Ativista de Gana faz apelo por apoio após centro LGBT ser fechado no país

Autoridades determinaram o fechamento do centro logo após a inauguração justificando que a homossexualidade é crime. Desde então, protestos ao redor do mundo vem pedindo que a decisão seja revertida.

por Redação MundoMais

Terça-feira, 09 de Março de 2021

A ativista ganense radicada no Reino Unido, Lady Phyll, escreve uma carta aberta na Vogue britânica pedindo apoio internacional e afirmando que a homofobia vai contra os valores africanos.

“O recente fechamento do novo centro LGBTQIA + em Gana partiu meu coração. Como uma mulher negra africana e queer, e que trabalhou duro ao lado de outras pessoas para construir espaços para que pessoas como nós se sentissem livres, seguras e vistas, eu sei muito bem como pode ser difícil – árduo mesmo – criar algo tão necessário e receber acidez. Parte meu coração que pessoas como eu vivam sob a ameaça de violência, e que tal violência seja co-assinada pelos líderes eleitos para protegê-los. E isso parte meu coração porque eu sou ganense e os ganeses não são isso."

"Gana e seus cidadãos conhecem bem o trauma, a violência e as violações dos direitos humanos que florescem sob regimes opressores. Eles sabem bem que Kwame Nkrumah, talvez nosso líder mais famoso e venerado, não toleraria o tipo de retórica que as pessoas LGBTQIA + em Gana enfrentando, com ameaças crescentes à sua segurança e bem-estar. Esta retórica contradiz o apelo de Nkrumah aos ganenses para ajudar a ‘remodelar o destino deste país … E torná-lo uma nação que será respeitada por todas as nações do mundo’. Gana, que conquistou sua independência da Grã-Bretanha e libertou seu povo de seus furtos, é melhor do que a homofobia pela qual se tornou conhecida recentemente – e os 67 de nós que assinaram uma carta apelando ao Presidente da República de Gana para abrir um diálogo significativo com lideranças LGBTQIA + no país, saiba disso."

"Haverá, é claro, questionamentos sobre o que aqueles de fora de Gana, tem a ver com as pessoas LGBTQIA + em Gana, mas somos ganenses por nascimento e, em espírito, somos africanos juntos. Cada um de nós tem a responsabilidade de falar abertamente em apoio àqueles que seriam pisoteados por outros simplesmente por quererem viver suas vidas sem interferência. Haverá questionamentos contra o que alguns verão como influência Ocidente sobre a agenda dos cidadãos de Gana, mas não estamos pedindo um casamento igualitário ou algumas das vitórias e aprendizados do movimento LGBTQIA + aqui no Reino Unido; estamos chamando a atenção para os direitos humanos das pessoas LGBTQIA + em Gana. Estamos nos manifestando e falando abertamente porque todos merecem viver sem violência."

"Nkrumah disse: “As forças que nos unem são intrínsecas e maiores do que as influências sobrepostas que nos mantêm separados”, e a homofobia é uma dessas influências sobrepostas. Não é africano tratar as pessoas com ódio e ignorância. Não é africano ameaçar nossos filhos, filhas e irmãos com violência porque eles ousam criar espaço para serem livres. Queerness, amor, liberdade e fazer a coisa certa, mesmo quando é difícil – tudo isso é africano. Parte meu coração que as lições aprendidas a duras penas do que aconteceu sob a imposição dos valores de outro país sejam reproduzidas aqui novamente. Gana é melhor do que isso."

"O que está acontecendo com nossos irmãos LGBTQIA + em Gana é inaceitável e é o resultado do fortalecimento de influenciadores anti-gays, que foram influenciados por uma leitura incorreta de textos religiosos e uma homofobia arraigada que começou com o regime colonial do Reino Unido. Temos orgulho daqueles que lutaram por nossa independência porque nós, como povo, entendemos que oprimir os outros, cometer violência contra os outros, não é africano. Não trouxemos a homossexualidade do Ocidente, trouxemos sua violência e sua homofobia. Todos os ganeses têm o direito de viver e amar com liberdade e segurança. Gana apóia a igualdade, e é hora de os líderes e cidadãos de Gana – em casa e no exterior – viverem de acordo com nossa integridade cultural e histórica e apoiar as pessoas LGBTQIA + em sua luta pela igualdade."

Comentários (3)

Atenção: Insultos e comentários em desacordo com o tema poderão ser despublicados.

  • em 10-03-2021 às 22:46 Crente Conservador Bolsonarista
    Que abra uma igreja e encha de ovelhas. Pra honra e gloria do Senhor.
  • em 09-03-2021 às 19:40 marcos40
    muito bom artigo, convincente demanda do grupo LGBTQIA+ . Apresento também meu apoio.
  • em 09-03-2021 às 12:40 sociabilista
    Discurso comevente. Mnto pertinente. Trazer a africanidade como um sentimento coletivo do bem, dá um significado devido de pertencimento que traz comoção e vontade de agregar-se.