Parlamento russo vai discutir nova lei contra “propaganda” homossexual

Duma anunciou ter recebido uma proposta de lei pedindo o alargamento da proibição, aprovada em 2013, à “promoção de relações sexuais não tradicionais” junto de menores de idade.

por Redação MundoMais

Quarta-feira, 20 de Julho de 2022

O parlamento da Rússia anunciou na segunda-feira que vai discutir um projeto de lei que prevê restrições ainda mais rigorosas ao que o Kremlin chama de “propaganda” homossexual.

O portal da Duma na Internet anunciou ter recebido uma proposta de lei pedindo o alargamento da proibição, aprovada em 2013, à “promoção de relações sexuais não tradicionais” junto de menores de idade. Apresentado por um grupo multipartidário de seis deputados, comunistas e conservadores, o projeto de lei proibiria a discussão pública de relações entre a pessoas da comunidade LGBTI+ (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transgénero, Intersexo e outros) de forma positiva ou neutra, assim qualquer conteúdo LGBTI+ nos cinemas.

Em 08 de julho, Vyacheslav Volodin, o líder do parlamento russo e aliado do Presidente, Vladimir Putin, tinha defendido uma ampla proibição de divulgar informações sobre relacionamentos LGBTI+. “Com a saída do Conselho da Europa, as exigências para legalizar os casamentos entre pessoas do mesmo sexo na Rússia tornaram-se coisa do passado. Tentativas de impor valores externos à nossa sociedade falharam”, escreveu Volodin na plataforma de mensagens Telegram.

A Rússia retirou-se do Conselho da Europa, um órgão de defesa dos direitos humanos, em março.

Figuras pró-Kremlin têm repetidamente apresentado a guerra na Ucrânia como uma batalha contra os “valores ocidentais”, que dizem incluir os direitos da comunidade LGBTI+.

Também na segunda-feira, Putin demitiu formalmente o representante da Rússia no Tribunal Europeu dos Direitos Humanos (TEDH).

Em 12 de julho, a instância europeia com sede em Estrasburgo (França) considerou que a Rússia violou o artigo 8.º da Convenção Europeia dos Direitos Humanos, relativo ao direito ao respeito pela vida privada e familiar, ao ter negado a possibilidade de casamento a três casais homossexuais russos. Em junho, o Presidente russo tinha proclamado a Rússia isenta de fazer cumprir as sentenças do TEDH.

Na Rússia, a violência contra homossexuais é frequente e é alimentada pelas alas conservadoras e religiosas. A lei contra a “propaganda” homossexual de 2013 serviu de pretexto para proibir as marchas do orgulho gay e a exibição de bandeiras arco-íris.

Desde 2020, a Constituição russa também especifica que o casamento é uma união entre um homem e uma mulher, proibindo dessa forma o casamento entre pessoas do mesmo sexo.

Comentários (3)
  • em 20-07-2022 às 23:03 Zequinha
    Como a sexualidade é algo natural nos seres vivos, qualquer governo de qualquer pais pode até proibir a homosexualidade porem ela já mais vai deixar de existir porque não 0pcional
  • em 20-07-2022 às 23:03 Zequinha
    Como a sexualidade é algo natural nos seres vivos, qualquer governo de qualquer pais pode até proibir a homosexualidade porem ela já mais vai deixar de existir porque não 0pcional
  • em 20-07-2022 às 14:00 Dany
    Cada vez mais fodida, atrasada, boicotado e sancionada.