Ator diz que foi aconselhado a esconder sua sexualidade

Luke Fetherston diz que, até que possam se abrir sobre o assunto, o mais genuíno é que atores gays sejam escalados para interpretar personagens gays.

por Redação MundoMais

Segunda-feira, 18 de Julho de 2022

O ator e modelo britânico Luke Fetherston explicou em entrevista para a revista Attitude que foi aconselhado a esconder sua própria sexualidade ao interpretar um personagem homossexual na série “Flores no Sótão: A Origem” (Flowers in the Attic: The Origin), por estar parecendo “autêntico e genuíno”.

“Tenho certeza de que a maioria de nós foi instruída a esconder a nossa sexualidade. Não consigo imaginar conhecer um ator gay que não tinha ouvido isso”, disse o ator.

Fetherston contou que “muito recentemente” foi informado por um colega, também ator, que ele não deveria revelar a própria sexualidade. “É verdade que ela cresceu em uma época diferente. Então, talvez seus pontos de vista sejam um pouco arcaicos”.

“Mas, você sabe, é a opinião dela, e eu aprecio a opinião de todos. Já me preocupei? Sim, eu me preocupei em anunciá-lo. Como eu disse, não é algo que alguém precisa gritar e expor, porque o que isso importa? Estou fazendo um papel gay. E eu sou um homem gay. Por que eu não diria isso?”, questionou.

Ele acrescentou que, até que os atores LGBTQ+ possam se abrir sobre a própria sexualidade, “é importante que os gays sejam escalados como personagens gays”, e que essa é a opção mais autêntica.

Para o ator, “Flores no Sótão: A Origem” é um drama de suspense “gótico, sombrio e misterioso” e que envolve seu personagem passando por uma terapia de conversão LGBTQ+ nas décadas de 1920 e 1930. Fetherston contou que pesquisou sobre a terapia de conversão, assim como as tentativas de proibir a prática no atual Reino Unido.

“Levou muito peso. E eu não percebi o quanto eu não sabia sobre o que as pessoas passaram, e o que as pessoas ainda estão passando”, disse ele.

“Então, eu tive essa justaposição, isso é realmente incrível como um momento de carreira, mas também de partir o coração para aqueles que tiveram que sofrer. Pesquisei o máximo que pude. E eu queria dar a esse momento da série tanto peso quanto eu acredito que ele merece… Eu não posso acreditar que ainda é visto como uma opção”.

Luke acrescenta também que, apesar disso, a relação entre o personagem e seu interesse amoroso é “o retrato de amor mais autêntico, natural e genuíno da série”.

Comentários (3)
  • em 21-07-2022 às 16:29 Alfredo
    Ôh dóooo.
  • em 19-07-2022 às 08:53 JOHNNY JOHNN
    Os personagens do filme Making Love (1980) não eram gays, foram crucificados pela mídia da época por fazerem o papel de homossexuais, o que ocorreu eles não mais conseguiram atuar em filmes e nem convidados por preconceito da época 1980.
  • em 18-07-2022 às 23:18 Zequinha
    Interpretar qualquer personagem independe da sexualidade do ator, depende mais do talento do mesmo.