Promoção Black Friday Promoção Black Friday Promoção Black Friday

Duda Salabert é a 1ª vereadora trans de BH e recordista de votos na capital mineira

Professora de literatura, pedetista foi a mais votada entre os candidatos à Câmara Municipal da capital mineira, com mais de 37,5 mil votos.

por Redação MundoMais

Terça-feira, 17 de Novembro de 2020

A professora de literatura, educadora popular e ambientalista Duda Salabert, 38 anos, é a primeira mulher trans eleita vereadora de Belo Horizonte (MG). Com 99,96% das urnas apuradas, ela foi a vereadora com maior número de votos — mais de 37,5 mil votos, um patamar bastante alto para uma primeira candidatura.

Em 2018, ela também foi a primeira trans a concorrer a uma cadeira no Senado e obteve a maior votação do Psol, seu partido à época, em Minas, com 351.874 votos (cerca de 1,99% dos votos válidos), mas não conseguiu ser eleita.

Há cinco anos Salabert criou a ONG Transvest, que oferece cursos pré-vestibular e de idiomas gratuitos para travestis e transexuais na capital mineira.

A organização é responsável pela criação da primeira casa de acolhimento de pessoas trans e situação de rua da cidade e também criou curso voltado para profissionais do sexo, ambulantes e camelôs.

Em entrevista, na época de sua candidatura ao Senado, Duda contou que a sua decisão de se candidatar extrapola o conceito de representatividade e tem caráter simbólico.

“Se é um espaço para senhores, nada mais político que uma travesti querer penetrar esse espaço”, afirma. Mas o simbolismo de sua candidatura não para por aí. “Até a última eleição, a idade mínima para disputar esse cargo era 35 anos. 35 anos é a expectativa de vida de uma travesti no Brasil”, disse.

Salabert ainda reforçou a importância do diálogo. “Não tem transformação sem diálogo. E esse diálogo não pode usar a mesma ferramenta e o mesmo tom que esses setores imprimem sobre nós, que é o tom do ódio”, afirma. ”É difícil, mas é necessário.”

Quanto às candidaturas gerais de pessoas LGBT, levantamento inicial da Aliança Nacional LGBT+ aponta que elas receberam um total de 450.854 votos.

A organização dividiu os dados em quatro partes. Segundo o programa da entidade “Voto com Orgulho”, um total de 48 candidaturas LGBTs foram eleitas para prefeito ou vereador; 93 pessoas foram eleitas para suplência nos mandatos, como vice-prefeitos (as); 16 candidaturas de pessoas aliadas à causa foram eleitas, além de outras 42 aliadas eleitas para suplência.

“Os dados são, de fato, surpreendentes, e assim reforçam que nossa luta não pode jamais ser interrompida e somente assim será possível superarmos juntos toda e qualquer tentativa de retrocesso”, diz o texto do levantamento, que destaca que as cidades de Belo Horizonte e São Paulo tiveram votação expressiva.

Dois nomes expressivos estão no Rio de Janeiro. Mônica Benício (Psol), viúva de Marielle Franco, foi a 11ª vereadora mais votada da cidade, com 22.999 votos, além de Tainá de Paula (PT), que é uma mulher negra e se declara como bissexual. Ela teve 24.881 votos.

No Twitter, Benício comemorou e agradeceu o apoio à sua candidatura. Ela foi eleita 4 anos depois de Marielle Franco, assassinada em março de 2018. Na época, Marielle foi a 5ª vereadora mais votada do Rio.

“Agradeço imensamente às mais de 22 mil pessoas que votaram por um futuro mandato feminista e antifascista para a Câmara Municipal do Rio! Vamos transformar essa cidade juntas”, disse.

São Paulo contou com a reeleição de Fernando Holiday (Patriota), que é assumidamente gay, com 67.715 dos votos, ocupando o lugar de 5º vereador mais votado na cidade.

Saindo das grandes capitais, pessoas LGBT também foram eleitas, inclusive para prefeituras. A cidade de Mariluz (PR), elegeu Paulinho Alves (PSL) com 56,18% dos votos válidos logo no primeiro turno. Ele é assumidamente homossexual e casado.

