Paulo Betti diz que até hoje perguntam se ele é gay após Téo Pereira

Personagem está de volta ao ar em "Império" (Globo).

por Redação MundoMais

Quarta-feira, 09 de Junho de 2021

Ao contrário do blogueiro Téo Pereira, seu personagem na novela "Império" (Globo), Paulo Betti, 68, não pensa só em cliques e likes. O ator diz que teve receio de não estar ajudando a promover um debate mais amplo sobre a causa LGBTQIA+ tanto na estreia da trama, em 2014, quanto agora, na reexibição em horário nobre.

"Ele teve muitas resistências quando começou a aparecer", lembra o ator em entrevista à Folha de S.Paulo. "Houve logo uma reação de alguns blogs que diziam que era muito caricato, que poderia prestar um desserviço à causa LGBT. No primeiro momento, fiquei pensando: será que estou dando tiro no pé? Jamais desejaria fazer algo que fosse negativo."

Betti diz, porém, que conseguiu reverter a preocupação ao conversar com um primo, que é homossexual e vive no interior de São Paulo. "Ele me ligou e disse que [o personagem] estava fazendo o maior sucesso, que da maneira que eu representava, fazia bem para ele", conta. "Aí fui me aliviando dessa perspectiva de realizar algo que fosse contrário ao movimento de liberação, o que eu sempre acreditei."

Também ajudou o fato de que a reação das pessoas ao redor dele foi a melhor possível. Ele recorda que a novela estreou dois meses após o início das filmagens, mas que "você percebe na hora que está gravando o câmera, o iluminador, o contra-regra, a figurinista dando a resposta para você."

Depois da estreia, a repercussão foi ampliada. "Eu via na rua as reações das pessoas", afirma Betti, ao celebrar que o mesmo ocorre agora que a novela é reexibida –por causa do adiamento das tramas inéditas gerado pelo fechamento dos Estúdios Globo durante a pandemia e pela lentidão das gravações com os rigorosos protocolos de segurança.

"Hoje, revendo a novela, parece que o personagem está fazendo sucesso de novo", avalia. "Quando eu passo, as pessoas gritam 'Cu-ru-zes', que é o bordão do personagem. São geralmente homens. Eles querem abrir uma comunicação comigo, fazer um contato, tirar sarro... As pessoas pedem para eu falar o bordão, é bom."

Ele afirma que o personagem já veio praticamente pronto nos roteiros do autor Aguinaldo Silva, 77. "Assim que eu recebi o texto a primeira coisa que eu percebi é que tinha um 'ê' puxado, diversos 'êêês'. Isso estava no texto dele, como que eu vou falar isso? Vinha escrito 'quêêêridooo'. Eu fui tentar descobrir."

"Não tinha como falar aquilo sem ser razoavelmente afetado", afirma. "A bicha louca é a bicha afetada, que faz gestos, que transborda... Quando veio o texto, imediatamente decidi que faria dessa maneira. No fundo, entre a intenção e o que acontece na interpretação há o imponderável. Você faz uma coisa e acerta ou não."

Betti diz que procurou referências em obras como a peça "Abajur Lilás", de Plínio Marcos, e o filme "O Bandido da Luz Vermelha" (1968), de Rogério Sganzerla. Ao contrário do que muitos pensam, ele diz não ter se inspirado no jornalista Leo Dias, um dos mais conhecidos colunistas de celebridades do Brasil.

"Eu fui conhecer Leo Dias e fiz uma entrevista com ele", confirma. "Mas o tipo do personagem não foi inspirado nele. Eu, como ator, não me inspirei no Leo Dias para fazer o personagem, mas soube que a escrita do personagem talvez tenha tido alguma referência. Mas não é uma coisa direta, é essa coisa de construção de personagem. Para achar o personagem, você bota diversos nomes no caldeirão."

Além disso, Betti diz acreditar que o personagem tem muito do autor. "Ele é um pouco Aguinaldo", conta. "De uma forma brincalhona, Aguinaldo se coloca nele também. Ele [o escritor] não é nada politicamente correto, ele tem opiniões fortes... Mas, claro, que não é um retrato dele."

Ele afirma que Téo Pereira é fruto da imaginação de Aguinaldo Silva e que pouco interferiu na criação do personagem."Tem pouquíssimos cacos", diz. "Tem um caco que eu botei que é quando o Téo é preso. Quando eu chego na cadeia, os presidiários começam a perguntar se tinha muito ator gay. Na hora que terminou a cena, eu continuei e falei: 'Sabe quem é gay? O Paulo Betti!'."

Casado com a atriz e humorista Dadá Coelho, o ator afirma que até hoje acredita nisso. "Tem gente que não acredita que eu não sou gay", conta. Para a Dadá também, sempre falam: 'Ele é gay, não é possível!'. Mas, é isso, nós temos os personagens na gente."

Comentários (1)

Atenção: Insultos e comentários em desacordo com o tema poderão ser despublicados.

  • em 09-06-2021 às 10:43 gaucho
    otimo ator