Campanha da Volkswagen recebe ataques homofóbicos nas redes sociais

Foto com um casal gay diante do carro faz parte de uma série de posts da montadora sobre o tema da diversidade iniciada em junho de 2021.

por Redação MundoMais

Quarta-feira, 11 de Maio de 2022

Um post feito pela Volkswagen para anunciar o novo VW Polo 2023 nas redes sociais se tornou o centro de polêmica entre os internautas nas redes sociais. Isso porque a montadora decidiu escalar um casal gay para protagonizar uma campanha do seu novo veículo.

Na legenda da foto em que dois homens aparecem abraçados diante do carro, postada no Twitter, no Instagram e no Facebook, no último dia 6, a montadora diz: "Sabe o que evoluiu junto com você? O Polo. O que já era bom ficou ainda melhor, com muito mais segurança e tecnologia. Você acessa seu veículo sem o uso de chaves, aproveita a transmissão automática de 6 velocidades e se conecta com tudo pelo VW Play".

A publicação, explicou a montadora, faz parte de uma série de postagens sobre o tema da diversidade iniciado em junho de 2021 pela montadora. Mas uma série de comentários criticando - inclusive com ofensas e manifestações preconceituosas - e defendendo a campanha fizeram do post um dos mais comentados nas redes nos últimos dias.

A homofobia é crime , equiparado ao de racismo, desde 2019.

Somente no Instagram, foram até o momento mais de 6,2 mil curtidas e mais de 4,6 mil comentários. No Facebook, o post tem 20.800 comentários e 1.300 compartilhamentos, além de 29,5 mil reações. As reações fizeram o tema figurar entre os assuntos mais comentados do Twitter nesta terça-feira.

Em nota, a Volks afirmou que "a diferença enriquece e o respeito une". A montadora disse que a promoção à diversidade e inclusão é um dos pilares estratégicos de sua marca.

"A premissa da marca é garantir um comportamento respeitoso e inclusivo, dentro e fora da empresa, com parceiros diretos ou indiretos de negócio", diz o texto.

A Volkswagen informou que lançou uma cartilha chamada "Diversidade & Inclusão" para toda sua cadeia de fornecedores e rede de concessionárias no Brasil e desenvolve debates com seus funcionários, em todas as esferas hierárquicas.

"Acreditamos que cada pessoa, de diferentes raças, etnias, gênero, orientação sexual e idade/geração, tem experiências únicas, que somadas contribuem para fortalecer não somente a cultura da empresa, mas também o ambiente em que vivemos", destacou em nota.

A companhia disse ainda que todos têm a "responsabilidade de continuar aprendendo para contribuir para a luta contra  qualquer forma de preconceito".

Há duas semanas, a empresa postou uma imagem com um casal e bandeira LGBTQIA+ com a legenda "O amor só tem um caminho: a liberdade. O Polo foi feito para você fazer o seu destino, sem medo de ser feliz". O post tem quase três mil curtidas e mais de 500 comentários.

Há seis semanas, outra campanha da marca, com mais de 800 comentários, com outro casal gay também envolveu outra marca da montadora, o T-Cross.

" Quando curtimos juntos, toda aventura fica ainda melhor. O T-Cross é o seu novo crush que está sempre ON para qualquer rolê. Escolha o destino e siga o seu caminho, com muito conforto e toda a conectividade do VW Play".

Comentários (6)
  • em 18-05-2022 às 19:13 Crente Conservador Bolsonarista
    Comercial equivocado. Os gays que eu conheci vivem as custas dos pais . Não querem sair de casa porque a sociedade não dá emprego . Então eles não tem dinheiro pra comprar carro e nem bicicleta.
  • em 11-05-2022 às 23:27 marcio
    brasil do preconceito. mas defendem marginais.quem e quem?
  • em 11-05-2022 às 22:21 Zequinha
    E viva a diversidade em todos os aspectos da vida entre os seres vivos.
  • em 11-05-2022 às 21:25 Jorge Jorge
    Quisesse nos redimir da pobreza, a VolksWagen emprestaria aos meninos pobres brasileiros, gays inclusivel, pelo menos um projeto de um carro que planeje lançar. Mais os gays acham, coitados, que essas tiradas resolvida entre maconheiros da agência de marketing contratada terá a força para redimi-los. E, então, esperta, a VW mente, engana, faz de conta quê, enquanto fatura bilhões.... Essa bobagem toda, contra a qual, admitamos, quase ninguém mais se levanta, porque já perdeu a capacidade de reflexão e lógica, é uma que ainda me incomoda, gay cinquentão que sou. O uso. O uso da homossexualidade dos outros como moeda de faturamento. Não. Não aceito. O cu meu é o cu meu. Ponto.
  • em 11-05-2022 às 17:29 Sinserona
    Agora por, as gay pode comprar carro mas não pode ter propaganda direcionada a eles. Meu cool
  • em 11-05-2022 às 12:42 Margarethe Crãmer Tiudora
    Infelizmente, nesse praneta terractio, a mofobia nunca ira acabar! Aki mermo onde moro, tem muito homi....HOMI-Fóbicu. kkkkkkk