Liminar que obrigava IBGE a incluir orientação sexual no Censo é suspensa

Decisão de tribunal atende a pedido do instituto, que argumenta que acréscimo de perguntas poderia gerar novo adiamento da pesquisa.

por Redação MundoMais

Segunda-feira, 27 de Junho de 2022

O TRF-1 (Tribunal Regional Federal da 1ª Região) suspendeu na última sexta-feira (24), a decisão liminar da Justiça Federal do Acre que havia determinado a inclusão de perguntas sobre orientação sexual e identidade de gênero nos questionários do Censo Demográfico 2022.

A medida gera alívio para o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), que é responsável pelo Censo e havia ingressado com recurso contra a liminar.

O instituto argumentou que não teria tempo hábil nem orçamento suficiente para fazer o acréscimo das perguntas de forma adequada no levantamento. O início da coleta das informações do Censo está previsto para 1º de agosto.

A Justiça Federal do Acre havia determinado no dia 3 de junho a inclusão das perguntas, após acolher pedido do MPF (Ministério Público Federal).

Pela decisão, o IBGE teria 30 dias para comunicar as providências tomadas e planejadas para cumprir a medida.

O instituto, por outro lado, afirmou neste mês que o acréscimo poderia resultar em um novo adiamento do Censo —a pesquisa já foi cancelada em 2020 e 2021.

Na avaliação do instituto, a inclusão das perguntas geraria "impacto econômico severo", aumentando os custos do Censo além do seu orçamento, estimado em R$ 2,3 bilhões.

O órgão também já afirmou que, em razão da metodologia, o Censo "não é a pesquisa adequada para sondagem ou investigação de identidade de gênero e orientação sexual".

"A metodologia de captação das informações do Censo permite que um morador possa responder por ele e pelos demais residentes do domicílio", disse o IBGE em março.

"Pelo caráter sensível e privado da informação, as perguntas sobre a orientação sexual de um determinado morador só podem ser respondidas por ele mesmo", completou na ocasião.

Nesta segunda-feira (27), o IBGE afirmou que "só vai se manifestar sobre a suspensão da liminar da Justiça Federal do Acre depois que a AGU [Advocacia-Geral da União] tiver sido intimada e examinado a decisão".

Comentários (1)
  • em 27-06-2022 às 19:51 Ruãn
    M+, kede a materia sobre o caso do homi ke matou os paisdo companhero? Vão Boa noitepassar pano para o mau feitor? Boa noite.