Símbolo do caos

Viúva de Marielle diz que Damares não representa a maioria das brasileiras.

por Redação MundoMais

Sexta-feira, 01 de Março de 2019

GENEBRA – A ativista Mônica Benício, viúva de Marielle Franco, denuncia o Estado brasileiro na ONU e as tentativas de silenciar feministas. Num discurso no Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas em Genebra, nesta quinta-feira, ela lembrou que o crime cometido em 14 de março de 2018 "continua impune".

Em entrevista ao blog, Monica explicou que o objetivo de sua presença na ONU é a de "dizer ao mundo a conjuntura que existe no Brasil". "Marielle é um símbolo de todo o caos que temos vivido", disse.

A ativista não poupou críticas à chefe da pasta de Direitos Humanos no Brasil, a ministra Damares Alves. "No Brasil, jagunços tomavam conta de escravos. Homens negros tomavam conta de homens negros. Hoje, temos uma mulher na pasta de direitos humanos e da família, seja lá qual for essa família que eles estão tentando nos impor", criticou.

"Ela não me representa e não representa nenhuma mulher que tenha o objetivo de ser livre no Brasil", afirmou.

No início da semana, Damares ignorou o caso de Marielle ao passar pela ONU. Apesar de insistir que quer defender os ativistas de Direitos Humanos, um dos principais casos mencionados pela ONU ao longo dos últimos meses – o assassinato de Marielle Franco – não foi citado pelo governo brasileiro.

Na avaliação da ministra, o local não era adequado. "Nós temos outros casos no Brasil. Por que citar tão somente o caso de Marielle? Poderíamos fazer uma lista", declarou. "Não era um ambiente de prestação de conta do caso Marielle. O recado que queríamos mandar é que os defensores de Direitos Humanos estão sendo protegidos no Brasil", garantiu. Relatores da ONU já criticaram em diversas ocasiões a ausência de uma ação do Estado brasileiro para proteger ativistas.

Nesta quinta-feira, ao blog, Monica deu sua resposta. "É profundamente equivocado e burro a colocação que ela faz e lamentável", disse. "Ela (Damares) não consegue entender porque Marielle é um símbolo de uma transformação social que precisamos com urgência no Brasil. Não é porque ela era minha companheira ou por ser especial, mas por ser uma pessoa política, a ministra deveria entender que Marielle representa uma pauta de Direitos Humanos fundamental", afirmou.

"Marielle era vereadora, negra, favelada, lésbica. No seu corpo, representava todas suas pautas. Por isso é um símbolo, não por ser uma pessoa querida. Ela (Damares), como ministra de Direitos Humanos, deveria saber disso", insistiu.

Monica fez questão de explicar que um de seus objetivos na ONU é o de dizer ao mundo que não é porque há uma mulher na pasta de Direitos Humanos que ela representa os interesses das mulheres no Brasil. "Ela (Damares) não me representa e acredito que não representa a maioria das mulheres no Brasil", disse.

Comentários (67)

Atenção: Insultos e comentários em desacordo com o tema poderão ser despublicados.

  • em 06-03-2019 às 12:46 FelipeSP
    Ele propos o debate tanto que aprendi um Monte com ele esse pessoal de grupo gay não ta com nada, o site for injusto com o Jorge Jorge
  • em 06-03-2019 às 12:44 FelipeSP
    Discordo inteiramete de você, cara, Jorge Jorge jamais incitou o ódio
  • em 06-03-2019 às 12:27 Bolsonaro é o caralho!!
    A mim, e a você é dado o direito à reflexão, mas você não o faz. Reveja seus comentários e me indique onde está a reflexão? Existe apenas incitação ao ódio e retórica com palavras pouco usuais. Você junta capitalismo com socialismo, acha que o conceito é sis, ao invés de cis... e por aí vai. O que você faz, isso sim é dividir o mundo em bons e maus. Desde quando o diverso, o diferente foram negados pela esquerda? Esses milicianos que estão no governo, esses sim querem que o mundo seja exatamente como eles o veem. Frase do imbecil do presidente durante a campanha: se as minorias não se adequarem elas desaparecerão. A não ser que você seja maioria você está dentro dessa fala do imbecil eleito.
  • em 06-03-2019 às 12:12 Pau de Jumento
    Verdades eloquentes demais não conseguem ser assimiladas por pessoas a quem não é dado o direito da reflexão ampla. Continue, garoto, dividindo o mundo como os folhetins o fazem: entre bons e maus. No mais, siga em frente, imaginando que são seus, mas não são, os conceitos pequenos e tolos que defende.
  • em 06-03-2019 às 10:47 Bolsonaro é o Caralho!!!
    Ressentimento, isso se resume o discurso do tal Pau de Jumento, que aliás se parece muito com cara que foi banido dos comentários. Um capitalismo, aliado a um socialismo? Humm, parece que alguém faltou às aulas de sociologia do ensino médio. Está misturando dois conceitos um tanto diferentes. E novamente voltamos às vociferações raivosas e que entram em desacordo com as regras daqui. Esse tal Pau de Jumento incita ao ódio, desqualifica LGBTs. Mariele Franco representa muito mais que sua morte. Ela agora é símbolo da luta pelos direitos humanos, a luta de Monica não é apenas por descobrirem os assassinos da Esposa, mas pelas vidas, as quais, não importa ao estado brasileiro. Pau de jumento, vai estudar e aprenda a escrever os conceitos corretamente, é cis que se escreve.
  • em 06-03-2019 às 09:55 Pau de Jumento
    Todos aqui desejariam que o mundo se parecesse ao folhetim da Globo, em que Pedro, habitante da esquerda, é bom, e Paulo, à direita, é um malvado. Mas não é nada disso que se passa, meus amores.
  • em 06-03-2019 às 09:54 Pau de Jumento
    Insisto: a esquerda desconhece a possibilidade de conviver com a pluralidade das ideias. Insisto mais: procurem pela expressão "lumpemproletariado". Entendam o extenso significado de lumpemproletariado e a aplicabilidade que tem hoje em dia. E, então, verão: nós somos lumpemproletários, na mão de um capitalismo selvagem, aliado a um socialismo a quem só o poder interessa. E, em meio a isso tudo, massas de pessoas, como essa "viúva", vão e vêm, alguns gozando as pequenas benesses do capitalismo, como receber afago da ONU, com direito a up grade para a classe executiva.
  • em 05-03-2019 às 20:02 Sidney
    Bom, quando se tem opção é simples: não lerei mais as notícias do site e, por isso, não terei que ler mais os comentários. Saúde em primeiro lugar. Bye bye Brasil...
  • em 05-03-2019 às 19:10 Honório
    Os idiotas filhos do Bolsonaro e as "Viúvas de Marielle", quenão são poucas, todos, compõem um grupo de idiotas, que a história haverá de descrever como aproveitadores, em diferentes graus, da miséria humana. Aproveitadores e safados.
  • em 05-03-2019 às 16:32 Sinceramente
    Jorge Jorge mudou só de nome e continua escrevendo bobagens. Como diz Bela Gil, se o Mundo Mais quiser, pode substituir o nome da seção Notícias para privada, por exemplo. Kkkkk
  • Mostrar mais comentários...