Promoção Black Friday Promoção Black Friday Promoção Black Friday

Escócia é 1º país do mundo a ensinar a história LGBT nas escolas

Funcionários da escola devem receber um curso online de conscientização básica sobre a educação LGBT+ e um kit de ferramentas com recursos de ensino focados na diversidade.

por Redação MundoMais

Quarta-feira, 20 de Outubro de 2021

A Escócia acaba de se tornar o primeiro país do mundo a incorporar a educação inclusiva e a diversidade ao incluir o ensino de história LGBTQIA+ para seus alunos.

Como parte da assimilação da nova matéria, todos os funcionários da escola devem receber um curso online de conscientização básica sobre a educação LGBT+ e um kit de ferramentas com recursos de ensino focados na diversidade. Um site dedicado ao tema também será lançado com recursos de informação para apoiar os jovens.

Os currículos escolares de todas as idades agora incluirão identidades de gênero, questões e história LGBT+, conteúdos focados na promoção da igualdade, redução do bullying e melhoria das experiências educacionais de crianças e jovens LGBT+.

Pais, professores, jovens e organizações voltadas para pessoas lésbicas, gays, bissexuais, transsexuais e toda a gama de identidades, ajudaram a desenvolver tanto o portal online, quanto o curso e-learning para os funcionários e os recursos didáticos.

Representatividade LGBT+ na escola

Um relatório da instituição de caridade Stonewall revelou que quase metade das alunas lésbicas, gays, bissexuais, incluindo 64% das alunas trans, são vítimas de bullying na escola por serem LGBT+.

“Eu experimentei bullying e preconceito na escola por ser gay, e isso teve um impacto negativo em minha confiança e bem-estar por algum tempo. Este novo site e os recursos de apoio, que foram desenvolvidos em conjunto com professores em toda a Escócia, ajudarão os professores a adotar uma abordagem educacional proativa para combater o preconceito”, disse o cofundador da Time for Inclusive Education, Jordan Daly, ao The Scotsman.

“Mais importante ainda, este trabalho vai empoderar os jovens e dar-lhes uma oportunidade que não tive na escola – de se sentirem valorizados, confiantes e orgulhosos de quem são”, concluiu.

O conselheiro Stephen McCabe, porta-voz de Crianças e Jovens do órgão guarda-chuva da autoridade local Cosla, disse: “Melhorar a inclusão em nossas escolas é uma prioridade para o governo local. Damos as boas-vindas aos materiais publicados hoje, que ajudarão escolas, professores e funcionários da educação a impulsionar essa importante agenda, garantindo que todas as crianças e jovens recebam o apoio de que precisam”.

A presidente do Fórum Nacional de Pais da Escócia, Margaret Wilson, também saudou a implementação da educação inclusiva LGBT em todo o currículo escolar. “Com outras partes interessadas, desenvolvemos um recurso de informação sobre educação LGBT inclusiva para pais e responsáveis ​​para ajudá-los a apoiar seus filhos e garantir que tenham uma experiência educacional positiva, usando uma abordagem sustentada pelos direitos, gentileza e respeito das crianças.”

Um Grupo de Trabalho de Educação Inclusiva LGBT+ foi estabelecido em 2017 para melhorar a experiência de aprendizagem dos jovens e para lidar com o bullying e a discriminação. O grupo fez 33 recomendações, que o Governo escocês aceitou na íntegra.

A ministra da criança, Clare Haughey, se orgulhou da novidade. “Tenho orgulho de dizer que a Escócia está liderando o caminho como o primeiro país do mundo a incorporar a educação inclusiva LGBT em todo o currículo. Fazendo isso, podemos ajudar os jovens a alcançar seu pleno potencial e florescer em uma sociedade diversificada e inclusiva.

“O lançamento deste pacote inovador de recursos para escolas nos dá mais um passo em frente para garantir que nosso currículo seja tão diversificado quanto os jovens que aprendem em nossas escolas.”

Em 2017, os delegados da conferência de ensino do Education Institute of Scotland (EIS) apoiaram propostas para ensinar questões LGBT nas escolas.

A Escócia descriminalizou a homossexualidade em 1980, 13 anos depois da Inglaterra e do País de Gales. No início deste ano, os MSPs lançaram uma consulta pública sobre a criminalização de terapias de conversão, que são usadas para tentar mudar a orientação sexual ou identidade de gênero.

Comentários (3)

Atenção: Insultos e comentários em desacordo com o tema poderão ser despublicados.

  • em 21-10-2021 às 19:11 Felipe
    Enquanto a Europa, a cada dia, se transforma em vil e woke, nem macho, nem fêmea, relegando a tradição judaico-cristã, o direito romano e a filosofia grega, a China prepara exércitos de machos e envia mísseis atômicos, a dar voltas sobre a Terra e constranger aquele velho escroto e coitado que governa os EUA. Trata-se de um Ocidente, outrora livre, de joelhos a um Oriente, capitaneado pela China, a maior ditadura que já existiu, pelo Islã, com sua imensa obscuridade, e pela Rússia, armada e mal intencionada até os dentes. Entre nós, os assassinos do MST atacam a soja, ignorando que é graças a ela que conseguimos ter alguma relevância no tabuleiro internacional (com a soja e coma carne – atenção, idiotas veganistas – alimentamos, hoje, 1,5 bilhão de seres humanos, usando não mais do que oito por cento de nossa área agricultável). Quando perdermos totalmente essa guerra geopolítica, não reclamem, veados. A teremos perdido por essa loucura identitária irracional em que nos transformamos. Sim, bi, quando você não puder mais andar de calcinha pela Paulista, por imposição da Sharia, não reclame. E tampouco reclame do fato de seu namorado ter sido pendurado num guindaste. Quem cospe na liberdade do Ocidente, é certo, no fundo, não a merece.
  • em 21-10-2021 às 19:11 Felipe
    Havia imprecisões no texto anterior. Vou repostar.
  • em 21-10-2021 às 19:02 Felipe
    Enquanto a Europa, a cada dia, se transforma em vil e woke, nem macho, nem fêmea, relegando a tradição judaico-cristã, o direito romano e a filosofia grega, a China prepara exércitos de machos e dispara mísseis a dar voltas sobre a Terra. Trata-se de um Ocidente, outrora livre, de joelhos a um Oriente, capitaneado pela China, a maior ditadura que já existiu, pelo Islã, com sua imensa obscuridade, e pela Rússia, armada e mal intencionada até os dentes. Entre nós, os assassinos do MST atacam a soja, ignorando que é, com ela, que conseguimos ter alguma relevância no tabuleiro internacional (graças a ela, alimentamos 1,5 bilhão de seres humanos, usando não mais do que oito por cento de nossa área agricultável).Quando perdermos totalmente essa guerra geopolítica, não reclamem, veados. A teremos perdido por essa loucura identitária irracional em que nos transformamos. Sim, bi, quando você não puder mais andar de calcinha pela Paulista, por imposição da Sharia, não reclame. E tampouco reclame de seu namorado ter sido pendurado num guindaste. Quem cospe na liberdade do Ocidente, é certo, no fundo, não a merece.