Vaticano nega benção a união homoafetiva e alega pecado

Papa Francisco aprovou resposta formal da Congregação para a Doutrina da Fé sobre o tema em vitória para ala conservadora da Igreja.

por Redação MundoMais

Segunda-feira, 15 de Março de 2021

ROMA — O Vaticano decretou nesta segunda-feira que a Igreja Católica não pode abençoar as uniões entre pessoas do mesmo sexo, alegando que Deus “não pode abençoar o pecado”.

O escritório ortodoxo do Vaticano, a Congregação para a Doutrina da Fé, emitiu uma resposta formal nesta segunda-feira ao questionamento se o clero católico pode abençoar as uniões homoafetivas.

A resposta, contida em uma explicação de duas páginas publicada em sete idiomas e aprovada pelo Papa Francisco, foi "negativa".

O decreto faz uma distinção entre as boas-vindas da igreja e a bênção de pessoas homossexuais, que está mantida, mas não de suas uniões.

O Vaticano afirma que os homossexuais devem ser tratados com dignidade e respeito, mas diz que o sexo entre pessoas do mesmo sexo é "intrinsecamente desordenado". O ensino católico afirma que o casamento entre um homem e uma mulher é parte do plano de Deus e tem como objetivo a criação de uma nova vida.

O documento afirma que, visto que as uniões entre pessoas do mesmo sexo não têm a intenção de fazer parte desse plano, elas não podem ser abençoadas pela igreja.

“A presença em tais relações de elementos positivos, que por si só devem ser valorizados e apreciados, não pode justificar essas relações e torná-las objetos legítimos de uma bênção eclesial, uma vez que os elementos positivos existem no contexto de uma união não ordenada ao plano do Criador”, afirma a resposta.

Deus “não abençoa e não pode abençoar o pecado: Ele abençoa o homem pecador, para que ele reconheça que faz parte de seu plano de amor e se permita ser mudado por ele”, acrescenta.

O Papa Francisco endossou a proteção legal a uniões homoafetivas, mas isso se refere à esfera civil, não dentro da igreja. Ele fez comentários sobre o tema durante uma entrevista a uma estação de televisão mexicana, a Televisa, em 2019, que foram cortados pelo Vaticano até aparecerem em um documentário no ano passado.

Comentários (8)

Atenção: Insultos e comentários em desacordo com o tema poderão ser despublicados.

  • em 26-03-2021 às 07:48 Católico rp
    Meses atrás, o Papa surpreendeu o mundo ao afirma que famílias formadas por gays seriam abençoadas. Agora, volta atrás, por pressão da maioria hétero. Infelizmente ainda temos que viver no anonimato em pleno séc. XXI. Recentemente a equipe de Bolsonaro nomeou na pasta da CCJ como presidente, uma desgraçada que mesmo antes de assumir já impôs a retórica bolsonaristas de que ouvirá as minorias, mas prevalecerá a maioria. Discurso discriminativo sempre com conotação homofóbica. Espero que consigamos a liberdade nas próximas eleições, como aconteceu nos EUA com a Vitória do Biden.
  • em 17-03-2021 às 00:37 Crente Conservador Bolsonarista
    Parabens a igreja. É pecado mesmo e ponto final. A igreja só pode abençoar o casamento entre homem e mulher. A familia tradicional e as pessoas de bem apoiam a decisao da igreja.
  • em 16-03-2021 às 18:36 BOBBY
    Pecado?????
  • em 16-03-2021 às 11:03 Leandro
    Deus: sempre. Igreja: nem pensar
  • em 15-03-2021 às 19:56 Tito...
    Por isso, sempre aproveite das religiões aquilo que me convém. Nunca dei importância para igreja, meus problemas resolvo diretamente com Deus. Agora se explica porque tem tantos padres com depressão. Lamentável!
  • em 15-03-2021 às 19:22 Cris
    O celibato que os padres mantêm, ou seja, o fato de se exigir que não se casem, é extremamente anti casamento e procriação. Isso é claríssimo, mas eles podem manter essa exigência por capricho católico romano.
  • em 15-03-2021 às 18:00 Fábio
    Quem é o vaticano para falar do pecado alheio? Um sistema/religão, pagã/herege, que distorce o santo envangelho de Deus na cara de pau! Leiam a biblia, e vejam se esse sistema/religião, está de acordo com a vontade de Deus! É ri, pra não chorar!
  • em 15-03-2021 às 12:15 Felipe
    Não se trata de "vitória de conservadores", até porque quem explora a sexualidade alheia como item de mercado são os progressistas e não os conservadores. O que acontece aí é questão de dogma. Uma coisa é amar as pessoas homossexuais e chamá-las à Igreja. Isso Francisco já fez inúmeras vezes. Outra, é abençoar união entre indivíduos do mesmo sexo como se casamento fosse. Dogmas, doutrinas. Essas cosias. A maioria abomina a Igreja e joga nela todos os males do mundo, mas, engraçado, está louquinha para subir o altar e se casar com o bofe. Gente, quanto falta de coerência...