Ativista LGBTQIA+ diz que 'maioria contrariada' é contra casal gay na TV

Samuel Gomes comenta que presença de casais gays na TV "não agride a sociedade" e normaliza o amor entre pessoas LGBTQIA+.

por Redação MundoMais

Segunda-feira, 27 de Dezembro de 2021

Pesquisa Datafolha publicada na noite de sábado (25) mostrou uma face da população brasileira que se opõe ao discurso de diversidade e pluralidade que empresas e a sociedade civil têm pautado: 51% dos entrevistados concordaram totalmente ou em parte com a frase "comerciais com casais homossexuais devem ser proibidos para proteger as crianças".

Para 45% dos entrevistados, há discordância total ou em parte com a mensagem; 2% declararam não saber e há um grupo que não concorda nem discorda. Ativistas LGBTQIA+ ouvidos pela reportagem interpretam que a resposta da maioria evidencia o quanto a homofobia, a LGBTfobia e outras opressões ligadas à sexualidade fervilham no debate público sobre costumes e garantem que a visibilidade precisa ser um caminho aberto sem retrocessos. "Ver essa pesquisa depois do Natal só mostra que eles não entenderam nada. Em um futuro brilhante e próspero, haverá espaço para todas as famílias", comenta o escritor e criador de conteúdo digital Samuel Gomes. "É uma maioria contrariada", analisa Welton Trindade, ativista LGBTQIA+ e jornalista proprietário da Rede Guiya, que mantém sites com guias gays em diversas cidades brasileiras.

A pesquisa foi feita entre os dias 13 e 16 de dezembro, com 3.666 entrevistas com pessoas de 16 anos ou mais em 191 municípios de todo o país.

Ativistas comentam maioria "contra casais gays em comerciais"

Não é a primeira vez que se questiona a visibilidade de pessoas LGBTQIA+ em propagandas televisivas. Em abril, a Assembleia Legislativa de São Paulo colocou em discussão um projeto de lei que queria proibir a veiculação de comerciais com casais LGBTQIA+ por entender que eles mostrariam "práticas danosas" às crianças. Depois da repercussão negativa entre parlamentares e ativistas defensores da causa, além de empresas que apoiam a diversidade, o tema foi retirado do debate.

O levantamento Datafolha mostrou ainda que a concordância é maior entre os homens (55%) e os menos escolarizados (57%) do que entre as mulheres (48%) e aqueles com ensino superior completo (39%).

Entre os evangélicos, a afirmação é defendida por 67% dos entrevistados, em contraste com 50% dos católicos e 40% dos espíritas. DataFolha apurou que entre os eleitores do presidente Jair Bolsonaro (PL), 74% concordaram com a mensagem.

Comentários (4)
  • em 28-12-2021 às 23:17 Jumento do pau grosso
    A mesma besteira de sempre. Esse rapaz ajudaria ou moça ou rapax ou mosax, não sei como quer ser chamado/chamada/chamadax, ajudaria enormemente se deixasse de exercer essa militância imbecil, chata e que só nos prejudica, a nós, os veados.
  • em 28-12-2021 às 20:40 Renato1
    Mano tipo como vc nos queima somos gays mais esta exposição ridícula nos deixa abaixo de todos.
  • em 28-12-2021 às 09:26 Toçinho de porcu
    Ta bão meus fio................Proxima materia........Pufavô..........kkkkkkkkkkkkkkk.
  • em 27-12-2021 às 17:32 mofil
    que cara besta, imbecil