Oscar cria regras para ampliar a diversidade na categoria de melhor filme

Negros, mulheres, árabes, asiáticos e deficientes também fazem parte das 'cotas' a serem seguidas.

por Redação MundoMais

Sexta-feira, 11 de Setembro de 2020

O Oscar tem se tornado o cenário de uma importante mudança de status quo em Hollywood há alguns anos. A premiação, realizada pela Academia de Artes e Ciências Cinematográficas, tem feito várias alterações para ampliar e estimular o crescimento da diversidade na indústria cinematográfica. E agora, a organização do evento acaba de divulgar uma nova série de normas que devem ser seguidas para os indicados na categoria de Melhor Filme.

Passando a valer a partir de 2024, na 96ª edição do Academy Awards, os filmes que pretendem disputar a categoria de Melhor Filme precisarão cumprir pelo menos dois dos quatro quesitos citados abaixo, em uma iniciativa para trazer mais diversidade e representação em Hollywood.

A primeira categoria é Representação, temas e narrativas, e deve estabelecer normas para a representatividade dentro da narrativa de um filme. Para isso, ao menos um dos atores principais ou coadjuvantes importantes precisa pertencer a um grupo étnico, o que inclui asiáticos, hispânicos e latinos, negros e afro-americanos, indígenas, nativos americanos e nativos do Alaska, pessoas do Oriente Médio e do Norte da África, nativos do Havaí e das ilhas do Pacífico, entre outros.

Outra opção dentro dessa categoria é que, no do elenco total, ao menos 30% dos atores devem pertencer a grupos sub-representados (mulheres, grupos étnicos e raciais, pessoas LGBTQ+ e pessoas com deficiências física ou cognitiva). Há também a possibilidade de trazer histórias, tramas e narrativas que lidem com esses grupos.

A segunda categoria diz respeito a Cargos de liderança criativa, que fala sobre os cargos fora das câmeras e a representação nas equipes técnicas de um filme. Para que isso seja mantido, grupos sub-representados devem ocupar pelo menos dois dos seguintes cargos: Diretor de Casting, Diretor de Fotografia, Compositor, Designer de Produção, Diretor, Editor, Maquiador, Cabeleireiro, Produtor, Figurinista, Decorador de Set, Diretor de Som, Supervisor de Efeitos Visuais ou Roteirista. Além disso, 30% da equipe técnica de um filme deve ser composta por grupos sub-representados para que o filme se qualifique nessa categoria.

A terceira categoria é relacionada ao Acesso e oportunidades na indústria cinematográfica. Para se qualificar nessa categoria, um filme precisa dar acesso e oportunidades de estágio, aprendizagem ou trainee para pessoas de grupos sub-representados.

Por fim, temos a quarta categoria, que fala sobre Desenvolvimento de audiência, e é toda relacionada ao marketing e à equipe de divulgação de um filme ou projeto audiovisual. Para essa categoria, o estúdio ou produtora precisa ter múltiplos executivos das áreas de publicidade, propaganda e distribuição que façam parte de grupos sub-representados.

Como dito anteriormente, para que os filmes possam ser indicados na categoria de Melhor Filme, é necessário que eles atendam a pelo menos dois desses critérios. As mudanças começam a ser válidas para o ano de 2022, mas nas duas próximas cerimônias, os estúdios podem apresentar seu panorama de diversidade confidencialmente para a Academia.

Comentários (2)

Atenção: Insultos e comentários em desacordo com o tema poderão ser despublicados.

  • em 16-09-2020 às 22:01
    Quanta bobagem, foi o tempo que o melhor filme era o melhor filme, hoje é preciso lacrar pra ter chances. Por outro lado, quem ainda liga pra essa cerimonia cafona e ultrapassada?
  • em 11-09-2020 às 16:26 Miguel
    Já tinha passado da hora!!!