Excluídos de eventos, cantores católicos gays discutem promover show juntos

Saída do armário pode ter sido a causa para o cancelamento injustificado de apresentações.

por Redação MundoMais

Segunda-feira, 04 de Julho de 2022

Gil Monteiro: cantor católico fala abertamente sobre ser gay e defende representatividade.

O cantor Bruno Camurati não escondeu a sua tristeza ao anunciar, pelas redes sociais, que foi desconvidado de se apresentar no Halleluya, um festival de música cristã previsto para este mês de julho. Católico, ele revelou no último mês ser homossexual, o que vê como a causa para os cancelamentos das suas apresentações. Um dos primeiros a se solidarizar com Camurati foi Gil Monteiro, outro músico influente nos meios católicos que revelou ser gay neste ano e também denunciou sofrer boicote em razão da sua orientação sexual. "Você tem os palcos do nosso coração", escreveu o cantor na publicação do colega.

Gil Monteiro conta que ele e Bruno Camurati já trocaram mensagens sobre o assunto. Os dois falaram da importância de espaços de música cristã que sejam abertos à população LGBTQIA+ e iniciaram conversas sobre realizar um show com essa proposta no segundo semestre deste ano. "Estamos conversando sobre fazer um show, em outubro ou novembro, que seria em São Paulo e no Rio de Janeiro", afirma. "Nós não vamos desistir, o Brasil é o país que mais mata LGBTs no mundo. A arte tem relevância social. Jesus ensinou que o Evangelho que não se vive não existe. Eu tenho que contar a minha história e cantar as minhas músicas para acolher quem se identificar com elas."

Gil Monteiro conta que, desde que revelou em live ser gay e casado com um homem, recebeu muitas mensagens de apoio e relatos de fãs que se identificaram com a sua história. "Eu estou tentando, mas ainda não consegui responder todas as mensagens que recebi no WhatsApp e no Instagram. Muitas pessoas se dizendo representadas pelo que eu falei", diz o cantor.

As críticas também vieram. "Eu sabia que teria haters, mas eu sigo os ensinamentos de Jesus. e me bate, eu dou a outra face. Se quer andar uma milha, eu vou andar duas. Esse é o ensinamento do Evangelho. Essas pessoas não seguem os ensinamentos de Jesus".

O cristianismo e os LGBTs

Gil Monteiro não vê conflito entre ser um cristão católico e uma pessoa LGBT. Ao contrário. Após um longo processo de reflexão e oração, o cantor entende que a sua sexualidade é parte do plano de Deus para a sua vida.

"Eu não sou um erro de Deus. Eu sou um acerto. Deus me criou intencionalmente como um homem gay "Jesus Cristo disse assim: eu vim para que todos tenham vida, e vida plena, e vida em abundância. Alguém que não pode amar não vive em abundância", afirma o cantor. Em entrevista ao jornal "Extra", Gil contou que foi impedido de se apresentar na diocese onde mais trabalhava por ter feito algo "grave" — segundo ele, a sua sexualidade.

"Fui convidado a não tocar em um evento da diocese na qual mais trabalhei até hoje. Foi uma ordem superior porque era 'grave' o que sou e o que fiz. O que sou e fiz? Eu sou gay", disse ao jornal.

Ocantor afirma que a Igreja Católica "não é um bloco monolítico" e que também recebeu apoio de padres e líderes religiosos. Monteiro conta ainda estar em contato com uma rede de católicos LGBTQIA+ e acompanhar discussões internas na Igreja, a exemplo do pleito de religiosos alemães para alterar o tratamento da temática dentro da formação católica.

Desconvidado de cantar no Halleluya, Bruno Camurati disse que a Comunidade Shalom, que organiza o evento, não deu esclarecimentos a ele sobre a razão do cancelamento da sua apresentação. "Só falaram que não aconteceria mais e que divulgariam outra programação, mas não quiseram dar o motivo", contou. Procurada, a organização do evento não se manifestou.

