Entrar na área VIP

Em prol da igualdade

Brasil e África do Sul pedem à ONU mais ação no combate à violência contra gays.

por Redação MundoMais

Sexta-feira, 06 de Julho de 2012

Quatro meses depois do histórico painel ocorrido na 19ª sessão do Conselho de Direitos Humanos da ONU, a respeito da discriminação e dos atos de violência motivados por orientação sexual e identidade de gênero, Brasil e África do Sul se unem novamente para reintroduzir a discussão na entidade internacional.

O debate de 7 de março deste ano teve lugar após uma iniciativa dos dois países ocorrida em junho/2011, quando, por 23 votos a 19 e três abstenções, o Conselho aprovou uma resolução sobre o tema, promovendo a igualdade dos indivíduos sem distinção de orientação sexual e recomendando um estudo sobre a discriminação contra LGBTs no mundo. O texto foi apresentado pela África do Sul, e o debate de março foi, então, programado - sempre com forte oposição de países africanos, islâmicos, China e da Rússia, onde paradas gays são proibidas.

Agora, o embaixador da África do Sul nas Nações Unidas, no interesse de seu país, e o Brasil entregaram uma declaração na última segunda-feira (02), que diz serem os direitos de LGBTs parte integrante dos Direitos Humanos e exigindo da ONU mais ação no combate à discriminação e aos crimes de ódio, informaram hoje sites da imprensa gay intenacional. A declaração pede ainda uma posterior discussão e trabalho sobre o tema.

Declarações pró-gays também já foram entregues pela Noruega, Conselho da Europa e representantes da sociedade civil, incluindo um documento conjunto da ILGA-Europe, COC Netherlands, ARC e outras entidades.

Atenção: Insultos e comentários em desacordo com o tema poderão ser despublicados.

  • ssGhwldrAlnD

    Concordo sim Com quase tudo, menos com a definie7e3o de tabarlho. Mas entendi que ela foi fatil pra dar introdue7e3o e0s ideias subsequentes (nossa 2 mudane7as ortogre1ficas na mesma frase!).Trabalho em desenvolvimento de software ne3o e9 nada no piloto autome1tico, ne3o e9 repetitivo e muito menos de1 pra fazer de olhos fechados!Ente3o para 2.0 ser eficiente e9 necesse1rio dar poder e0s pontas ou seja heterarquia ao inve9s de hierarquia. Certo?

    em 29 de dezembro de 2012, às 16:15
  • rico

    todos os homofobicos são homossexuais maus resolvidos eles enxergam em outras pessoas o que eles tem de pior e com o constante fantasma de sua sexualidade oculta...

    em 16 de julho de 2012, às 21:37
  • jean pierre

    Caro Ivan, você fez um comentário brilhante. Gostei muito! Mas longevo é aquilo ou aquele de vida longa, meu! Talvez quisesse dizer "...nesses longínquos cantos do mundo." Abç!

    em 09 de julho de 2012, às 16:56
  • Marco Aurélio

    A Índia que cresce economicamente, mas pela grotesca população, a maior parte vive na miséria, sem saneamento básico e educação, veneram todas as trans que nascem; são consideradas deusas, representando o macho e fêmea na sua cultura. Fazem festas para elas, que são chamadas de HIDRAS.

    em 08 de julho de 2012, às 22:24
  • Ivan

    Adimiro a Rússia, que já foi uma potência ao lado dos EUA (hoje, vive no atraso do comunismo e do machismo) insistir na discriminação das mulheres, e consequentemente dos gays. As prostitutas são idolatradas pelos políticos, mas os gays ainda são a escória em sua percepção. O enforcamento no Irã, Afeganistão e outros do islã é um retrocesso na civilidade(tudo em nome do alcorão, da bíblia que considera os gays abomináveis) e muitos outros países que a maioria da população, infelizmente são como animais irracionais pela falta de educação e pela própria etnia e raça pouco desenvolvida naturalmente. Tenho pena dos gays e sapatas que nascem completamente esteriotipados nesses locais(já setenciados ao desprezo, à morte). Os que nascem discretos ainda conseguem enganar os incautos. Foi ótima a decisão do Brasil e da África do Sul em apelar pelo órgão máximo dos direitos humanos, porém se aqui é difícil os ignorantes respeitarem as minorias, quem dirá nesses longevos cantos do mundo!

    em 08 de julho de 2012, às 22:14
  • Arnold Filho

    Entendo que precisamos valorizar qualquer iniciativa em prol dos direitos dos LGBT. Apesar de o governo brasileiro ter seus erros, em relação aos homossexuais - e um deles foi a suspensão do kit contra a homofobia - esse mesmo governo desenvolve políticas gays afirmativas. Não me interessa elogiar o governo, mas acho que qualquer ação positiva em relação ao segmento homoafetivo deve ser reconhecida. Não em favor do governo, mas para que novas ações afirmativas sejam implementadas. Não podemos nem de longe comparar o Brasil com ditaduras teocráticas, como o Iran, o Marrocos, a Arábia Saudita e outros. Ou mesmo com ditaduras comunistas como a China, a Coréia do Norte e Cuba. Nesses países, a pena aplicada aos homossexuais é geralmente a morte.

    em 08 de julho de 2012, às 15:42
  • PARAIBANO QUENTE PASSIVO

    E EU JURA QUE DILMA ERA LÉSBICA

    em 08 de julho de 2012, às 12:15
  • Marck

    Quem é o Brasil para exigir alguma coisa para a ONU se ele próprio não combate a violência contra nós gays. Toda semana ouvimos histórias absurdas de violência. São Paulo virou a cidade mais hostil contra gays do Brasil e nada acontece... é uma piada mesmo..

    em 07 de julho de 2012, às 21:53
  • erico

    BRASIL, IMPOSCRISIA PURA, TEMOS UMA PRESIDENTE HOMOFÓBICA, VOLTADA PARA AS BANCADAS EVANGÉLICAS, DEVERIA SE ENVERGONHAR DE POUSAR DE SANTO NO EXTERIOR!

    em 07 de julho de 2012, às 01:46
  • Nelson - SP

    Galera, iniciativas como essa em organismos multilaterais como a ONU são normalmente uma pregorrativa do Poder Executivo... Não temos uma lei que criminalize a homofobia ou que legalize o casamento entre pessoas do mesmo sexo por causa da letargia do nosso Poder Legislativo e da pressão da bancada evangélica em nosso Parlamento...

    em 06 de julho de 2012, às 20:04