San Marino, na Europa, elege primeiro presidente abertamente gay do mundo

Paolo Rondelli é um dos dois capitães regentes que vão presidir micronação de 34 mil habitantes durante próximos seis meses.

por Redação MundoMais

Sexta-feira, 08 de Abril de 2022

O político Paolo Rondelli, de 58 anos, abertamente gay, foi eleito um dos dois “capitães regentes” de San Marino, uma das menores e mais antigas repúblicas do mundo. Paolo é um grande defensor dos direitos das pessoas LGBT+ em sua luta política e agora vai presidir o país de 34 mil habitantes, localizado no nordeste da Itália.

Ele foi eleito em 1º de abril e vai dividir o cargo com Oscar Mina por seis meses. Eles devem presidindo o Grande e Geral Geral das nação de San Marino. Antes da eleição, Rondelli era deputado no parlamento de San Marino, além de ter sido embaixador nos EUA até 2016.

“Provavelmente serei o primeiro chefe de Estado do mundo pertencente à comunidade LGBTQIA+”, disse Rondelli em um post no Facebook. “E é assim que nós batemos…”

“É um dia histórico, que me enche de alegria e orgulho, porque Paolo Rondelli será o primeiro chefe de Estado pertencente à comunidade LGBT+, não apenas em San Marino, mas no mundo”, disse Monica Cirinnà, senadora italiana e ativista LGBT+, em um post nas redes sociais. Ela acrescentou que o político é ainda um grande defensor dos direitos das mulheres, não só em seu país.

A Arcigay Rimini, uma organização de direitos LGBT+ com sede na vizinha Rimini, agradeceu a Rondelli por “seu serviço à comunidade LGBTI” e por lutar “pelos direitos de todos” em um post no Facebook.

Embora Rondelli seja o primeiro chefe de estado gay conhecido, muitas nações elegeram chefes de governo LGBT+, incluindo o primeiro-ministro de Luxemburgo, Xavier Bettel, e a primeira-ministra sérvia, Ana Brnabić. A organização disse esperar que a Itália siga o exemplo de San Marino “deste caminho de progresso e direitos civis”.

A Itália tem sido criticada por ser lenta em tomar medidas sobre os direitos LGBT+. No ano passado, o senado italiano bloqueou um projeto de lei para combater crimes de ódio contra mulheres, pessoas LGBT+ e pessoas com deficiência após uma intervenção do Vaticano.

“Espera-se que a Itália dê um exemplo desse caminho de progresso e direitos civis”, acrescentou Arcigay Rimini, entidade onde Rondelli já foi vice-presidente.

San Marino introduziu o reconhecimento legal para casais do mesmo sexo em 2016. Este foi um passo significativo para o estado, onde a homossexualidade era punível com prisão até 2004.

San Marino foi fundada no início do século IV. Rodeada pelas montanhas italianas, é uma das poucas cidades-estado da Europa que sobreviveram até os dias de hoje, junto com Andorra, Liechtenstein e Mônaco.

Comentários (4)
  • em 14-04-2022 às 10:26 Fanta Sabor Larenja
    Eu sempre voto nulo, pois politico pra mim, é tudo servo do cão/171.
  • em 09-04-2022 às 16:50 Cris
    Parabéns a San Marino!!
  • em 08-04-2022 às 23:22 Zequinha
    A sexualidade, a etnia não deveria pesar na escolhas de gestores, o que deveria pesar mesmo na escolha do gestor de uma nação seria o caráter, o equilíbrio emocional
  • em 08-04-2022 às 16:31 Lipe
    Primeiro chefe de estado ABERTAMENTE homossexual, né? Na encolha… Aqui no Brasil, Eduardo Leite pode ser o primeiro presidente gay em 2026 ou 30.