Comentários (6)
  • em 05-07-2022 às 19:54 kalbert
    E o amor que Jesus pregou, fica onde? Discriminar não é amar.... amar não separa... a discriminação só afasta (quem discrimina) de Jesus
  • em 05-07-2022 às 15:00 Jaques Demolay
    Antes de criticarem a Igreja saibam que existe uma Doutrina e um Magistério, e segundo esses pilares do credo católico a homossexualidade é um ato reprovável de pecado. Não me alongarei no porquê, pois já é de todo conhecido. Basta! Todo católico sabe que não pode haver relacionamento sexual entre pessoas do mesmo sexo. É pecado mortal, o qual impede a participação nos Sacramentos. Se ainda assim essas pessoas querem continuar na Igreja, não podem participar dos Sacramentos nem atuar à frente de evangelização, pois seria um contratestemunho. Ah, mas todo mundo peca! Sim, mas o católico é convidado a lutar contra o pecado e ocasiões de cometê-lo. Agora um pecado exposto publicamente , com intenção de continuar nessa vida e pior, militando para que isso seja aceito como normal, defender o ato, torna a pessoa passível de excomunhão. Ou seja, se a pessoa declara que vive sexualmente com pessoa do mesmo sexo e mesmo assim insiste em receber os Sacramentos, está excomungada automaticamente e para essa Igreja a qual diz seguir não é mais membro, vive uma ilusão e uma afronta à Sã Doutrina. O que fazer? Só há duas vias aceitáveis para continuar sendo católico: rejeitar o "homossexualismo" e procurar viver a castidade, assim, permanecendo na Igreja e podendo receber os Sacramentos (de longe a melhor atitude); ou continuar vivendo sexualmente com pessoa do mesmos sexo, porém, sem receber os Sacramentos e atuando à frente de evangelizações e ministérios, mas permanecendo na Igreja, inclusive com amparo eclesiástico. Viram como a Igreja não é nenhum monstro, mas uma Mãe? Respeitem essas coisas e serão respeitados.
  • em 05-07-2022 às 14:40 Um desliza
    Mas muié, não foi na igreja católica que mês passado, a noiva deu um flagra no padre que fez seu casamento e que tinha um caso com o noivo?
  • em 05-07-2022 às 11:41 Patricia Rivera Terra Nuevas
    Quem é o catolicismo na fila do brizolão, para falar mau, não concordar com a homossexualidade? Vivem e pregam um falso e heretico evangelho, que tem levado milhoes para oinferno depois da morte, infelizmente! Dai alguem vai dizer pra moá..............Vc esta cometeno crime religioso! Jura? Ôh dóooo! Bata ler a santa palavra de Deus e comprovar que, catolicismo, é puro paganismo, fato! Vou dar alguns exemplos.......Deus abomina....................Imagens de escultura/Falar com quem ja morreu/Dizer que tem purgatorio, sendo que isso é mentira, existe é inferno, e logo apos o juizo final, o lago de fogo, que é a segunda morte, morte essa, não é deixar de existir, mais ficar para sempre, longe de Deus e sua misericordia, ser atrormentado eternamente sem descanso/batizar criança, pois a mesma nem pecado tem, pois é um sersinho inocente, batismo é para adultos, logo apos se converter ao santo evangelho de Cristo/Chamar Maria de mãe é um absurdo, Ela é apenas nossa irma em Cristo, serva de Deus, Lembre-se, Deus não divide a gloria dele com ninguem/Representante de Papai do ceu aqui na terra, não é Papa, e sim, o espirito santo de Deus/romaria, novena, caticismo e etc....sao sacrificios de tolo diz a palavra de Deus, coisas vãns que para Deus, não tem valor algum, o ke Deus quer realmente de nos, e obediencia a sua santa palavra. Jesus e seus discípulos, não eram evangelicos/catolicos/espiritas/budistas e etc....., eles eram-CRISTÃOS. Um dia, pela misericordia de Deus, serei um cristão, e não essa palhaçada que vemos hoje em dia, briguinhas fuleiras, para ver quem é o melhor, o sabixão, mais não passam de uns cegos pobres coitados carentes da misericordia de Deus/Papai do céu. Em fim................Beijos e bom dia.
  • em 05-07-2022 às 02:31 Loiro
    Os católicos tradicionais não aceitam a homossexualidade nem toleram ideologia de gêneros. Tem muitos gays católicos que acreditam em Deus mas não têm espaço para expressar sua fé e adoração a Deus. Por isso, a tendência é fundarem igrejas católicas inclusivas assim como já existem muitas igrejas evangélicas inclusivas no Brasil. Desse modo, não haverá a inclusão social tão sonhada pelos esquerdistas, e sim uma espécie de integração social, ou seja, um grupo que não está segregado às margens da sociedade, mas um grupo de pessoas que está dentro da sociedade, subdividido por afinidades. Mas há quem diga que as igrejas inclusivas são como guetos, local onde se concentram pessoas rejeitadas pela sociedade.
  • em 04-07-2022 às 22:22 Zequinha
    Esse pessoal não é cristão usam o cristianismo para se darem bem massacrando os outro, usam o cristianismo com instrumento de poder, de perseguição, considerando que cristo pregava acolhimento, inclusão tudo queesses pseudeus cristãos odeiam sejam eles evangelicos ou catolicos. Viva a liberdade sexual