris em protesto contra presidente anti-gay

Protesto aconteceu durante posse do presidente Andrzej Duda, eleito ao defender que a “ideologia LGBT” é um perigo nacional.

por Redação MundoMais

Sexta-feira, 07 de Agosto de 2020

Membros da oposição do parlamento polonês formaram um arco-íris com suas roupas nesta quinta-feira (6), para marcar posição durante cerimônia de posse do presidente eleito, Andrzej Duda, em Varsóvia. O ato também tinha a intenção de demonstrar solidariedade à comunidade LGBT no país europeu.

Andrzej, que pertence ao partido de direita PiS (Lei e Justiça), foi eleito no final julho para um segundo mandato de cinco anos. Em sua campanha, ele tentou se mostrar como um “guardião” dos programas sociais do governo, mobilizando sua base conservadora e críticas ao movimento LGBT.

Nas últimas semanas de campanha, ele afirmou que a “ideologia LGBT” era mais perigosa do que a “doutrina comunista” e prometeu garantir que as escolas públicas sejam proibidas de discutir os direitos destas pessoas.

Nesta quinta, as parlamentares do partido “Esquerda”, usaram máscaras e roupas com as cores do arco-íris, que representam a bandeira do movimento LGBT. Elas sentaram em fileira e formaram imagem com as cores durante a cerimônia, realizada na câmara baixa do parlamento, chamada de “Sejm”.

Parlamentares sentam em fileira para formar bandeira LGBT nas cadeiras do parlamento polonês, em Varsóvia.

Segundo a Reuters, uma das parlamentares, Anna Maria Zukowska, afirmou que “queria mostrar ao presidente que na constituição há garantia de igualdade para todos.”

“Não queremos uma situação semelhante durante o seu próximo mandato, como ocorreu durante sua campanha, quando o presidente desumanizou as pessoas LGBT negando-lhes o direito de serem pessoas”, disse.

Ainda segundo a agência de notícias, o PiS, partido do presidente, argumentou que os direitos LGBT fazem parte de uma “ideologia estrangeira invasiva que mina os valores poloneses e a família tradicional”.

Em seu discurso de juramento, Duda reiterou sua promessa de manter “a família como a pedra fundamental da sociedade, como nosso bem mais precioso”.

Membros do parlamento usam máscaras com as cores do movimento LGBT.

Recentemente, algumas cidades polonesas foram informadas de que perderiam o financiamento da União Europeia por incitarem a LGBTfobia. Desde o início de 2019, foram registrados mais de 80 casos na Polônia em que governos tanto regionais, ou locais, se declararam como “zonas livres de ideologia LGBT”.

Segundo a ILGA (Associação Internacional de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transexuais e Intersexuais), maior organização mundial em defesa dos direitos LGBT, o discurso de ódio por parte de líderes políticos e religiosos aumentou em 17 países da Europa, incluindo Portugal, Espanha e Finlândia, conhecidos por serem acolhedores a esta população. A violência homofóbica, como um todo, também cresceu na região, de acordo com o estudo.

Comentários (3)

Atenção: Insultos e comentários em desacordo com o tema poderão ser despublicados.

  • em 13-08-2020 às 11:27 Cris
    Como existe gente doida que não se aceita, gentchiiiiii! Vai procurar Freud!! Please!!
  • em 08-08-2020 às 10:36 Felipe
    Não existe "Comunidade GLBT". Existem seres humanos e seus impulsos afetivos. A Polônia não é contra os gays. A Polônia, que sofreu como ninguém durante a Segunda Guerra Mundial, sabe perfeitamente o que significam totalitarismos, ditaduras, pensamentos únicos, comunismos e censuras. Por isso, se opõe ao gayzismo, a pior forma de censura de nosso tempo. Nós, gays, deveríamos aplaudir a liberdade que eles propõem, porque estão nos defendendo. Não somos bois, não somos gado, em virtude de sermos homossexuais ou transsexuais. Somos seres humanos, que não queremos ser pautados por filha da puta algum. Diga não àquele que deseja instrumentalizar a sua homossexualidade, meu querido. Você é mais e maior do que esse projeto político-ideológico nojento. Você é livre.
  • em 08-08-2020 às 07:19 Lenny
    Ótima ideia, bem inteligente. No entanto, por sua reeleição, nota-se que a maioria, infelizmente, se opõe à comunidade LGBTQQICAPF2K.