Na mesma cidade, o vereador mais votado foi Marquinhos da Eletromóveis (PTB), com 386 votos, que também é homossexual. No interior de São Paulo, Diego Singolani (PSD), que é gay, foi eleito prefeito em Santa Cruz do Rio Pardo, com 56,18% dos votos.

Comentários (10)

Atenção: Insultos e comentários em desacordo com o tema poderão ser despublicados.

  • em 21-11-2020 às 23:56 Crente Conservador Bolsonarista
    Se arrependa dos seus pecados e venha pra o lado da direita. Jesus esta com os cidadaos de bem.
  • em 21-11-2020 às 21:20 Para Capitão Feio
    Disse tudo!
  • em 20-11-2020 às 09:15 Capitão Frio
    Holiday não representa causa LGBT, muito ao contrário. Segue a pauta extremista, mesmo tendo se afastado do grande mentecapto. Holiday nos mostra o quanto ainda existe um discurso que é capaz de fazer com que um homem gay e negro se alie justamente àqueles que querem destruí-lo. Holiday se alia a pautas que querem impedir o debate sobre gênero nas escolas, onde um dos objetivos é falar da LGBTfobia. Holiday é contra cotas para pretos/as cujo objeto é tentar pensar em nosso racismo estrutural. Holiday poderia ser alguém que seria lembrado pelos livros de história como um homem gay e negro que lutou pelo direitos humanos e que com sua visibilidade muito fez por essas pautas. Porém, só o lembraremos como um bolsonarista que a história nunca absolverá.
  • em 18-11-2020 às 23:28 Lipe
    MM, obrigado por reeditarem o texto. Quatro anos de atraso, mas valeu. O importante é a informação que políticos GAYS foram eleitos, não que GAYS DE ESQUERDA foram eleitos, afinal, estamos em um portal GAY, certo? Obrigado!
  • em 18-11-2020 às 23:27 Lipe
    Para todos: não sabia que era um portal de esquerda. Desde quando ser gay é ser de esquerda, aliás? O que mais conhecemos são gays de direita. Aqui nós fóruns há vários (e não pensem em laranjas, por favor!). Basta pensar fora da caixinha, fora de um espectro que acha que esquerda = bons e direita = maus. Leiam mais, informem-se. Nota-se que vocês precisam crescer mais a fim de aprenderem a aceitar o próximo. Eu não pedi censura ou corte dos vereadores de esquerda, mas inclusão de comentário sobre o vereador de direita. Isso só mostra, mais vez, quem é realmente a favor do cerceamento de informações.
  • em 18-11-2020 às 04:24 Everton p/ lipe
    Fernando Holliday é um lixo e por isso não merece ser mencionado, só merecem destaque os gays que lutam por direitos e por uma vida melhor. Quem quiser exaltar os gays de direita , que procure outro lugar para fazê-lo. Recomendo que vc lave sua boca imunda antes de opinar sobre a esquerda.
  • em 18-11-2020 às 04:19 Everton
    Lipe
  • em 17-11-2020 às 20:21 tiozim pra Lipe
    Nossa, Lipe, "portal mais gay que trans"? Um portal LGBT acho que abrange a diversidade, não apenas um nicho... afff!
  • em 17-11-2020 às 11:55 Lipe
    Por que o partido PSOL é escrito aqui e o do Thammy não? E estou esperando há quatro anos vocês mencionarem o Fernando Holliday, que é gay. Como o portal é mais gay que trans, não vale mencionar? Ou vocês fecham os olhos para os gays que não compartilham da mesma visão? Ridículo esse papel, MM! Depois não sabem o ódio que a esquerda cirandeira causa na maior parte das pessoas!
  • em 17-11-2020 às 09:40 Helenão
    A eleição de trans comprova que a maioria já percebeu o erro de 2018 e quis repara-lo,mostra que ng esta nem ai p as besteiras do governo eleito e nem segue aquela sra dos direitos humanos ,que não representa ng.
  • Mostrar mais comentários...